Paraguai: organizações deploram desfile de crianças fardadas

Desfile em homenagem à vitória do país na Batalha de Curupayty teve participação de meninos vestidos com fardas camufladas do Exército e portando fuzis no ombro

184 1

Desfile em homenagem à vitória do país na Batalha de Curupayty teve participação de meninos vestidos com fardas camufladas do Exército e portando fuzis no ombro

Por Natasha Pitts, da Adital

mostrafoto_cortada.asp

No último sábado, dia 22, o governo paraguaio de Federico Franco promoveu um desfile em homenagem à vitória do país na Batalha de Curupayty, ocorrida em 22 de setembro de 1866, durante a Guerra da Tríplice Aliança. Não haveria problemas com a homenagem se não fosse a participação de meninos vestidos com fardas camufladas do Exército e portando um fuzil no ombro, como se fossem militares.

O desfile repercutiu negativamente em todo o país e despertou críticas por parte de inúmeras organizações, sobretudo as que velam pelos direitos das crianças e dos adolescentes. Em comunicado à opinião pública, o Fórum pelo Direito à Educação denunciou as autoridades como principais responsáveis pelo ressurgimento de práticas militares no Sistema Educativo, e também lamentou o fato de as crianças estarem portando armas de brinquedo quando deveriam “aprender jogando para a vida e a paz e não para a guerra e a violência”.

O Fórum enxerga este desfile como uma prova de que a educação no Paraguai continua sendo instrumentalizada, como na época da ditadura, para a instalação de um regime ‘militarista, autoritário e perverso’, visto que o Estado manipula os setores mais vulneráveis no lugar de oferecer a eles absoluta proteção.

“Desde o Fórum pelo Direito à Educação repudiamos situações desta envergadura e reivindicamos uma educação para a construção de uma sociedade democrática, participativa, que forme pessoas conscientes e comprometidas para a construção de um país com justiça social, paz e de plena vigência dos direitos”, reclamam.

A Coordenadora pelos Direitos da Infância e da Adolescência, coletivo que une 27 organizações que lutam pelos direitos de crianças e adolescentes, também não deixou o fato passar despercebido e manifestou publicamente todo seu repúdio à participação das crianças no desfile. A Coordenadora ainda lamentou a participação do Ministério da Educação e Cultura na promoção deste tipo de evento.

O coletivo alertou que a associação de crianças com armas, situações bélicas ou ligadas a conflitos armados é altamente desaconselhável ao desenvolvimento infanto-juvenil, visto que promove uma cultura de violência e guerra.

De acordo com a Coordenadora pelos Direitos da Infância e da Adolescência, nos últimos anos pelo menos 90 adolescentes morreram em dependências militares, enquanto outros ficaram feridos ou com deficiências, motivo pelo qual o Estado paraguaio se comprometeu com a comunidade nacional e internacional a não permitir que menores de idade se engajassem em funções do serviço militar.

Diante disto, a Coordenadora pede que o Estado paraguaio cumpra com sua palavra e chama a população do país os meios de comunicação a aderirem a uma cultura de tolerância zero com as propostas que promovam violência e prejudiquem o crescimento e o desenvolvimento integral das crianças e adolescentes.

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



No artigo

Comentários

1 comment

  1. José Roberto Responder

    As crianças e adolescentes, seres em formação, são manipulados pelo ódio que alguns setores sociais e políticos nos países latino americanos possuem em relação à democracia e ao Estado de Direito.
    Infelizmente a população destes países ainda estão na infância dos processos democráticos, de formação de uma cultura de paz, inclusão social e ascensão econômica.
    O Paraguai não é o único e não será o último a ter que forjar em sua sociedade os mecanismos para barrar a violência e o preconceito. Esperamos que o golpe imundo contra o Presidente Lugo não contamine a sociedade paraguaia e a cidadania plena retome seu papel protagonista naquele país.