Reação de aluno ateu a bullying acaba com pai-nosso na escola

O caso ocorreu no início de abril, mas é ilustrativo: após se recusar a rezar o pai-nosso, o estudante Ciel Vieira ouviu da professora que “jovem que não tem Deus no coração nunca vai ser nada na vida”

16995 285

O caso ocorreu no início de abril, mas é ilustrativo: após se recusar a rezar antes de aula, o estudante Ciel Vieira ouviu da professora que “jovem que não tem Deus no coração nunca vai ser nada na vida”

Por Paulo Lopes

Assine a Fórum por 1 ano e ganhe as cinco últimas edições. Veja mais aqui. 

No início deste mês, o estudante Ciel Vieira, 17, de Miraí (MG), não se conformou com a atitude da professora de geografia Lila Jane de Paula de iniciar a aula com um pai-nosso. Então, ele se manteve em silêncio, o que levou a professora a dizer: “Jovem que não tem Deus no coração nunca vai ser nada na vida”.

Era um recado para ele. Na classe, todos sabem que ele é ateu. A escola se chama Santo  Antônio e é do ensino estadual de Minas. Miraí é uma cidade pequena. Tem cerca de 14 mil habitantes e fica a 300 km de Belo Horizonte.

Quando houve outra aula, Ciel disse para a professora que ela estava desrespeitando a Constituição que determina a laicidade do Estado. Lila afirmou não existir nenhuma lei que a impeça de rezar, o que ela faz havia 25 anos e que não ia parar, mesmo se ele levasse um juiz à sala de aula.

Na aula seguinte, Ciel chegou atrasado, quando a oração estava começando, e percebeu ele tinha sido incluído no pai-nosso. Aparentemente com a aquiescência da professora, alguns estudantes substituíram a frase “livrai-nos do mal” por “livrar-nos do Ciel”.

O rapaz gravou o bullying com o seu celular e o reproduziu em um vídeo no Youtube, onde expôs a sua indignação (ver abaixo).

E só então, por causa da repercussão do vídeo, a direção da escola e a inspetoria passaram a cuidar do caso, mas para dar um jeitinho, de modo que a professora pudesse continuar a rezar o pai-nosso sem a presença de Ciel.

Contudo, a secretaria de Estado da Educação, ao ser procurada pela Folha de S.Paulo, informou que a professora Lila tinha sido orientada a parar de rezar. Não se tem a versão da professora porque ela não quis falar com a imprensa. Lila é católica.

O estudante gravou um segundo vídeo para contar o desfecho do imbróglio e agradecer o apoio da Atea (Associação Brasileira dos Ateus e Agnósticos), de familiares e dos parentes.

Ao jornal, a  mãe de Ciel comentou: “Até chorei quando vi o vídeo [o primeiro] dele. Meu filho sempre foi um aluno ético”.

Ela é espírita.

“Livrai-nos do Ciel, amém” 

“O diretor disse que era só um probleminha”



No artigo

285 comments

  1. Cirillo Charros Responder

    Atitude parceiro! Sou professor, não sou ateu, mas sempre me indignei com qualquer tipo de manifestação religiosas nas escolas estaduais que trabalhei. Como você mesmo cita escola é para estudar. Religião é outro departamento. Gestores da educação, mais compreensão em relação as leis que regem esse país. Citando Ciel: “Sem base…”

    1. Maryana ☮ Responder

      pra isso que existe as igrejas né..

      1. Konata Kishin Responder

        quando estudava era forçado a rezar pai nosso todos os dias que chegava na escola.

        1. Sentinela Católico Responder

          Mas será que o ato de forçar os alunos a não rezarem também não é um ato tão autoritário quanto?

          1. Aline Macedo

            Pelo contrário.
            Se os alunos estivessem se reunindo e rezando por livre e espontânea vontade e alguém os impedisse, aí sim estaria sendo autoritário. Mas o caso é completamente diferente, até mesmo porque a professora é uma figura de autoridade e, com essa atitude, estava abusando de seu poder.

          2. Joseli Martins

            quanta ignorancia

          3. Felipe

            A única crença que se beneficia em não rezar em sala de aula em NENHUM momento é o ateísmo. Lobos em peles de cordeiro. Levantam a bandeira da igualdade onde na verdade as cores e símbolos representam os interesses próprios. Tenham coragem pelo menos de dizer a verdade. Querem proibir a oração cristã na sala de aula porque isso beneficia o ateísmo.

          4. Also Sprach

            ateísmo não é crença; já a crença em Deus, até então, não é nada mais que um pressuposto

          5. Vládia Junqueira

            Não, pq lá não é igreja

          6. Patrícia Camelo

            Duas palavras: estado laico.

            repita toda noite antes de dormir até entender.

          7. Felipe

            Repita comigo, estado laico não é estado ateu. Afinal ser acreditar que algo não existe também é acreditar.

          8. Gustavo

            Estude um pouco mais amiga, pare de falar besteiras e prometa nunca mais confundir Estado laico com laicismo. Grato desde já.

          9. Nelson Muniz Barretto

            Ninguém força ninguém a não rezar Sentinela, apenas o Estado que é laico reconhece o direito de cada um escolher sua religião ou não ter religião alguma.

          10. Felipe

            Querer impedir alguém de rezar em sala de aula é perseguição religiosa. É que é inconstitucional.

          11. Mirai Densetsu

            Duvido que você diria isso se a professora em questão estivesse se valendo de sua posição de poder para fazer celebrações rápidas da Umbanda ou do Candomblé e obrigando os seus alunos a participar.

          12. Felipe

            Está escrito na própria reportagem que a professora e os alunos começaram a rezar sem a presença do rapaz. Como dizer que ele foi obrigado!? O que ele quer é um país ATEU e se esconde através de subterfúgios para se fazer de vítima, insultando a inteligência das pessoas. País LAICO não é país ATEU, temos que acabar com essa mentira de uma vez por todas.

          13. Mirai Densetsu

            Mais acima, na reportagem, está bem claro que ele era sim forçado a rezar. Está escrita a declaração da professora, em tom de intolerância religiosa: “Jovem que não tem Deus no coração nunca vai ser nada na vida”.

            E eu concordo. E eu quero um país verdadeiramente LAICO. E por Estado Laico entendo um país que seja neutro com relação à convicção religiosa de todas as pessoas, não importa qual. Além disso, um Estado Laico não cede privilégios a qualquer religião que seja.

            E é exatamente por isso que nenhum agente público (como essa professora) deveria impor a sua fé sobre os alunos. O garoto ateu teve coragem de peitar a política dela. Mas ele era realmente único prejudicado pela obrigação de rezar? E os evangélicos, que oram de forma diferente? E os umbandistas, que não acreditam em Jesus? E os alunos espíritas? E os estudantes muçulmanos? E os que vieram de famílias budistas?

            Entenda, não é porque a SUA religião que é pregada que o ato de obrigar os alunos a rezar deixa de ser uma afronta ao Artigo 19 Inciso I da Constituição. E tenha certeza que não são apenas os ateus que são ofendidos com essa obrigação.

          14. Felipe

            Os ateus radicais não querem um Estado laico, que o Brasil já é. A liberdade religiosa é assegurada no país e isso é fato. Inclusive a liberdade religiosa da não crença em algo superior, que o próprio ateísmo é. É muito cômodo a um ateísta extremista defender um Estado sem culto algum. Pois a ausência de qualquer culto é a presença do ateísmo, é isso que o ateu acredito, na não crença. É claro e límpido assim. Não adianta falar que tem outras religiões, que ficariam ofendidas se a única, verdadeiramente única religião (ou crença) que é beneficiada diretamente com NENHUM tipo de crença é o ATEÍSMO extremista ou como é chamado hoje em dia o NEO-ATEÍSMO propagado por Dawkins. Vamos ser claros e discutir como adultos e chegar em um entendimento ou fingir defender causas globais, mas no fundo tratarmos os fins que justificam os meios para causa própria. E para finalizar todas as religiões citadas como evangélicos, budistas, umbandistas, espíritas acreditam em algo superior e o único que não acredita em algo superior é o ateísmo, que de fato é o que mais diferencia de todas as outras.

          15. Mirai Densetsu

            O que os ateus querem é que a laicidade do Estado seja respeitada. Só isso.

            Um símbolo religioso em uma repartição pública não é respeito à laicidade. Uma professora pregando o evangelho em sala de aula não é respeito à laicidade. Polícia que não pune evangélicos que se reúnem para destruir terreiros de macumba não é respeito à laicidade.

            E sim, sejamos claros e adultos. A começar por você, que defende que uma igreja em específico (a católica) continue a deter privilégios sobre as outras.

            Evangélicos não rezam como católicos, apesar de serem da mesma religião. Budistas e umbandistas nem sequer acreditam no mesmo deus que os cristãos. E espíritas discordam de várias coisas que o catolicismo prega.

            Então é justo pregar um ritual estritamente católico a esses fieis? Você acha que só porque eles acreditam em uma força superior que devem aceitar a obrigação de realizar um culto que nada tenha a ver com a própria fé?

            Não é questão de acreditar ou não em algum deus, mas sim de ser ou não obrigado a realizar um rito católico. E no caso do Ciel, de sofrer ou não preconceito por intolerância religiosa. Do mesmo jeito que a professora falou mal dele por não acreditar em deus, poderia ter soltado um preconceito semelhante por ele ser evangélico ou umbandista, por exemplo.

            E a ideia é acabar com o preconceito e com a intolerância religiosa, não com a religião em si.

          16. Julio Mello

            Ok , pague o dízimo e vá rezar irmã.

          17. Roberta Oliveira

            os alunos não são forçados a não rezar, a aula que não é o momento certo para o fazer. se eles quiserem rezar em casa, na igreja ou até na rua, estão livres para isto.

          18. Paulo

            cara, A ESCOLA pertence ao ESTADO, o Estado no Brasil é LAICO, pra começo de conversa NEM ERA PRA PROFESSOR estar fazendo missa em sala de aula! Entendeu, ou quer que eu desenhe?

          19. Joseli Martins

            quanta ignorancia, que disse que rezar um pai nosso é missa!!!!

          20. Felipe

            Não conhece nada de missa.. A muito sabemos que a ignorância assola nosso país, o que me preocupa é a ignorância somado ao ódio. Eis o resultado.

          21. rodolfo esperidiao

            nao se força a nao rezar, quem quiser, reze em casa, na igreja…

          22. Leticia

            A escola é uma democracia! Os alunos podem rezar ao ar livre! Quando quiserem. Afinal, Deus escuta em todos os momentos. Vou contar a minha história:
            Na aula de história, a professor faz por chamada o devocional, e todos os alunos pegam um trecho da Bíblia como Devocional, menos eu, que tenho meus próprios princípios e “devocionais”. Enfim, depois de cada devocional o professor explica- o, e numa dessas explicações ele disse “Os ateus são filhos do capeta” e “não adianta ser ateu, Deus vai lhe punir e te mandar pro inferno”. Porém não gostei de seu comentário, e com certeza tenho mais conhecimento que ele nesse quesito, e isso sempre causa certo preconceito em sala de aula. Mais continuando…. Perguntei com maior respeito: ” Professor, ateus não acreditam em Deus e nem Diabo, sendo que não acreditam em Deus, e sem Deus não te Diabo.” Não quis dizer um contra- Deus, mais foi isso que soou.
            Todos os estudantes da minha sala me olharam com certo preconceito, e alguns diziam “Não discuti com o professor” ou até “é filha do bicho ruim por acaso, pra defende- lo?
            O professor me respondeu então: “Mais Deus é o nosso pai, não acreditando nele, você é automaticamente é do Satã.
            Fiquei horrorisada com que ele disse, mais aceitei e abaixei a cabeça.

          23. Joseli Martins

            concordo plenamente com vc, acho um absurdo isso e as pessoas ainda aprovam a atitude desse menino…

          24. Guilherme Dias

            Ainsten era ateu e Hitler era cristão, só digo isto.

          25. Luiza Cardoso

            Mas será que esses alunos rezam por vontade própria? E se a professora estivesse cantando pontos de candomblé? Será que a escola permitiria?

          26. Bianca

            O seu comentário é totalmente descabido e parcial, considerando seu nick name “Sentinela Católico”. Provavelmente você deve aceitar como prática do bem as mortes dos índios que se negavam ser evangelizados pelos jesuítas, certo?! Nosso país só está atrasado do jeito que está por se misturar religião com tudo!

    2. Ana Lucia Responder

      Concordo plenamente com você. Denota simplesmente Bom senso.

  2. Nelson Muniz Barretto Responder

    Belo exemplo rapaz, passei pelos mesmos problemas e também tive que lutar pelo direito de ser ateu. Tenho 62 anos e vou continuar lutando e mais feliz em ver um jovem como você indignado e lutando pelos seus direitos. Conte comigo. Publiquei a matéria no F B

  3. Luana Responder

    que belo exemplo de adolescente consciente e ativo em seus direitos!!

  4. Eduardo Corrêa Responder

    Parabéns à este corajoso menino! Com ou sem religião, teríamos pessoas boas fazendo coisas boas e pessoas más fazendo coisas más. Mas muitas “religiões” levam pessoas boas fazerem coisas más!

    E esta inquisição evangélica que os fundamentalistas fanáticos religiosos estão querendo fazer no Brasil é um total absurdo em um estado que se diz laico.

    “Não é como na Bíblia, que Deus criou o homem à sua própria imagem. Mas, pelo contrário, o homem criou Deus à sua própria imagem” Ludwig Feuerbach

    1. Aline Macedo Responder

      Eduardo, a inquisição não é apenas evangélica, como bem podemos ver no caso do Ciel: a agressão partiu de uma professora católica. Fundamentalistas existem de todos os tipos.
      Acho que o que mais me revolta é o fato de uma professora DE GEOGRAFIA não fazer a menor ideia do que significa um estado LAICO. E, como já disseram por aí, queria só ver o que ela faria se um aluno resolvesse cantar para Exu, rezar para Meca, etc.

  5. Romeu Responder

    Força garoto!!!! Sou Romeu Arcanjo, jornalista, 40 anos, moro em Minas e também sou ateu. Com muito orgulho!

  6. Guest Responder

    Ate concordo com ele, procurar seus direitos, eu não sou religioso, mas não me incomodo com pessoas rezando perto de min, se eu for contra isso também vou estar ferindo o direito de escolha de outros
    Era só ele fica quetinho na sala sem participar do pai nosso custava?

    1. Leticia Responder

      Ele fez isso, não acompanhou o vídeo? Apesar de não ser correto (rezar tem que ser em lugar onde todos estão ali realmente pra rezar, seja igreja, seja reunião em algum lugar, menos na escola), ele respeito e ficava quieto no seu canto. Foi a professora que faltou respeito com ele.

    2. Fernanda Machado Responder

      você leu tudo? quem alfinetou o menino foi a professora dizendo que “jovem que não tem Deus no coração nunca vai ser nada na vida”

    3. Helena Günther Responder

      O que custa é que, enquanto deveria estar dando aula, ela está pregando uma religião. Coisa que, como representante do Estado dentro de sala de aula, ela não pode fazer. Fora o fato de ele ter que perder um tempo da aula. Escola é pra ensinar fatos, não fé. Lugar de fé é fora de instituições públicas.

      1. Paulo Luiz Mendonça. Responder

        Porque as igrejas não pagam imposto.

        Como pode algumas igrejas mais privilegiadas, as quais arrecadam tanto dinheiro quanto as empresas multinacionais não pagar imposto.
        A explicação é que para o governo, é interessante manter estas instituições isentas, pois elas são um grande sustentáculo que mantém o povo paciente e esperançoso em deliciar-se em uma vida futura, embora ninguém tenha certeza que exista tal vida após a morte.
        No congresso nacional, quando algum deputado apresenta um projeto sobre cobrança de imposto para as igrejas, imediatamente a bancada evangélica se levanta e impede a aprovação de tal projeto. Isso é muito engraçado para não dizer vergonhoso, pois nas igrejas eles não abrem mão do dizimo, mas quando são convocados a pagarem pelo menos uma parcela da sua grande arrecadação em forma de impostos para o governo, ai eles negam e esperneiam. Eles agem com dois pesos e duas medidas, seus seguidores não podem deixar de pagar o dizimo, mesmo sendo um velhinho aposentado e doente, ou alguém que ganha apenas o vergonhoso salário mínimo, mas eles se negam a contribuir mesmo arrecadando grandes fortunas.
        Para os que não sabem, as escolas particulares no Brasil são obrigadas a pagar altos impostos. Pergunto, qual é mais importante na nossa vida em sociedade, são as igrejas ou as escolas. Penso que nas escolas é onde buscamos conhecimentos, os quais serão utilizados por toda nossa vida, sem isso estaríamos mergulhados na mais profunda ignorância.
        Será que só preparo religioso levaria alguém a progredir na vida? Será que uma pessoa em sã consciência arriscaria não procurar nenhuma escola e freqüentaria somente a sua congregação para adquirir conhecimentos?
        Nós podemos viver bem sem sermos religiosos, mas não podemos viver bem sem o ensino. As pessoas sem religião, as quais somente procuram as escolas, conseguem levar uma vida normal, desde que sejam honestas e trabalhadoras. Essa é uma prova de que as escolas são mais importantes que as igrejas. Diante deste quadro, podemos perguntar, porque as igrejas não pagam impostos e as escolas pagam?

        Paulo Luiz Mendonça.

    4. Bernadete Warmling Responder

      religião é um assunto privado. Há os espaços coletivos para exercê-la que são os templos. Não escolas. Função de escola é outra. E professor é pago para transmitir conhecimento não para rezar em sala de aula.

      Vc só estará “ferindo o direito de escolha de outros” se não quiser aceitar que os outros orem/rezem nos seus templos. Que, por sinal, não pagam impostos nem taxas…
      Já as escolas nós – cidadãos – pagamos…

      1. Paulomax Responder

        Cara Bernadete:
        Você falou muito bem. Só errou quando disse: “Que, por sinal, não pagam impostos nem taxas… Já as escolas nós – cidadãos – pagamos…”
        Todos os cidadãos pagam impostos, diretos e indiretos, sejam eles crentes ou ateus. As igrejas tem imunidade de alguns impostos, não estão apenas isentas. Essa situação está definida em lei. Ninguém paga imposto além do que deve ao Estado e do que é exigido. Isso se aplica tanto as igrejas, comércio, indústria , crentes e ateus.

    5. Cristiano Neves Responder

      ele não se incomodava, leia novamente, ficava quieto o que incomodou foi terem incluído o nome dela na oração. E mais, não é amissível que o professor ocupe carga horária letiva com assuntos fora do currículo, que ore antes da aula.

    6. fernanda Responder

      vc leu a matéria inteira? ele não se manifestava em nada, até que a professora disse que “quem não tem deus no coração jamais vai ser alguém na vida”, depois disso ainda teve um tipo de bullying na reza do pai nosso, algo como substituírem o “livrai-nos do mal, amém” por “livrai-nos do Ciel, amém”… e além do mais, o estado deveria ser laico mesmo. sem qualquer tipo de influência religiosa. isso tem que ser escolha, discutida em casa, não na escola..

    7. Serginhu Santos Responder

      Você deveria ter lido até o final e assistido o vídeo antes de comentar…

    8. John Responder

      Escola Estadual não é Igreja, sera que é muito dificil entender isto ?

    9. John Responder

      O Brasil é um Estado Democratico de Direito e tem como pacto social sua Constituição, estou errado ?

    10. Charles Albert Responder

      ce podia, sei lá, ler a matéria né?

    11. Mauricio F J Sampaio Responder

      O que ocorre é o desrespeito a vontade dele em não rezar, aliais, rezar é na igreja e não em uma escola publica cujo estado é laico.

    12. Ana Lucia Responder

      Ele ficava bem quietinho e ainda assim sofreu discriminação, quanta prepotência dessa professora.

    13. Paulo Alberto Responder

      Acho que você não entendeu, ela estava rezando na escola isso meu cara é proibido, fora isso ela provocou o garoto por ele ser ateu ia até o fez passar por uma situação de constrangimento, e ainda assim você ainda acha que ele esta errado em falar e que ele deveria ficar “quetinho” ele tem direito a expor a opinião dele e principalmente por que ele esta certo!

  7. Tiago Xavier Responder

    Que beleza de atitude!

  8. disqus_4ArO443MsU Responder

    Sou cristão e desaprovo o desrespeito e a ignorância dessa professora que demonstrou não saber que laicidade do Estado não tem nada a ver com proibição dela rezar, mas sim dela respeitar quem não quer rezar.

    1. Osvaldo Luiz Ribeiro Responder

      Não, a laicidade impõe que não se reze nesse espaço. Queria fez se um adepto do candomblé decidisse bater cabeça para Ogum, se ela ia gostar… Isso é expressão de poder religioso. Não pode. Tá errado. Ela que ore em casa e na igreja – na escola, não deve.

      1. Fernando Responder

        Concordo… ela está impondo suas próprias crenças e usando de sua condição de educadora para influenciar crianças.

  9. Alexandre Pinto Responder

    Matouuuuu a pauuuuuuuuuuuuuu !

  10. Helena Günther Responder

    A não ser que algo mais tenha acontecido, a manchete está errada. O pai-nosso na escola, segundo o aluno, ainda acontece, mas não mais na sala dele. Esta escola ainda está sendo conivente com isso e ninguém fala nada?

  11. Vládia Junqueira Responder

    Isso mesmo. Sou professora e também me incomodo com essas imposições em escolas. Será que a professora aprendeu?

  12. Gustavo Henrique Responder

    Com certeza esses daí estão livrados do céu. Esse lixo nem pra crente serve. Escória imunda

    1. Bianca Responder

      O seu comentário é totalmente descabido e parcial, considerando seu nick name “Sentinela Católico”. Provavelmente você deve aceitar como prática do bem as mortes dos índios que se negavam ser evangelizados pelos jesuítas, certo?! Nosso país só está atrasado do jeito que está por se misturar religião com tudo! Temos direito ao estado laico!!

  13. Megy Responder

    Parabéns garoto infelizmente no nosso país é muito complicado quando não somos católicos ou evangélicos ( religiões predominantes), mas são pessoas como vc que nos fazem querer levantar e sempre ir atras de respeito e do nosso direito de livre arbitrio.

  14. Leandro Rodrigues Responder

    Também sou ateu, e digo que hoje em dia, só de você contar isso é como se agredisse a religião do outro. Ainda hoje, algumas pessoas até rezam pela minha descrença. Você é um ótimo exemplo! Respeito tem que vir principalmente de gestões que são PAGAS para nos ensinar o significado de ética.

  15. Flávia Sobral Responder

    Que vergonha! Não se deve pedir para pela parar de rezar em sala de aula, deve-se puní-la por isso! Processo neles!

  16. Marcos Eliziario Responder

    Sou católico, mas tá certo mesmo!!!! Quem quer impor sua crença aos alunos que vá dar aulas de teologia, não de química, física, português ou matemática. A Escola é pública e laica, não religiosa.
    E ainda por cima, esse tipo de comentário arrogante e soberbo não é nem um pouco cristão. Se a Sra Professora tem fé e acredita mesmo em Deus, deveria se lembrar que Deus ama à todos, inclusive os ateus. Um ateu honesto, humano e amoroso com seu semelhante com certeza é muito mais bem visto por Deus do que um religioso exibido e arrogante. Aliás, para quem acredita na Bíblia, sempre vale lembrar que Cristo foi assassinado justamente pelos sacerdotes santinhos e não pelos ateus.
    Misturar religião e estado não dá. Um dos maiores exemplos foi o anti-semitismo de lutero que criou no povo germânico a disposição cultural necessária para que Hitler pudesse cometer o Holocausto com a total omissão e às vezes até apoio dos alemães.

    1. Aline Macedo Responder

      E da Igreja…

  17. renato Responder

    parabéns a você meu jovem e a sua mãe por ti apoia contra esse tipo de atitude !

  18. Tali Responder

    Ué, mas se ler a matéria com atenção, vai notar que ele ouvia sim a oração em silêncio, respeitando a crença dos outros ( o que indica que ele NÃO é ateu fanático). A professora é que não devia ter aberto a boca para julgar o menino (mostrando que ela sim É fanática). Simples, basta interpretar o texto.

  19. Eduardo Responder

    exagero tudo isso… o estado é laico, mas não é laicista, ptt, não há MAL algum em ela fazer uma reza, ela só não poderia forçar ou ridicularizar o garoto… não bastava uma conversa da direção com a professora para que essa pedisse desculpas e parasse de implicar com o garoto? …e a tolerância onde foi parar? podia ser que na visão dela só estivesse querendo ajudar o garoto, apesar de não ter sido correto tratá-lo daquela forma…

  20. medusa_byron Responder

    deixe ver se eu entendi: a “grande solução” da escola foi mudar os horários das aulas paraqueo aluno ateu ficasse fora das aulas da tal?!?!? Que absurdo! A ATEA tinha era que entrar na justiça contra a escola.

  21. Yghor Responder

    Belíssimo exemplo! Estudei em Roma -Italia e NEM LÁ você é obrigado a fazer religião, é uma matéria opcional. Além do mais se estudam todas as principais religiões e não só a favorita do professor ou do diretor!
    Espero mesmo que a próxima geração perceba que luzes no céu acompanhada de fumaça, tremores e montanhas decolando podem até ser de outro mundo, mas não divindades a ser idolatradas.

  22. Cristiano Neves Responder

    vc realmente não leu o artigo pelo qeu parece, pois o que o menimo fazia era ficar quieto até a professora começar a ofende-lo. Me diga, se fosse a professora umbandista, espírita, judia ou de outra religão e fizesse um ma oração ou ritual de sua religião em sala de aula, o que vc pensaria?

  23. Paloma Corelli Responder

    Se o Brasil tivesse mais adolescentes como estes, poderia assegurar que a próxima geração seria menos injustiçada. Parabéns garoto, maior orgulho de você!

  24. Luciana Escudeiro Responder

    O problema de achar que isso é tempestade em copo d’água dá margem a outros desrespeitos, como já está acontecendo no Congresso (com a avaliação de pautas baseada em crença).
    Praticamente ninguém liga em rezarem Pai Nosso em um local público porque a grande maioria dos brasileiros é cristã. Mas e se fosse uma professora budista? Qual seria a reação de alunos ao longo desses 25 anos?
    Valeria a pena assistir ao filme Código de Honra (com Brendan Fraser), que trata de um aluno judeu que ganha uma bolsa de estudos numa escola onde praticamente todos são católicos.

  25. Soraya Auad Responder

    Ciel, todo apoio a você e sua coragem de lutar por seus direitos. Parabéns!

  26. Suzane Responder

    Com essas coisas acontecendo, por isso que as pessoas generalizam os cristãos, achando que todos são iguais. Afinal, não tem a ver se são evangélicos, católicos, espíritas etc… Se ele é ateu, pois bem, é escolha dele, a professora não tem direito algum de querer “forçar” os alunos a orarem, a partir do momento que ela partiu a persegui-lo, já ficou pessoal. Sou cristã e me envergonho com esse tipo de atitude que ela tomou e outros tomam. Afinal, se o próprio Deus nos dá livre arbítrio, quem é ela para fazer ao contrário?

  27. Leandro Rodrigues Responder

    Também sou ateu, e digo que hoje em dia, só de você contar isso é como se agredisse a religião do outro. Ainda hoje, algumas pessoas até rezam pela minha descrença. Você é um ótimo exemplo! Respeito tem que vir principalmente de gestões que são PAGAS para nos ensinar o significado de ética.

  28. Marcelo Vitor Gama Responder

    Está redondamente enganada é um problema sério…. E se a professora fizesse um canto de ponto de Umbanda antes da aula? vc teria essa mesma opinião? e se a professora antes da aula fizesse uma oração judaica? ou uma oração indigena aos Deuses ou então um canto Vodoo? antes da aula?
    Tanto a professora quanto você expressão ignorância pura….

    1. Felipe Responder

      Pior ainda seria se ela fosse ateia e não realizasse oração alguma.

  29. ricardo Responder

    Toda atitude discriminatória ou vexatória, sobretudo no âmbito escolar, há de ser duramente reprimida. O respeito a individualidade deve imperar. Não achei nada de sensacional na atitude do garoto em questão. Pelo contrário, acho que desperdiçou um tempo precioso que poderia ter dedicado a sua fé, seja ela qual for. Ao invés disso preferiu se indispor com professores e alunos em relação a uma pratica que mau nenhum poderia trazer. Adiante, resta flagrante a distorção que se faz no que se concerne a compreensão da laicidade do estado, que não se confunde com Estado ateu, mas tão somente com Estado sem uma religião oficial. Não há, por assim ser, qualquer desrespeito a constituição rezar o pai nosso em sala de aula, notadamente se seus expectadores forem maioria cristã, como no Brasil, sejam eles evangélicos ou católicos. Muito pelo contrário, nossa constituição inclusive apoia a crença religiosa e assegura como invioláveis o direito a crença e culto. A própria religião é fonte da constituição e a ela está intimamente ligada. Deus – da forma como cada qual o compreende – é enunciado já no inicio de nossa constituição, como retrata o preambulo, no qual ao final se lê: “(…) promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte Constituição da República Federativa do Brasil”. Não enxergo como bullyng o fato ocorrido. Obviamente, trata-se de uma reação coletiva a uma oposição infeliz, talvez inoportuna e reprovada pela maioria que entende positiva as orações matinais. O garoto, a quem assiste o direito a resguardo a sua individualidade, deveria receber o abono da direção docente para durante a oração fazer o que lhe fosse conveniente, talvez ouvir “lek lek”.

  30. Rick Desrosiers Lakai Responder

    oque acontece , é que não é apenas um pai nosso Gabi … essa louca , desrespeitou o aluno … ela estava defamando … denegrindo a imagem dele …. e incentivando o bullyng contra o garoto …

    existe lugar pra tudo …

    escola , é lugar de aprender

    igreja é lugar de rezar …

  31. Kleber Klaar Responder

    A pessoa vai na escola, e é obrigado a ver manifestações religiosas? Se a pessoa é religiosa, que se manifeste em ambiente próprio. Não é tempestade em copo d’água, é apenas fazer valer a nossa constituição e as leis que regem nosso Estado. Além disso, o professor é pago para utilizar cada minuto de sua aula para ensinar os alunos, e não para converter alguém.

  32. Giò Sguario Responder

    Nao concordo com voce em nada. Nao e’ qualquer coisa nao, e’ o fato de nao respeitar o outro. Voce deve sim olhar e ver o quanto voce e’ condecendente na sua vida. Comece a olhar as diferencas e mais a respeita-las.

  33. Ronald Esteferson Responder

    Na verdade, ele não implicou por ela rezar. Ele respeitou e simplesmente optou por não rezar e deixou ela fazer. Ela foi quem fez as provocações e a tempestade toda.

    1. Fernando Responder

      Disse tudo!

  34. Phernando Valverdhe Responder

    Parabéns garoto, mantenha-se firme em sua personalidade e crítico com o sistema.

  35. Bruno Eduardo Costa Baumler Responder

    E se rezassem pra Belzebu e você estivesse presente, acharia legal?

    1. rodrigo santana Responder

      Ei boy, ele é ATEU, A-T-E-U. Não acredita em nada.

      1. Armando Solid Responder

        Reza para chuck norris.

  36. Senjaxus Responder

    Ah, qualé! Sou ATEU, mas ficar choramingando por uma bobeira dessas… u.u

    A professora quer rezar, deixe-a rezar, se a maioria na sala estava seguindo ela, é porque acreditam em Deus. E foda-se!!

    Na boa, não é porque sou Ateu que eu tenho que ficar chorando para eles pararem de praticar suas crenças.

    Só porque disseram “Livrai-mos do Ciel” o mlk fica puto? CARALHO, falta de porrada!

    Afinal você tem que levar na brincadeira, escola é para aprender e zuar pra caralho!

    1. Aline Macedo Responder

      Foda-se coisa nenhuma, pois dentro da sala ela é uma representante do estado. Em caso de dúvida, é só ler a constituição:

      Art. 19. É vedado à União, aos Estados, ao
      Distrito Federal e aos Municípios:

      I – estabelecer cultos religiosos ou
      igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma da lei, a colaboração de interesse público;

  37. Deus Responder

    ele nao se indignou pelo ‘pai nosso’ ele se indignou pelo ‘livrai-nos do Ciel’ e resolver chutar o pé da barraca presta a atencao antes de comentar pq é irritante

  38. John Responder

    Escola Estadual não é Igreja – Simples assim meu bem !!!

  39. Ana Luisa Lacombe Responder

    Ciel, apoio sua iniciativa e acho corajoso e admirável o que fez. Só gostaria de fazer uma ressalva com relação ao texto do vídeo. Ele está cheio de erros de português e acho que você deveria prestar mais atenção, especialmente pelo fato de torná-lo público. Acho que você tem um futuro maravilhoso pela frente, com certeza. Portanto, preste atenção nisso que fará toda a diferença para sua vida. Boa sorte!

  40. Paulo Lucic Responder

    Força Ciel!

  41. helena Brandao Responder

    diz pra ela rezar fora de sala. mas nao me admira nem um pouco, na creche que meu filho frequenta, a primeira coisa que se ve quando entra na sala é um ‘jesus te ama’ e ‘ deus é bom’… olha, incutior isso na cabela nao formada de ciranças de 3, 4 anos de idade, È CRIME!!! cada um que faça suas escolha, e viva-as, de maneira a nao agredir o proximo. Entendeo que a reza aqui nao eh um bem social, e sim uma agressao pessoal. Se fosse pelo bem espiritual, ela nao insistiria na reza depois desse conflito todo, porque justo, é quando o bem é para todos. e bom, é quando o justo pe para todos. Adorei ler a sua historia hjl, assim perdia pleo correio brasiliese, em meio as reposrtagens que lia sobre os indios e a pec 215, linda tambem, a invasao deles ao plenário queri ver esse plenario ocupado assim todos os dias. E assim que se constroi esse barsil melhor, com exigencias, mudanlas e muita coragem. Parabens pela tua. Espero que os casos de bullying tambem se extinguam, nada mais facil que angariar desafetos que ser autentico. Parabens!!

  42. Ana Responder

    Mas no começo do vídeo ele deixou claro que não se manifestava contra a oração, ficava quieto no canto dele enquanto os outros rezavam, o problema veio depois. Ao meu ver deveria feito algo desde o começo, porque se eu quisesse escutar oração iria para uma igreja.

  43. Fabio Andre Marchi Responder

    PARABÉNS, GAROTO! PARABÉNS!!!
    Bill Gates, Steve Jobs, Arnaldo Jabor, Bob Geldof, Bruce Lee, Caetano Veloso, Camila Pitanga, Charles Chaplin, Charles Darwin, Dias Gomes, Fernando Henrique Cardoso e MUUUUUITOOOOS outras personalidades foram bem MAIS COISA NA VIDA que essa professorinha aí… Continue a sua luta!

    Uma lágrima masculina rolou aqui…LOL!

  44. Zélia Responder

    Parabéns!

  45. Guest Responder

    Acredito que tudo se resolveria com uma boa conversa, enfocando exatamente o direito de ambos. Temos que dar um basta nessas intolerância! Isso foi um pequeno fato, mas são dos pequenos que se fazem os grandes.

  46. helalferrari Responder

    Gabriel querida, vc sabe o que e cumprimento de lei ?
    Se existe uma constituicao esta mesma deve ser cumprida, se nao estariamos numa anarquia total. Esse tipo de atitude como a sua “E so uma oracao” e o que leva os politicos brasileiros roubarem do jeito que rouba. Comeca com uma oracaozinha, fura o sinal vermelho, joga lixo e etc… Se vc so olhar para oracaozinha concordo que e uma coisa banal mas se tu juntar todas as coisinhas pequenas que acontecem no Brasil com certeza vera que ha muitos problemas.

    Se agente na comecar a corrigir as coisas do menor problema nao vai ser resolvendo as grandes que resolvera.

    abs

  47. Charles Albert Responder

    não leu a matéria, leu só o título e pulou direto pros comentários hein? mas que coisa feia!

  48. Charles Albert Responder

    Se o cara tivesse entrado armado e matado todo mundo na escola a mídia estaria dando muito mais visibilidade. Mundão triste esse onde o errado trás mais fama que o certo.

  49. Caio Junior Fernandes Responder

    Nao sou ateu, mas acho que a atitude da professora eh ditatória, todos temos o livre arbítrio sobre nossas decisões tais com religião, opção sexual etc. porque ela quer impor uma ditadura sobre os alunos da sala de aula; achei digna a ação do aluno, e digo mais, esta professora deveria ser presa por bullying; qual eh a pessoa que passa cinco anos em uma faculdade e em sã consciência eh capaz de julgar um aluno por qual seja o motivo.

  50. Lucas Arakaki Responder

    Eu sou a favor de ele ter brigado por seus direito, até pq ele, a princípio, foi super na dele de aguentar o pai nosso diario. Só que atitudes como a dele são exemplo, não como o extremismo oposto, que muitos ateus, afro descendentes e homossexuais praticam(sem generalizações).

  51. Everaldo Elfo Responder

    Atitude perfeita, Ciel! Mostrando que A religião não pode subjugar a razão, muito menos as leis, que aí estão para nos defender dessa ideologia corrompida do que é certo. Eu vivo em uma rua com quatro igrejas evangélicas, e posso dizer que respeito ao próximo (eu, literalmente) não é uma preocupação para elas. Também estudei em um colégio católico em que havia muita pregação, mas não era do estado. Infelizmente, eu só podia me retirar do local das orações, me submetendo a certo constrangimento (eu era o único XD), porque não via O MENOR SENTIDO naquilo. você fez muito bem em não abaixar a cabeça! porque é isso que eu ouço aqui perto de casa quando começam a pregar: ” abaixa vossa cabeça e paga o dízimo, porque és cordeiro de deus” AQUI Ó!

  52. Daniel Responder

    Esse cara tem que se preocupar menos com religião e prestar mais atenção nas aulas de Português “sofrendo preconceito à anos” foi duro de ler…

    1. tádisacanagem Responder

      Ele já aprendeu algo que, na prática, é muito mais importante do que o verbo “haver”. Não se vê um exemplo de cidadania tão evidente vindo de alguém tão jovem há tempo.

      1. House Responder

        Excelente resposta.

      2. mvgodinho Responder

        Touché

  53. João Coimbra Responder

    Parabéns

  54. Guest Responder

    Brasil é mesmo um estado Laico?

  55. Gustavo Pantoja Responder

    Brasil é mesmo um Estado Laico?

  56. Renata Lopes Del Nero Responder

    Ciel, parabéns pela atitude! E parabéns também a sua mãe, pois obviamente você é este garoto incrível devido à educação que ela te deu!

  57. disqus_6gjaX0GE4i Responder

    A livre expressão da religião é válida em qualquer ambiente, ele pode chegar na escola e dizer que deus não existe, ela pode dizer que ateus vão pro inferno, mais um caso desse grupelho da ATEA querendo aparecer as custas do sensacionalismo barato, eles deviam parar de colocar imagens associando Hitler a religião e em seguida postar foto de Bernard Shaw como grande pensador, ambos eugenistas malditos, hoje o ateismo no Brasil é uma moda, e esse garoto tem seus 15 minutos de fama

    1. House Responder

      A liberdade religiosa não é plena do modo como você pensa… A Const. Federal assegura o livre exercício do culto religioso, ENQUANTO NÃO FOR CONTRÁRIO À ORDEM, TRANQUILIDADE E SOSSEGO PÚBLICOS, BEM COMO COMPATÍVEL COM OS BONS COSTUMES. Desta forma, as pregações apenas podem ser permitidas qdo ñ obstaculizam a liberdade de crença alheia… Certamente que fazer pregações em uma sala de aula, ainda mais após dizer que meninos que ñ têm Deus no coração não têm futuro, não está dentro do âmbito de alcance da liberdade religiosa assegurado na Constituição… Jamais aceitaria passivamente esse tratamento com um filho meu e garanto que se ele levar a questão ao judiciário, é uma causa ganha…

  58. Evinha Alves Responder

    Parabéns ao jovem, sou cristã, mas não aprovo a atitude da professora,
    fundamentalismo e preconceito já basta o feliciano.

  59. Mauricio F J Sampaio Responder

    pq não foi com vc certo!!

  60. Jefferson Responder

    Ele não é ateu fanático, só estava lutando pelo seu direito de não orar, da qual foi desrespeitado. Eu na mesma situação dele faria a mesma coisa.

  61. Giordane Almeida de Moraes Responder

    É isso ai garoto, nunca se entregue a essa escória! Senão combatermos isso, o preconceito vai crescer ainda mais

  62. Rene Ishige Responder

    cara ridicula a atitude dos alunos e professora… que bando de idiotas…

  63. Leonardo Silvano Responder

    Drama coisa nenhuma! Escola que eu saiba é um lugar pra estudar, se a professora quer rezar, que va pra igreja e o faça, religião na escola não tem nada a ver.

  64. Luccas Carvalho Responder

    ” Escola é pra estudar, Religião é outro Departamento” …

  65. Rodrigo Kreher Responder

    Massa! Esse guri “fez o tema de casa” e sabe por que vai à escola, o que ela é e para que deveria servir. Ele entendeu tudo! E a escola, por mais paradoxal que possa parecer, na contramão, na formação dele cumpriu com o seu papel (formou um cidadão); o problema é que isso no ensino brasileiro não se dá como proposta escolar mesmo (e aí tem a ver com a desinformação das instituições escolares e seus preconceitos e concepções moralistas e religiosas ), ficando a cargo dos próprios estudantes que percebem as atrocidades (violências institucionais) que a escola comete, o descaso dela na hora de lidar com tais situaçõs (nada mais ridículo que dizer “é um probleminha” <fica a dica do livro "Ruptura" de Simon Lelic, romance sobre bullying escolar que mostra como a escola consegue dissipar essas situações de modo que inclusive aqueles que são vítimas de preconceito na escola não conseguem, muitas vezes, reconhecer a sua gravidade e falar) e conseguem mostrar organização e apropriação da situação, expondo-a. É isso, se é verdade que os maiores criminos do país estão em Brasília, os carrascos estão nas escolas.

  66. Jonathan Santos Tadei Responder

    pai nosso falando “livrai-nos do Ciel” não é pai nosso, e a professora ainda ofendeu ele falando que ele não ia ser ninguém sem “deus” no coração, ele não fez mais do que certo! :D sou ateu e não suporto intolerancia religiosa, ainda mais quando nós derrubamos os argumentos toscos dos religiosos e eles ficam nervosinhos falando que somos loucos e coisas do tipo x)

  67. Jo Quinskostler Responder

    Não achei nada disso, a parti do momento que ela desrespeitou ele, eu também cairia com tudo em cima dela.

  68. Demian Responder

  69. Carlos Responder

    A intolerância é só um chuvisco, não é?

  70. Jao Responder

    Você deveria interpretar melhor o texto. O garoto não fez drama, apenas não rezou o pai nosso, a ignorancia foi totalmente da professora que com a critica infundada ao garoto, iniciou uma perseguição à sua descrença junto aos colegas de classe no qual ai ja pega pro lado pessoal.

  71. Santiago Almeida Responder

    Você deveria ter processado a escola e a professora, aqui em Minas mesmo teve um caso parecido em que uma mãe processou a escola por obrigar os alunos a irem na igreja, uma vez que eles avaliavam essa ação. No final a escola foi obrigada a pagar R$ 20.000,00 reais e proibida de continuar com esse ato.

  72. Marcelo Taranto Responder

    O problema é que as leis devem ser respeitadas independente da gravidade de um possível desrespeito as mesmas. Seguindo o seu raciocínio (se é que posso classificar como tal) uma lei só deve ser respeitada em caso de morte. Se alguém for furtado não tem problema nenhum, afinal, um simples furto não vai matar ninguém.

    E só pra constar, não houve nenhum fanatismo por parte do aluno. Ele apenas quis fazer valer seu direito como cidadão de um país laico.

    1. Joseli Martins Responder

      os alunos sempre sabem dos direitos agora dos deveres nunca sabem….

  73. Manuelle Marinho Responder

    Parabéns por mostrar sua indignação e buscar sempre a forma correta para isso. Somos um país laico, com leis que realmente Devem ser cumpridas. Parabéns! Sou Católica por batismo mas respeito a todas as religiões. Não existe forçar ninguém a fazer orações aos quais não se acredita.

  74. Albert R. Carnier Guedes Responder

    Não pode, se começar a deixar ateus dizerem o que pode ou não pode daqui a pouco vão proibir a existência de igrejas alegando que o terreno é do estado e estado é laico.
    Não se pode acatar argumento porque ele é ateu, ainda mais moleque de 17 anos, mal sabe o que é a vida pra dizer que Deus não existe. Quem escolhe o que quer , recolhe o que não quer, ninguém manda escolher a opção errada.

    1. Kamila Responder

      Recomento que busque um neuro, pra ver se existe algo dentro da sua cabeça, pq o mentinha pequena hein!

    2. tádisacanagem Responder

      Você não pode estar falando sério…

    3. Aline Macedo Responder

      Leia o artigo 19 da Constituição. Só isso. Ah, aproveite e leia o 5 também

    4. Cesário Responder

      Albert, sua mente é pequena e já aprendeu bem a praticar a intolerancia. Ciel tem apenas 17 anos mas já pratica a cidadania como se tivesse 50 anos.

  75. Ana Ferreira Responder

    Cada um tem a sua vida, e respeito não é uma opção é obrigação de todo ser humano.
    Pessoas assim existem aos montes em cada canto, só nunca deixe que esse tipo de gente controle você, porque não se argumenta com pessoas idiotas, não se rebaixe a esse nivel. Não sou ateu, mas respeito a todos, principalmente quem luta por seu direitos sejam eles quais forem..

  76. Mabel Guimaraes Responder

    Sou professora e o me indignei com uma sequencia de erros: como o desrespeito ao aluno e a outros possivelmente, o incentivo ao bullyng, a flta de atitudes das autoridades e chefias diretas e principalmente o desconhecimento da Constiuição Brasileira, que desde o século XVIII ou XVIX, ja pensava na laicidade e universalidade do ensino. Essas pessoas precisam estudar História da Educação!

  77. Ricardo Bueno Hida Responder

    Eu rezo todos os dias o Pai Nosso, mas acho um absurdo rezar em uma escola pública. E alunos judeus, do candomblé? Ela quer rezar na aula, vá ser professora em uma escola católica. O salário dela é pago com os impostos de ateus, agnósticos, judeus, budistas…

    1. Billa Responder

      Ricardo, sou de uma cidade “próxima” a Miraí, chamada Ponte Nova, (60mil hab), a cabecinha das pessoas é a mesma. Sou pagã, politeísta, creio nos Deuses, e sempre ouço piadinhas, inclusive em ambiente de trabalho. “Meu Deus é superior a qualquer um dos seus!!!”, sempre ouço isso. Como se houvesse uma competição entre Deuses em uma outra dimensão, rsrsrs.

      As pessoas daqui não sabem o que é um judeu, um muçulmano, um budista. Pra eles, isso é coisa de filme, de outro país, coisa “longe da realidade”. Pagão então, vish…

    2. Joseli Martins Responder

      prejudica em que 1 minuto para rezar o pai nosso…um absurdo isso!

  78. Douglas Crespo Responder

    Boa atitude e bom seria que todos buscassem conhecer seus direitos, para fazer assim igual ao garoto que correu atrás do seu prejuizo, porém ele usa a palavra LAICO um pouco fora da sua definição e do que quer dizer, Estado Laico não é Estado Laicista, é muito diferente, Estado Laico busca o respeito a diversidade religiosa, então usar a expressão Laico, para apoiar o ateísmo é completamente fora do contexto, mas é evidente que o garoto tem milhões de argumentos válidos para reivindicar e não tolerar esse tipo de atitude contra sua convicção filosofica.

  79. Cristian Testoni Responder

    respeito, com certeza o respeito sempre deverá ser e ter que estar entre nós né Sr. ”Ciel”. Poderia me responder: E Suas notas??? como elas São???

    Somente mais um comentário: Ouvi de um Ateu, há uns 11 anos atrás: – Graças a Deus, que, eu não acredito em Deus!.

    SR. Ciel, respeite sua professora ela faz as orações antes mesmo, como você mesmo cita, de nossa constituição de 1988, ou seja, eh a forma que ela achou para que teus colegas de escola nÃo venham a te foder futuramente, mano o bandido nÀo perdoa ninguem… ateu… budisda… catolico….terrerista e etc… Velho aproveita para aprender as coisas boas que teus professores estao lhe proporcionando e ensinando, porque, se você for PROCURAR pelo em ovo, te garanto que tão lhe fazendo muitas coisas piores e VOCÊ ainda por cima CURTE…. uma simples oração, na qual você pode perfeitamente, silenciar ou retirar-se, não faz mal mano, como jÁ disse vai te ajudar…. PARA TER O ATEU, COMO TU, TEM QUE TER QUEM ACREDITA EM DEUS! dexa tua professora rezar… orar…. ensinar… e doutrinar quem precisa. LEGAL TUA ATITUDE, MAS VÉIO, ESTUDE, TRABALHE E AJUDE A FORTALECER TODAS AS RELIGIÕES, SE NÃO TEM RELIGIÃO NÃO TEM ATEU. VLW!

    1. Aline Macedo Responder

      Como assim, deixa doutrinar???? Escola é lugar de qualquer coisa, menos de doutrinação. É lugar de espírito crítico. É lugar de ciência.
      Daqui a pouco você vai falar que está certo um professor de biologia ensinar o criacionismo como se fosse uma teoria científica válida!

      Queria ver se a professora estivesse fazendo uma roda de candomblé…

  80. House Responder

    Fiquei com raiva por você, parceiro… Excelente vídeo!!! Demonstrou uma maturidade gigantesca… mas em seu lugar, se isso ñ for te tomar mto tempo, já que deve estar se preparando para o vestibular, levaria sim a questão p/ frente e entraria com um ação de obrigação de fazer, cumulada com danos morais, contra a professora e a escola… Aí essa professora vai aprender a controlar a língua e esse diretor da escola vai aprender a ter culhões p/ agir… A matéria é simples e vc ganha c/ certeza. Se ñ puder pagar por advogado, vai na defensoria pública do Estado e informa os fatos. Se nada for feito, você vai sair do colégio e tudo vai voltar a ser como era… Vai sem medo!

  81. Mario Feitosa Responder

    Paulo, esse é o ponto: questão de conceito. Citar Deus, Iemanjá, YHWH, Odin, Poseidon é óbvio que pode! O que aconteceu nessa situação não tem nada de citação: é um ato de expressão religiosa e, pior, imposição… É quase um estupro mental… Não apoie, por favor, nem em pensamento, um ato de desrespeito desses… Livrai-nos do Ciel? Tomar no cu…
    Não sou ateu. Não pretendo ser. Conheço o significado de “religião” e esse é o único termo que não descreve o que ocorreu com esse garoto.

  82. Miranda Manoel Miranda Responder

    E desde quando religião é cultura ô Paulo. Religião é aprisionamento e lavagem cerebral e imbecilidade. Bumba-meu-boi é cultura. Vai estudar cidadão e aprender mais sobre o que é cultura e religião.

    1. C4RR4R0 Responder

      Miranda: apreciei a tua educação. Eu sou um dos 1,2 bilhão de imbecis católicos, aprisionados e com o cérebro lavado… Mesmo imbecis, oferecemos 5.305 hospitais, 18.179 postos de saúde, 547 leprosários, 17.223 casa para idosos, doentes crônicos e portadores de deficiências, 11.379 jardins de infância, 15.327 consultórios matrimoniais, 34.331 centros de educação ou reeducação social e 9.391 instituições de outros tipos. (Fides 2012).

      1. juliana Responder

        Poxa C4RR4R0 a Igreja católica não tá fazendo mais do que a obrigação, afinal de contas o que ela já usurpou de dinheiro desses imbecis, aprisionados e com o celebro lavado não tá no gibi.

      2. Paulo Responder

        quanto proselitismo besta e ostentatório, só que vc se esqueceu tb de mencionar quase 2 mil anos de “assistência” cristã à: genocidios durante as Cruzadas (foram umas 4), A Inquisição que exterminou milhões, as perseguições contra os Judeus (progoms), os massacres indígenas no America do Sul, O Apoio do Vaticano a Regimes Ditatoriais na Espanha, Italia, Argentina, Hitler na Alemanha, (que por sinal, não gostava muito de Judeu, por causa do anti-seminitismo perpetrado pela Igreja Católica durante séculos), os milhões que morrem na Africa devido as Politicas criminosas do Vaticano contra o uso de preservativos. Aaaah, e claro, às milhões de crianças estupradas pelo mundo pelos Padrecos pedófilos que abusam e são protegidos pelos Papas, sejam eles, João Paulo, o criminoso do Bento e agora o tal do Chico. Esqueci Alguma coisa? claro, Tem Ruanda (1 milhão de mortos), tem a Bôsnia em 1992 onde os católicos tentaram varrer as comunidades muçulmanas na Iugoslavia, etc etc

        1. Felipe Responder

          Acredito que os argumentos apresentados pelo Paulo poderiam impressionar as pessoas e até deixar em dúvida à uns 20 anos atrás onde o acesso à informação era escasso e verdadeiramente difícil. Agora, falar tanta inverdade como a igreja Católica apoiou Hitler, sendo que uma simples pesquisa no Google já cai por terra tudo que foi citado é muito ingenuidade e até uma afronte à inteligência humana.

    2. Roberta Oliveira Responder

      mesmo que eu não acredite em deus, considero a religião uma forma de cultura, pois muitos países na história e atualmente se formaram em volta de uma religião. a cultura grega, por exemplo, é profundamente conectada com a sua religião. acho que é adequado falar sobre religião na escola, mas não impor aos alunos rezar de acordo com uma religião específica.

      1. El Justicero Responder

        Discordo,respeitosamente, Roberta.
        A cultura grega, se baseou em MITO, que com boa vontade, ´pode-se até associar-se ao que entendemos como religião. Mas, só como boa vontade, pois morfologicamente, não procederia.
        Ao perceberem que os mitos já não satisfaziam mais as questões fundamentais sobre a vida e seus mistérios, os gregos, sem o peso de uma “religião”, puseram-se a questionar de forma organizada (epistemologia) , suas questões, e a consequente resposta proposta a elas.
        Isto, deitou por terra, as explicações deistas e infantis, que até hoje perduram e engessam o raciocínio humano.
        Com respeito, um abraço.

  83. Rosangela Shelton Responder

    Ciel, parabéns por sua atitude. Às vezes penso que os jovens hoje estão a parte dos reais problemas do Brasil e me deparo com um garoto nota 10 feito vc. Sou cristã, mas concordo mesmo com sua opçao e direito de ser respeitado como cidadão, como pessoa. Essa profesora não merece comentários. Alguém tão despreparado,deveria estar em casa, e não lecionando. Novamente, parabéns!

  84. Waldinei Campos Responder

    é isso ai garoto,escola é lugar ensinar as diversidades religiosa, e não a rezar!!!

  85. Romullo Totti Responder

    Só uma coisa que os ateus deveriam entender, não confundam cristão com fanáticos religiosos, existe um abismo de diferença e no meio desse abismo, a palavra amor ao próximo.

  86. Matheus Costa! Responder

    Apoio total!
    Sou professor de Ensino Religioso e sou
    totalmente contra PROSELITISMO EM SALA DE AULA.
    Força Ciel!

  87. Roosevelt Allan Responder

    Não sou ateu, mas sou totalmente contra o bullying. É triste aceitar, mas essa é nossa realidade atual, se não agimos como as outras pessoas somos descriminados pelos demais, tal como o homossexualismo, e as diferentes formas de ser e pensar. Cada um vive da maneira que quiser, e se estivermos errados.. vamos todos pro inferno, e q foda-se o resto..

  88. Adinelson Melo Responder

    muito bem rapaz, fez o que eu faria também sem sombra de dúvidas, acho que as igrejas são para isso rezar e escola é para ensinar parabéns por sua atitude nada contra a religião de ninguém mas é assim que tem quer ser as pessoas tem que respeitar os espaços dos outros!!!

  89. Rey Responder

    Amado Cirilo, são por alunos inteligentes e esclarecidos, abertos e pacíficos como voce, que nós professores ainda resistimos na nossa função. Você é um orgulho,…. e os incompetentes protagonistas desta vergonha, deveriam, além de serem expulsos do cargo publico que ocupam, pela gravidade do ato que realizaram pois, assim fazendo, estão fomentando a discórdia e a intolerância, além de deseducar. Deveriam estudar e instruírem-se para sair da ignorância que lhes peculiar. Estudantes do Brasil e do mundo, tomem como exemplo este ato de cidadania e façam a sua parte,… e a voces, professores, diretores e supervisores, não façam como estes coitados: “ELES SAO APENAS UM TIJOLO NO MURO”!!

  90. Ricardo Rocha Responder

    As maiores atrocidades do mundo começaram com pessoas achando que era só muito barulho por nada. Pense nisso.

  91. Luiz Gonzaga Cechetto Junior Responder

    Sou Prof. de Matemática, concluindo mestrado e ateu.
    É possível ouvir a “professora” rindo junto com alguns alunos.
    Nota-se que é uma professora que não se atualiza a pelo menos 24 anos, duvido inclusive que tenha formação especifica para área que atua.
    Considero iniciar a aula com oração, apenas uma forma de matar tempo de aula.
    Se fosse um colégio católico, seria diferente, pois ao matricular o aluno, sabe-se que determinados momentos serão destinados à praticas religiosas.
    A atitude do Cieu, é a que costumo tomar, ficar quieto durante uma oração em sinal de respeito, porém, o local não era apropriado.
    Além do desrespeito as leis, ainda ouve desrespeito ao aluno.
    Vários “profissionais” não estarem cientes das leis, mostra apenas o descaço na educação deste país.
    Esta professora e a escola devem ser processadas sim, temos que dar um basta ao desrespeito aos ateus.
    Há muitas pessoas que acham pior ser ateu do que ser um drogado, ladrão, estuprador, pois estes últimos que citei ainda teriam “salvação”.

  92. Delong! Responder

    Sinceramente Toda essa paradinha d estado LC,agora é vira modinha escrota,A 10anos atrás nã tinha nada disso agora tod mulk d caralho q vira famoso etc..nem venha me dizer q esta em busca dos direitos dele? q nã cola velho! se ela tem q aceita direito dele? ele tbém tem q aceita os dela. Tipo tão simples,ela ou ela sai da sala d aula é pronto! Modinha d merda Esse ateus inventaram….. 40anos atrás nada disse existia é agora todos qrem ser idealistas… Vão lutar por algum maior como melhor educação para nosso pais,por um salario melhor,por saude, desemprego é principalmente por um pais sem
    Corrupção! Tem tantas coisa para se lutar d q apoia um video d merda desse! vcs são uns burgueses Filhos d puta
    Hípocritas.

  93. André Luíz Valois Cireno Responder

    Grande garoto!

  94. Jaci Responder

    Absurdo isso! Eles tem de dar graças à “deus” da Mãe maravilhosa que tem . Se fosse eu , iria processar a professora , o diretor , o colégio , o estado e os alunos que riram de você . Mas apesar de tudo que passou , parabéns ! Você é muito inteligente e tua Mãe deve estar muito orgulhosa . É de pessoas assim que o futuro do nosso País precisa .

  95. Renato Bonfanti Responder

    Pode executar um ritual de candonblé em sala de aula ou uma mesa branca? Se o espaço for dado a todas as opções é uma coisa, mas se dão exclusividade é uma forma do estado favorecer uma religião em detrimento das outras com o agravante de desqualificar o aluno não por uma incapacidade real mas por não acreditar em algo de que ninguem tem provas… Ou você aceitaria recitar o alcorão nesta sala de aula, pelo seu argumento você não deveria se opor a recitar o alcorão o gita, ou equivalente… Ou talvez pudesse ouvir de um professor muçulmano, hindu ou coisa do tipo que você jamais será coisa nenhuma vida, apenas por ser cristão.Em termos, eu já tive aula de religião obrigatória onde tinha que rezar, e jamais era dada espaço para qualquer religião não cristã mesmo sabendo que o candomblé é muito presente no Brasil. Sendo católico naquela época considerava uma perda de tempo a escola se intrometer nisso enquanto faltavam professores de algumas matérias, sendo que quem quer rezar vai pra igreja, o ensino religioso obrigatório é enfiar uma religião patrocinada goela abaixo do povo, o equivalente de filiar crianças a partidos políticos.

  96. Renato Bonfanti Responder

    Não foi meramente rezar a doutrinação religiosa implica que os não-religiosos ou das religiões “erradas” valem menos e claro justifica-se por isso que queimem no inferno… Essa professora demonstrou muito bem como se aliena crianças.

  97. Marcinho Lima Responder

    Ciel, parabéns por fazer valer seus direitos em mostrar as transgressões cotidianas da LEI das escolas públicas. Sou professor, não ateu e também condeno quaisquer manifestações religiosas nesses ambientes. Religião e/ou falta dela é opção individual, o que exige respeito. Paradoxalmente, você foi cristão: você fez ao outro aquilo que gostaria que fizessem contigo. Mais que professar proselitismo religioso, valorizemos a atitude ética, a vida no bem e pelo bem. Mais uma vez, parabéns.

  98. André De Lima Barboza Responder

    Essa escola é pública, logo ela é laica assim como o Estado, e o professor é o legal representante do Estado ali na classe de aula, onde no exercício de sua profissão deve se resguardar de sua liberdade religiosa, não que ela não possa fazer sua oração antes de entrar em sala ou orar em silêncio antes de começar a aula.
    “Estado laico não significa Estado ignorante ou que finge que religiões não existem, ou que não as discuta. A professora não só pode como deve discutir religião, e até pode formular julgamentos de valor e incitar debates e críticas a respeito dessa ou daquela religião naquela sociedade. O que ela não pode é tentar impor suas crenças pessoais. Em outras palavras, ela deve ter claro para si, e respeitar, não só os limites entre suas próprias crenças e a dos alunos, mas também os limites entre a propagação de suas próprias crenças e a instigação do debate acadêmico.
    – Folha de S. Paulo 03/04/2012”

  99. Luciano De Carvalho Furoni Responder

    Vou deixar aqui o que escrevi em outro site para discussão:

    Eu sou crente e cristão (não confundir com evangélico hoje), e estou do lado do Ciel. Ninguém tem direito de impor crenças. Essas carolas de banco que não sabem questionar saudavelmente e só engolem uma religiosidade industrializada, no sentido de fazer fiéis como produção em série, só destilam uma pseudo-crença que pouco acrescenta, tanto à alma quanto ao intelecto.
    Antes ser um ateu sincero que um fiel medíocre.
    Eu só acho a ATEA algo no mesmo patamar da professora, a diferença é estar imiscuída num meio cheio de nerds que vão na onda, confundindo inteligência com sabedoria (e não sou eu quem vai ensina-los). Já vi coisas boas na ATEA, mas muitas que desrespeitam até mais do que o que esta senhora fez, estando assim, no fim da contas, no mesmo patamar.

  100. Ligia Inhan Responder

    o limite de bullying desse garoto está muito baixo e o sarcasmo da professora é incrivelmente ateu…

  101. jackwilliam92@hotmail.com Responder

    Ciel fez pouco. Eu teria levado adiante e processo neles.

  102. Anônimo :) Responder

    Deus é para todos os lugares, a professora tem razão. Mas ele pode até ser alguém na vida, mas dúvido muito que alcance felicidade. Enfim, cada um é cada um. Só penso que você julgar que o universo veio de uma explosão, e o homem veio de um macaco, e toda a ordem das coisas veio por mero “acaso”, não somos nós religiosos que acreditamos em contos de fadas. A divisão dos sexos, nosso organismo viver de frutos que tem uma aplicação especifica na anatomia, o raciocinio, isso é impossivel meus caros. Não é por que você não saiba explicar o truque de uma mágica, que ela foi feita com poderes sobrenaturais… Enfim, o garoto quer respeito, que respeitasse a opinião da professora ué. Brasil é um país que não se pode ter opinião, tudo é preconceito, tudo é bullying. A verdade é que é tudo frescura. Passar bem.

  103. Elias Responder

    Infelizmente essa é a Inquisição do Século XXI…Fundamentada por pessoas que não aceitam de forma alguma o simples fato de uma pessoa ter um posicionamento ideológico diferenciado !!Ja fui vítima de atitudes parecidas no meu tempo de escola
    Parabenizo Ciel pela nobre atitude!!!

  104. Gabriel De Moura Cavalcanti Responder

    isso aee, consciência!!!

  105. Mauricio Mau Sandler Responder

    Fantastico, essa nova geracao vai mudar o mundo!!!

  106. barba Responder

    mando muito bem!!!ninguem eh obrigado a crer nessas istorias biblicas ou na existencia do tal jesus(q alias o cara q inventou esta historia hoje seria um grande diretor de cinema) essa professora tem q ser mandada embora e nunca mais pisar dentro de uma escola de novo!

  107. MaxRicardi Responder

    liberdade essa que não foi respeitada pela professora

  108. MaxRicardi Responder

    a professora não respeitou o garoto, ele mandou bronca. simples assim

    você acha drama porque não entendeu a situação

  109. zé carlos Responder

    esse pia é doente… a professora deve sim orientar no que é certo.

  110. Patrícia Camelo Responder

    Hahahaha, que engraçado!

    “o fundamental é o respeito a todos e a liberdade”, desde que todos sejam católicos né? Muuuuito cômodo. E a liberdade desse menino de não ter que ouvir reza alheia todo dia? Em uma estado LAICO é essa liberdade que prevalece.

    Olha, religião não é cultura, bumba meu boi e pai nosso no começo da aula são coisas tão distintas que não sei de onde você tirou essa comparação absurda.

    Esse menino sabe muito bem o que é cidadania e civismo, ele sabe muito bem que tem todo o direito de não ter que ouvir reza alheia quando está em um recinto de ensino. Quem errou foi a professora, quem tolheu liberdade foi ela.

    me poupe.

  111. lana Responder

    Gostaria de saber de quem é a voz que diz: Ciel? Pois é apenas uma pessoa que diz em tom mais alto… Diferença na oração do grupo onde na parte Ceil não e o grupo e sim uma única pessoa. Ouçam o vide novamente e comente a sua opinião sobre esta
    parte da gravação.

  112. juliana Responder

    Quando o clero é contado com verdade,realmente não ofende ninguém chega a ser interessante, agora quando o clero é usado para manipular né Déborah. Sem comentarios

  113. Nanda Grecco Responder

    Estou contigo Ciel! Sou ateia e já sofri diversas formas de manifestações negativas. Só faltam agora levantarem estacas, cruzes e alho pra mim, o que sinceramente não falta muito. Força e parabéns, leve isso adiante SIM!!!

  114. Priscila Responder

    Gabriela,

    Estudei em escola católica mesmo não sendo dessa religião e ouvia um pai nosso durante a primeira aula. O caso do garoto é diferente, ele está estudando em uma escola estadual e portanto segundo as LEIS (que deveriam ser cumpridas por todos) o estado é LAICO.

    Mesmo assim, o goroto não arranjava encrenca. Ouvia quieto a oração (mesmo conhecendo as LEIS do Pais). A professora desrespeitou o garoto e mais as LEIS do país. Apenas quando sofreu bulling da sala incentivada pela professora é que tomou uma providência: postou o video como forma de denúncia.

    O rapaz (que me pareceu muito inteligente) apenas exerceu sua CIDADANIA.

    O que imagino que todos nós deveríamos fazer quando existem LEIS no país que não são cumpridas.

    Já fui em muitas escolas Estatais e Municipais em que há uma cruz acima da lousa.

    O que me assusta é todo mundo achar normal.
    Afinal: e se tivéssemos a imagem de um Buda? Ou de Xango? Ou tivéssemos um Alcorão? E de Exu? E se no começo da aula fosse lida uma mensagem de um espírito?
    Os diretores e professores achariam normal?
    É por isso que o Estado é Laico. Pra que sejam igualmente respeitadas as crenças religiosas e inclusive o direito de não acreditar em deus algum

    1. Felipe Responder

      Qual é a crença que não tem nenhum símbolo ou oração “oficial”? O ateísmo, que obviamente é a única beneficiada neste caso.

  115. Hiamilly Responder

    Os dois tem razão – e não tem.

    Se a escola é um espaço para apenas produção de conhecimentos, deveria ser abolido quaisquer manifestações, sejam religiosas, culturais e sociais. Contudo deve ser analisado o PPP (projeto político pedagógico) da escola, os valores que a mesma pretende nortear o trabalho educacional.

    Sendo que na situação que ficou, pode a professora encontrar outra metodologia para iniciar suas aulas que não atente a liberdade e a laica situação educacional do país.

  116. Jacqueline Cavalcante Responder

    Parabéns, super Ciel, por sua atitude madura de discutir e não aceitar autoritarismo religioso!! Você vai longe sim, sua professora nem imagina!! Admiro-me por ser ela professora de GEOGRAFIA já que a maioria dos que tive eram tão críticos nesse ponto!! Abraços!

  117. Camila Tyrrell Tavares Responder

    Precisava disso tudo SIM! Aliás, precisaria de mais e mais alunos que denunciassem todo e qualquer tipo de ação desrespeitosa por parte de professores, diretores, inspetores de ensino, delegados de ensino, secretários, etc. Essa educação que temos nas escolas está falida. Tanto se ouve falar da nova pedagogia, mas que de nova não tem nada. Esse modelo não nos atende mais! Precisamos de uma mudança drástica, do modelo e da praxis pedagógica. Mudança que trará uma certa dor inicialmente aos que à temem, mas que fará toda a diferença na vida dos brasileiros. http://www.youtube.com/watch?v=H_M37tcE-5I

  118. Fernando Responder

    O atraso dele não tem nada a ver com o direito dele…. vc já está errado aí! Depois ela NUNCA deveria ter permitido essa atitude dos alunos se é que ela mesma não fez parte disso. Religião é um direito de todos e é pessoal, vc acredita no que quiser, desrespeitar isso é inconstitucional, crime (dependendo da falta de respeito) e uma falta de ética para com seu próximo. E depois diz que não te fizeram lavagem cerebral…

  119. Fernando Responder

    Ela está forçando ele a compartilhar da crença dela… escola não é lugar pra isso!

  120. camila Responder

    minha situação é inversa e totalmente oposta a tudo isso. sou professora de geografia e era obrigada a rezar o pai nosso toda primeira aula do dia, contra a minha vontade e minhas (des)crenças. era ameaçada inclusive se não fizesse o contrário. com certeza seria queimada na fogueira se estivesse na idade média com esse garoto. lastimável!

  121. Nelson Muniz Barretto Responder

    Gabriela, não se trata de uma inofensiva oração, pois o estado laico significa que as escolas não podem despejar religião nas pessoas e devem respeitar as outras religiões e também quem não tem religião alguma. Trata-se da defesa de um direito,

  122. Felipe Bressan Responder

    Cara o que eu vou falar pra vc…
    apoio completamente a sua atitude, e acredito que o brasil precisa de mais pessoas como vc, não estou me referindo a sua opção religiosa, que diferente da minha, mas sim ao seu caráter, em resumo precisamos de pessoas com mais atitude e que não tenham medo de enfrentar o convencional e ao mesmo tempo bem moderada.

  123. Saint-Clair Responder

    Parabéns pela FAMÍLIA! Te apoiaram no vendaval. Uma coisa eu tenho como certa: vc VAI SER alguma coisa na vida.

  124. Saint-Clair Responder

    Vc a chamou de “sua burra”, mas pela forma que escreveu seu texto, demonstra ter pouco estudo, pouca leitura, como se dizia antigamente. Por mais, sua linguagem agressiva indica uma pessoa com pouca capacidade para lidar com ideário oposto ao seu, assim como já deve ter desenvolvido algum quadro psicopata. Nem adianta procurar ajuda em consultórios, talvez com professoras rezadeiras.

  125. Saint-Clair Responder

    Viu como vc confirmou com agilidade o que eu falei? O que vem a ser esta frase assinada com “Sé Cristã-Romana”? “Sé” significa igreja ou jurisdição episcopal, que nada tem a ver com o que vc contextualizou. Talvez a “massa de imbecis” q vc citou, o tenha como líder. Quando uma pessoa é menos inteligente do que ela julga que é, como no seu caso, o diálogo se inviabiliza.

  126. Saint-Clair Responder

    “escolas cujo estudei”, maravilha! te aprovaram? Vai escrever bem assim lá no Vaticano…

  127. Saint-Clair Responder

    “não proibi” é ótimo, fugiu correndo da escola.

  128. Saint-Clair Responder

    “o viadinho lá” foi a pá de cal, vc tem mesmo um distúrbio psicológico.

  129. Saint-Clair Responder

    Alan Da Cruz Nascimento, fico triste por ter que te dar uma notícia tão ruim e que não requer reparo, por incurável ser seu mal. VOCÊ É UMA BESTA! Desafio vc, sua besta, a mostrar com FATOS que o garoto está errado. Eu te desafio, SUA BESTA!

  130. Zapper Eyes Responder

    A Religião é o último refúgio do Hipócrita.

    1. Alexandre Lessa Responder

      “A hipocrisia é uma homenagem que o vício presta à virtude.”

      François La Rochefoucauld

  131. Alexandre Lessa Responder

    Impedir que uma professora reze com seus alunos por causa de um ateu revoltado é inacreditável. O ateu não poder ser compelido a rezar, mas toda uma classe de aula composta por teístas podem ser obrigados a parar de rezar para não incomodar um ateu que se nega a rezar. Isso é de uma estupidez sem tamanho. A ditadura marxista a cada dia se aproxima da sociedade brasileira.

  132. Candido Responder

    parabéns guri! É isso aí! não embarque na onda da burrice presunçosa dos neuróticos.

  133. Erik Magnus Lensheer Responder

    O que me instiga mais é o fato de que, supostamente, as pessoas que seriam Ateus deveriam ser mais “evoluídos”, simplesmente pelo fato de não precisarem de religião alguma, ou Deus algum. Evoluídos o suficiente pra saber que os demais precisam dela…

  134. Daise Ribeiro Pereira Carpes Responder

    Mas a manchete não está errada? Pelo que entendi assistindo aos dois vídeos (especialmente ao segundo, que diz como a história terminou), a oração na escola continua, só não tem mais na aula do menino, por causa da troca de horário das aulas.

  135. Alexandre Matthes Responder

    PQP… nas escolas onde vc estudou, será que não poderiam substituir as aulas de religião por mais aulas de Português para você aprender a usar o “cujo”, “cuja”, “cujos” e “cujas” corretamente ???

    1. El Justicero Responder

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  136. Alexandre Matthes Responder

    Alan, por favor, pare com suas manifestações, pois ficar chamando os outros de “burro” enquanto se escreve com erros grosseiros de Português é simplesmente RIDÍCULO !!! Você está perfeitamente enquadrado naquele dito popular do macaco que fala do rabo dos outros e não tem a menor noção da existência do seu próprio rabo…

  137. lucabi brasil Responder

    A indignação manifesta pelo Ateísmo !
    A História prova,o fundamentalismo religioso no estado impede a Democracia!
    Estão acusando os Ateus por defenderem a Liberdade, é isso?
    Eis o resumo!
    Educar com Razão é proibido?
    Fazer o que é Certo passou a ser Crime, força dos princípios religiosos é isso!
    Supera a religião o Direito Humano??????
    Imaginem a possibilidade de atos terroristas futuros pois é a isso que conduz o fundamentalismo que algumas religiões estão propagando!
    O preconceito velado deve ser considerado crime pois crime é o que muitos lideres religiosos estão a cometer sem serem punidos pela justiça, dentre eles incitar seus fiéis a desafiar os Direitos Humanos!
    Ex. Um professor religioso que afirme aos alunos o criacionismo é a Verdade absoluta!
    persegue e pune alunos ateus!
    Estado Laico é responsabilidade de todos, principalmente daqueles que defendem o ensino da” Educação Social”, aquela que nossos professores em maioria esmagadora desconhecem!
    Educação da Razão, quando?

  138. Anna Carolina Cerqueira Leite Responder

    Neste caso ocorrem três problemas distintos:

    Primeiro que a professora deveria expressar sua fé religiosa em local e momento apropriados e fazer sua oração antes de entrar em sala de aula, por mais que outros alunos compartilhem da mesma fé, a matéria dada não era educação religiosa.

    Segundo que já que ela resolveu fazer a oração assim mesmo, deveria ao menos aceitar que quem não se sentisse a vontade com isso, ficasse calado e não rezasse (caso do Ciel Vieira) sem ter que ouvir indiretas e muito menos sem ter que possivelmente não participar do inicio da aula para que a professora pudesse rezar. (Ou seja, necessidade supérflua da professora prevalecendo à necessidade real do aluno de estar em sala de aula desde o início da mesma).

    Terceiro e pior de todos foi a aquiescência da professora em relação aos alunos que substituíram a palavra mal por Ciel na oração. Onde nós estamos? Que palhaçada é essa?

    O professor é figura de autoridade em sala de aula e como tal não pode impor suas vontades e assim constranger um aluno a este ponto. Ele pode sim ensinar sua matéria, chamar atenção, cobrar silêncio e respeito mas jamais ridicularizar ou tentar, como foi o caso.

    Ao meu entender, o problema do garoto não foi a religião, mas o fato de a professora impor algo religioso em uma aula não-religiosa em que ela teve a infeliz ideia de falar uma indireta diretíssima para ele que preferiu silenciar-se do que ser hipócrita ao proferir palavras em que não crê. Talvez se ela tivesse se mantido calada, poderia ter continuado com seu pai-nosso, ele continuaria calado. Vai saber!

  139. Guest Responder

    Sinceramente? Uma grande pataquada tudo isso. O rapaz tem uma dicção péssima, fala mal e cometeu um erro grave de português no seu primeiro vídeo.

  140. Teresa Santos Responder

    Sem comentários de minha parte.
    Apenas que Ciel teve seus 15 minutos de fama. Conseguiu seu intento. Vira-se a página.

  141. Teresa Santos Responder

    Só me pergunto, porque este rapaz não comunicou o fato à diretoria, antes de toda esta parafernália.

  142. Geovani Machado Responder

    Gostaria de parabenizar o Cie por sua atitude corajosa. Sou professor de Geografia – quem diria – sou ateu, e busco, sempre que possível respeitar as opiniões, os pontos de vistas dos outros….outro dia estava falando em sala sobre a origem do Universo…sobre a Teoria do Big Bang, etc…e etc…e uma menina levantou a mão me interpelando: “Professor Geovani, (este é meu nome) acho que foi Deus quem criou tudo…o universo, as estrelas, etc….). Me dei conta de que em sala de aula, nem todo mundo é obrigado a acreditar que o Universo não surgiu pelas mãos divinas de Deus, mas por uma grande interferência natural do sistema, etc…etc… Mudei meu argumento exatamente para respeitar os pontos de vista diferentes do meu:
    Agora argumento sempre que existem diferentes visões sobre o surgimento do Universo, da vida na Terra, etc…entre eles o argumento de quem acredita que foi Deus que criou tudo isso…a outra versão, a científica ( da qual eu acredito) é uma possibilidade para quem quer aprofundar o estudo e pesquisa sobre o assunto…e que, é esta opinião, a científica que será cobrada em trabalhos, provas, etc…no final ficou tudo bem, a menina ( não consegui perceber se é evangélica ou católica..ou outra religião qualquer) aceitou numa boa os meus argumentos!
    Professor não está para fazer pregação – vai para uma Igreja, um templo que é o lugar adequado. Escola é para desenvolver competências e habilidades para o CONHECIMENTO, não para a ignorância, de modos que a professora de Geografia, muito provavelmente não seja realmente uma geógrafa, pois os geógrafos sempre aprenderam que é preciso, antes de mais nada respeitar o ESPAÇO e a opinião do outro!!!! Abração Ciel…e continua assim, estaremos sempre acreditando que é possível sim, fazer a coisa certa quando consideramos que coisas equivocadas acontecem!
    professor de Geografia, Geovani Machado – Porto Alegre/RS

  143. Matheus .Bianchini Responder

    Sei que muita gente vai achar que é só um ateuzinho revoltado leite com pêra etc. Mas até eu que não sou ateu, acho um absurdo essa mania de brasileiro achar que todo mundo é cristão e ficar utilizando empresas, escolas, câmaras etc. pra fazer rezas ou cultos.

    Queria ver se fosse uma professora de Candomblé rodando na frente da sala todo dia, ou um Espirita pedindo energias positivas pra baixar um espirito de um professor morto, ou qualquer outra manifestação religiosa.

    Tu quer expor sua religiosidade, faça isso em silêncio, em um canto, no corredor, não no tempo da aula.

  144. zeber Responder

    No campo, se joga futebol. No bar, se diverte. Na escola , se aprende. Agora rezar é na igreja.

  145. Nelson Gomes Responder

    Penso que seria muito simples resolver a questão: Sendo a professora paga para ensinar e não para rezar, o tempo útil de ensino já está à partida a perder-se com algo que não está incluído nas aprendizagens lectivas, logo uma solução seria chegar mais cedo à aula e apenas com os alunos cujos pais dessem autorização rezassem antes do tempo oficial da aula começar. Em seguida entrariam todos os alunos na hora certa de entrada que não professassem a mesma religião ou qualquer religião. Sendo um país Laico é isto que significa. Não proibir ninguém de rezar mas o estado não pode impôr uma religião, se a professora é a representação do Estado na Escola não o pode fazer no seu tempo útil de aula. Como faria ela se todos os alunos fossem ateus ou Muçulmanos?

  146. wellington Fernandes Responder

    Realmente você tem o direito de ser ateu. Mas não confunda
    um Estado laico com um estado ateu. Estado laico: Aquele que não interfere na
    forma como expressamos nossa fé, desde que nos limites legais. Estado Ateu: Não
    Acredita em Deus ( No Preâmbulo de nossa Constituição é declarado que o Brasil
    crê e pede a ajuda de Deus). Filho, as pessoas precisam te respeitar, e eu lhe
    respeito. Mas te pergunto. Olhando para tudo que existe na natureza, seu coração
    não sente que existe um poder maior por traz de tudo isto? E como será após a
    morte? Se você tiver certo, morreu acabou. Mas se a Bíblia tiver razão e tem,
    você precisa pedir a Deus para que ele permita que você de alguma maneira
    consiga descobrir a existência dele. Recomendo não desafiar se ele existe ou não,
    e sim pedir com bondade de coração que ele permita de alguma maneira você
    descobrir se realmente ele existe. Com todo meu respeito, Wellington.

    1. Mirai Densetsu Responder

      O preâmbulo apenas registra o espírito da época em que a constituição foi promulgada. Ele tem nenhuma importância, visto que não pode ser usado para definir constitucionalidade de lei alguma nem mesmo tem força normativa. O próprio STF adota a tese de “irrelevância jurídica” para o preâmbulo.

      E ele tem todo o direito de não acreditar em deus, assim como você tem todo o direito de acreditar e adorá-lo. Ninguém tem o direito de obrigá-lo a acreditar, como fez a professora em seu ato de clara intolerância religiosa.

      O Ciel está certíssimo em lutar por seus direitos.

  147. Silvana Marcili Responder

    De forma alguma, Alan Da Cruz Nascimento,
    Estado Laico sginifica que dentro de repartições públicas (municipais, estaduais ou federais) todas as religiões devem ser respeitadas e, exatamente por isso, NENHUMA DEVE SER PROFESSADA EM SEU INTERIOR!

    1. Felipe Responder

      E o ateísmo pode? Qual é o privilégio de ser ateu? Estado laico não é estado ateu.

  148. Sandra Faria Responder

    Apesar do tempo passado, senti necessidade de me expressar sobre o assunto.

    Primeiro, quanto à dúvida do que é um estado secular ou estado laico: É um conceito do secularismo onde o Estado é oficialmente neutro em relação às questões religiosas, não apoiando nem se opondo a nenhuma religião. Um estado laico trata todo seu cidadão igualmente, independente de sua escolha religiosa, não devendo dar preferência a indivíduos de certa religião. Deve garantir e proteger a liberdade religiosa e filosófica, evitando que alguma religião
    exerça controle. Apesar de não ser um Estado ateu, o Estado Laico

    deve respeitar também o direito à descrença religiosa.

    Quanto ao Ciel, eu o parabenizo por sua coragem de enfrentamento, por sua
    coerência e por sua ética. Sou católica, mãe de um jovem ateu por quem
    tenho profunda admiração. É um indivíduo que age com ética, bondade e
    sabedoria, não porque esteja sob o comando de dogmas religiosos, mas porque soube desenvolver dentro de si os valores fundamentais de cidadania e de respeito ao seu próximo e ao espaço em que convive.

    Portanto, mais uma vez, parabéns ao Ciel e a sua família por permitirem que ele se desenvolva de acordo com seus princípios e não por adestramento.

    Um
    abraço!

  149. Rodrigo Responder

    Eu teria dado um soco na cara dela.

  150. paula Responder

    o que faz vc ser um retardado? Dá preguiça até de elencar os itens!!! Vc não vai entender mesmo…!!! Ignorante, arrogante e prepotente!!!! Conhecimento parco usado com muita prepotência, né …. frustrado!!!

  151. André Dalua Skate Responder

    Esta do laico é a minha dfrrvdfc.

  152. Otilia Maria Dos Santos Costa Responder

    Sou professora e na escola municipal onde laboro, tb ora a oração do Pai-nosso todos os dias, não concordo, sempre fico em silêncio, muitos oram de boca pra fora, inclusive algumas colegas chegam a fechar os olhos, mas quando abrem querem “passar o trator” em cima de vc, odeio hipocrisia.

  153. Rebeca Responder

    Primeiro: este garoto é ateu de quê DEUS? Já pude perceber que ele tem um: ELE MESMO! Segundo: O (a) professor (a) de português deve “se enforcar” ô cara para escrever errado (rsrsrs). Terceiro: Vocês não acham que é uma tremenda perda de tempo – minha inclusive! – tratar deste assunto. Associação de quê mesmo? Ah! tenho mais o qê fazer.

  154. El Justicero Responder

    Vai estudar, seu alienado: A igreja católica (com minusculas mesmo), além de ser responsavel pela maioria dos genocídios ja presenciados na história humana, sempre esteve por trás dos crimes cometidos em busca do poder. Tudo em desacordo com seu patético discurso “cristão”. E além disto, com a famigerada venda de indulgências, ainda é também culpada pelo aparecimento dos insuportáveis “evangélicos” !

    1. Felipe Responder

      Nossa, realmente é um ódio incontrolável que impede de ver um palmo à frente. Lavagem cerebral pura que deixou o raciocínio de lado e só ficou o neo-ateísmo extremista.

  155. El Justicero Responder

    Sim, teologia, é estudo.
    Diferente de doutrina e lavagem cerebral, excludente quanto aos que não a professam.
    “Dura lex, sed lex..”

  156. Vera Antunes Responder

    É por isso que as coisas estão como estão, hoje não se respeita mais, nada e nem ninguém. Se Deus habitasse no coração das pessoas não existiriam tantas arbitrariedades, tanta violência, tantos desmandos por tão pouco. Todas as barbaridades que acontecem são por falta de Deus e de uma orientação adequada,seja da família, seja da escola. Se Deus entrasse nas escolas as drogas não entrariam, a violência não entraria,tudo seria diferente porque ELE (DEUS) é amor.

    1. Mirai Densetsu Responder

      Vera, reveja os seus conceitos. Tudo o que você escreveu leva à intolerância religiosa.

  157. Felipe Responder

    Liberdade de não querer ser ateu! Isso é que as pessoas querem.

    1. Mirai Densetsu Responder

      Na verdade, a professora prega a liberdade de ser católico.

  158. saint-Clair Responder

    Esse Felipe diz que os que escrevem berrado, mas colocou A MUITO em lugar de HÁ MUITO, coitado…

  159. Nádia Britto Panaino Responder

    As pessoas confundem “Estado laico” com “Estado ateu”, e acabam dizendo um monte de bobagens; uma delas, que o único lugar para se expressar a religião é na igreja ou ao “ar livre”, Mas não é o que a lei diz. Veja:

    Constituição Brasileira de 1988:
    “Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

    II – ninguém será obrigado a FAZER ou DEIXAR DE FAZER alguma coisa senão em virtude de lei;

    IV – é LIVRE a MANIFESTAÇÃO do PENSAMENTO, sendo vedado o anonimato;

    VI – é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre
    exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos
    locais de culto e a suas liturgias;

    VIII – ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

    IX – é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de
    comunicação, independentemente de censura ou licença;”

    Declaração Universal dos Direitos Humanos
    “Artigo 18.
    Todo ser humano tem direito à liberdade de pensamento, consciência e religião; este direito inclui a liberdade de mudar de religião ou crença e a liberdade de
    manifestar essa religião ou crença, pelo ensino, pela prática, pelo culto e
    pela observância, isolada ou coletivamente, em público ou em particular.

    Artigo 19.
    Todo ser humano tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de procurar, receber e
    transmitir informações e idéias por quaisquer meios e independentemente de
    fronteiras.”

    Portanto, onde está escrito que eu não posso expressar minha crença, ou até minha descrença em outro lugar que não seja templos religiosos? E isso inclui escolas, ou qualquer outro lugar, incluindo repartição pública! O que eu não posso, é tentar convencer alguém a mudar de crença (que é previsto em lei) em outro lugar que não seja em templos e/ou em lugares particulares. Não posso fazer isso numa escola pública, por exemplo. Mas posso fazer numa escola confessional.

    Eu, por exemplo, levo para meus alunos textos, onde alguns são religiosos. E eles escutam POR EDUCAÇÃO. Como fariam com qualquer outro texto que fossem ler. E não permito que façam qualquer observação para com alunos que não tenham a mesma crença que a maioria; todos, ABSOLUTAMENTE todos são respeitados na minha aula.

    Assim como eu participo, escuto rezas e orações que se faz na minha escola – que é pública – apesar de não concordar com a maioria do que é dito nesses rituais. Mas o faço POR EDUCAÇÃO, e porque sei que a Constituição Brasileira e a Declaração Universal dos Direitos Humanos garantem esse direito. E é na escola que o aluno tem que aprender isso. E não fazer essa confusão danada que as pessoas acabam por produzir, e que não levam a lugar nenhum, apenas a agressões. Não adianta nada isso, o que vale é o que a lei diz. Se eu fosse a professora, iria entrar com uma liminar garantindo minha liberdade de fazer o tal do Pai-nosso. E o aluno, por sua vez, tem todo o direito de não fazer o Pai-nosso (numa escola pública, é claro, diferentemente de uma escola confessional, onde subentende-se que o aluno e sua família concordam com o que for ministrado). O que está errado, é obrigar o outro a expressar a mesma crença que eu, ou não respeitar crenças diferentes e até descrenças. Tanto por parte da professora, quanto do aluno. A emenda final ficou pior do que o soneto!

  160. Mirai Densetsu Responder

    Errado. Apenas queremos o cumprimento integral do Artigo 19 Inciso I da Constituição.

    Estado Laico é um país neutro com relação à convicção religiosa de todas as pessoas, não importa qual. Além disso, um Estado Laico não cede privilégios a qualquer religião que seja.

    Não é porque é a SUA religião que é pregada que o ato de obrigar os alunos a rezar deixa de ser uma afronta ao Artigo 19 Inciso I da Constituição. E tenha certeza que não são apenas os ateus que são ofendidos com essa obrigação.

    1. Felipe Responder

      Distorção da leitura do Artigo 19 da Constituição Federal. Não sabemos se é proposital ou por insuficiência em entendimento do texto, a leitura é utilizada para justificar o porque o estado deve privilegiar os ateus, não podendo nem rezar. Aliás, deveria ser o contrário. Não fazer nenhum tipo de oração favorece ao sem dúvida alguma ao ateísmo, o que vai totalmente contra ao estado laico. Deveríamos ter mais orações sim e mais liberdade também.

  161. Mirai Densetsu Responder

    O que impede a professora de dedicar o seu momento de oração em horário de serviço é o Artigo 19 Inciso I da Constituição e o fato de ela ser um Agente Público, conforme a Lei 8.429/1992.

    Sendo assim, ela está sujeita a Processo Administrativo Disciplinar, sendo que pode até mesmo ser exonerada do cargo. Se eu fosse esse aluno, teria procurado a secretaria de educação para abrir um PAD.

  162. Mirai Densetsu Responder

    Mas enquanto atuando pelo Estado, ela é proibida de rezar, sabia?

  163. Mirai Densetsu Responder

    Errado. Valores morais são ensinados em casa. Quem tem de ensinar isso são os pais e não os professores.

  164. Felipe Responder

    Oração é um sinal de respeito. O silêncio, nas próprias orações também é. Agora o silêncio eterno em lugares públicos ou instituições é o ápice do ateísmo, contrariando a lógica do laicismo. O Artigo 19 Inciso I da CF/88 proíbe é estabelecer qualquer vínculo com qualquer instituição religiosa, inclusive o ateísmo. É dessa discussão que os ateus fogem, se esquivam. Inclusive nesta conversa. O ateísmo é uma organização (mais ou menos desorganizada) religiosa, que aliás ultimamente está lutando incessantemente para se estabelecer na sociedade, por isso se apega a lacunas filosóficas e ingenuidade das pessoas para enganá-las. Não fujam da verdade, ela aparecerá. Não sei se você entendeu, mas pode reler essa e outras respostas, buscar na internet, em livros ou qualquer outro meio, ateísmo é sim uma forma de religião e isso é fato. Não acreditar em Jesus ou em Buda ou qualquer outro líder religioso é um direito seu, mas não fugir da verdade para consigo mesmo e para com o próximo, isso é um dever. Não iremos nos calar e cruzar os braços, existem muitos mal intencionados gritando e trabalhando para transformar esse mundo muito pior. Em relação à referência, busque o significado de rito em outras fontes mais completas, pois essa foi fraca e pode confundir mesmo.

    1. Mirai Densetsu Responder

      Felipe, desde quando o ateísmo é uma instituição religiosa? Você enlouqueceu?

      Recomendo que se informe melhor a respeito. Você sabe absolutamente nada do que está falando. Não sabe o que é ateísmo, religião, laicidade, nem soube interpretar corretamente o dispositivo legal mencionado.

      Mas o que você faria se a professora de seu filho obrigasse a todos os alunos a rezar para o demônio antes das aulas? Isso seria sinal de respeito?

      1. Felipe Responder

        Mirai, é só estudar.. ler e pensar um pouco. Vamos por partes então. Para estudar e ler basta acessar alguns sites da internet como wikipedia, mais simples que isso não há, veja o link: “http://pt.wikipedia.org/wiki/Ate%C3%ADsmo”. Considere por favor algumas partes como: “Assume-se frequentemente que pessoas que se auto-identificam como ateus são irreligiosas, mas algumas seitas dentro das principais religiões, rejeitam a existência de uma divindade criadora e pessoal.” e também “Embora a Constituição Soviética de 1936 garantisse a liberdade para realizar cultos, o Estado soviético, sob a política de Estado ateu de Stalin, não considerava a religião um assunto privado; o governo soviético ilegalizou o ensino religioso e promoveu campanhas para convencer as pessoas a abandonar a religião”. Também podemos acrescentar na definição de religião http://pt.wikipedia.org/wiki/Religi%C3%A3o, considerando: “Religião é um conjunto de sistemas culturais e de crenças, além de visões de mundo, que estabelece os símbolos que relacionam a humanidade com a espiritualidade e seus próprios valores morais.”, ora, se diante das diversas vertentes do ateísmo, implícito, explícito, prático e teórico com suas crenças (crer que não existe também é crer), sistemas culturais que incluem até associações (veja Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos) e símbolos e até pedido de “apoio” e me dizer que hoje, nos conceitos atuais, o ateísmo não é um tipo de religião? E que o fato de não ter nenhum tipo de manifestação religiosa beneficia a todos? Isso não dá pra engolir, nem seu ficássemos loucos.

        1. Mirai Densetsu Responder

          Não, ateísmo não é um tipo de religião. A ATEA não é uma associação religiosa. Você está entendendo tudo errado. Recomendo que leia mais sobre isso para entender melhor. Comece por Deus, um delírio, do biólogo Richard Dawkins.

          Aí saberá que ateísmo não é uma religião, mas sim uma posição filosófica. Saberá também que entidades como a ATEA não são religiosas, mas sim associações de direito privado, que defendem o direito dos ateus de não acreditar em deus sem sofrer represálias por isso. Represálias como aquela sofrida pelo Ciel, por exemplo.

          E “não ter nenhum tipo de manifestação religiosa”? Não é isso o que eu defendi aqui. O que eu falei é que o Estado não pode obrigar os cidadãos a rezar. E a professora está representando o Estado durante a aula. É tão difícil assim de entender?

          Se os cidadãos quiserem fazer a sua celebração, montar a sua igreja e celebrar onde quer que estejam, o Estado não pode atrapalhar. Se não quiser fazer isso, pode também.

          Mais uma vez, o que o Estado não pode é obrigar os cidadãos a rezar. E foi exatamente isso o que aconteceu no caso do Ciel.

  165. Felipe Responder

    Não é qualquer atitude que beneficie os ateus, é apenas os fins de alguns ateus justificam seus meios. E reforçando a tese de que hoje em dia ateísmo é tratado também como religião, veja esse link “http://g1.globo.com/mundo/noticia/2013/11/culto-para-ateus-reune-centenas-de-pessoas-em-los-angeles-nos-eua.html”.

  166. Thiago Ecker Responder

    Diga isso para a Suécia, um dos países mais ateus do mundo, que melhor distribui renda, qualidade de vida, menos corrupção, mais razão, a poucos dias estavam falando em fechar 4 presidios por falta de preso, ocorre cerca de quatro mil assassinatos por ano, as armas são liberdadas, e o Brasil, um dos países mais cristãos do mundo, onde impera a criminalidade, desigualdade e corrupção, então não fale besteiras, não se fassa de coitadinho, no Brasil os ateus são vistos como demônios, sendo que a grande maioria dos presidiarios do Brasil possuem religiosidade, ninguém precisa ter pensamento de rebanho para ter moral, o que você disse é um belo exemplo de ignorância e intolerância.

  167. Ricardo Sili Responder

    Estado laico é um pais ONDE não há religião oficial.

  168. Ricardo Sili Responder

    Convido VOCÊ a REALMENTE ler a sua Bíblia de mente aberta, e verificar o livro inconsistente e cheio de incoerências que ele é. Sem falar em toda a crueldade, violência, misoginia, defesa da escravidão e da discriminação que traz em suas páginas. Hipocrisia é dizer que você conhece Deus, mas obviamente não leu nem 1/10 da Bíblia para dizer que ela liberta.
    De qualquer modo, a Bíblia é sua, e você tem todo o direito de acreditar nela e fazer o que quiser dela. Mas não é minha, e eu não tenho que ser obrigado a seguir nem acreditar em nada do que ela diz. Nem na escola, nem em lugar nenhum. Não vivemos numa teocracia.

    1. Felipe Responder

      Leio e releio a bíblia sempre. Não precisa dizer para ler, para mim é um prazer. Mas não basta apenas ler, é preciso entender, praticar, sentir. Quem lê a bíblia sem praticar, sentir, viver, etc. não pode dizer que entendeu a bíblia e seus preciosos ensinamentos. É muito comum ver pessoas extremistas e com algum objetivo oculto mentirem e dizerem que a bíblia espalha a violência, discriminação, etc. É um crime dizer essas mentiras descaradamente. Mas somos sim abertos ao diálogo e como sempre, mesmo após 2 mil anos de perseguições e questionamentos continuamos mais fortes do que nunca e a inteligência e a lógica prevalessem e a bíblia continua sendo o livro mais importante de toda a história da humanidade. Em relação ao terror de ativistas ateístas com objetivos escusos que querem eliminar a religião de todos os cantos para prevalecer a única crença que seguem, que é o ateísmo, é uma hipocrisia gigantesca. É só usar o lógica básica. Ora se não tiver ensino da bíblia em nenhum lugar o que prevalece sobre religião? O nada! E quem se beneficia com isso? O ateísmo. Não estamos em uma teocracia, mas também não queremos uma ateocracia.

    2. Gustavo Responder

      Convido o Sr. a um dia se sentar com pessoas que estudam a teologia, dentre elas existem até famosos juristas, ex-médico que virou Padre, ex-procurador do Estado que viroi missionário, e por ai vai, doutores, pHds dentre outros que realmente entendem o assunto, eu sou ex-ateu e ex-espírita e só fui entender a realidade da Bíblia após um de meus grandes amigos (e ex-ateu) largar a advocacia para estudar teologia e filosofia, até então para escrever livros e artigos contra a Bíblia, e agora ter se tornado um grande missionário e estudioso do assunto.

    3. moises alexandre Responder

      ricardo sili,abiblia e o manual de instruçao do planeta terra escrito por homens mas de autoria divina tanto que foi escrita por 40 homens que viveram em lugares diferentes em epocas diferentes e parece ter sido escrita por uma so pessoa pois todos foram inspirados por DEUS,todos os povos e individos que ignoraram a biblia causaram desequilibrio a sua vida,a sociedade,ao pais e ao planeta. no mais DEUS sem o homem continuara sendo deus ja o homem sem DEUS oque sera.

  169. Leandro Pio Casaldáliga Montei Responder

    Sou a favor de manifestações religiosas nas escolas, e sempre serei. Manifestações como solidariedade, tolerancia, Alegria, gentileza, conciência, temor (a Deus e não aos homens) e outras caracteristicas vinda de uma boa vida religiosa serão sempre bem vindas e bem vistas!

  170. Julio Mello Responder

    E não esqueçam de pagar o dízimo.
    HAHAHAHAHAHA

    1. Felipe Responder

      Agora põe o dízimo da ATEA aí também. Que continua engando os fracos e analfabetos.

  171. Andrea Martins Responder

    Minha liberdade vai até onde começa o seu direito ok? Então, não imponhamos nenhum tipo de “oração pronta” em grupos ou locais que não sejam destinados a oração, um momento de reflexão eu apoio, uma elevação de pensamento onde até ATEUS podem firmar um bom pensamento para que seu dia seja legal enfim…Bom senso e respeito. (umbandista)

  172. Andrea Martins Responder

    Só pra constar:
    Estado laico onde toda pratica religiosa é permitida (em tese) e também define que o governo não segue nenhuma linha religiosa na sua constituição,

  173. Sabrina Cavicchia Responder

    sou professora e lamento pelo Crime que essa “professora” cometeu! Continue estudando, sendo consciente e que isso contribua pra você ser um cidadão justo, atuante e capaz de mudar o meio em que vive!

  174. josehrio Responder

    Eu gostava de cantar o hino brasileiro antes de entrar na escola, e responder a chamada também. Me sentia importante.

  175. Luiza Cardoso Responder

    Mas que gente babaca hein… Deveriam der dado uma bela de uma chamada nesta professora. Se continuasse, deveriam demiti-la. Escola não e lugar de professar fé.

  176. Felipe Responder

    Talvez não todos Jorginho, mas tem muito que quer isso é fato. Tenho muitos amigos ateus e até pessoas da família que não pensam em enganar, mas conheço outros que querem sim.. Ou você acha que todos os ateus, conhecendo o ser humano como é, são bem intencionados?

  177. Felipe Responder

    Concordo que ninguém é obrigado a não rezar, agora ninguém é obrigado a não rezar. Ainda mais fazer um vídeo expondo apenas uma versão da história e receber centenas de comentários preconceituosos na internet pela religião. Duvida? Dá uma lida em alguns comentários feitos aqui. Parece um bando de loucos raivosos. Concordo também que Cristo nos deu um novo mandamento amar uns aos outros como eu vos amei, mas também está escrito que todo aquele que me nega ou os meus mandamentos não será digno de mim. Respeitar não é ser conivente com o erro, mas perdoar as pessoas. É reparar o erro, se cometeu. E quem é bom, ou tenta ser, por medo do inferno ainda não entendeu o que foi ensinado.

  178. Felipe Responder

    Depois de inúmeras universidades que a igreja criou e apoia para pesquisa e desenvolvimento do homem ainda tem gente com coragem de dizer que a Igreja é que mantinha os homens na Idade das trevas. Fale isso para: Nicolau Copérnico, Gregor Mendel, Alberto Magno, Roger Bacon, Pierre Gassendi, Ruđer Bošković, Marin Mersenne, Francesco Maria Grimaldi, Nicole Oresme, Jean Buridan, Robert Grosseteste, Christopher Clavius, Nicolas Steno, Athanasius Kircher, Giovanni Battista Riccioli, William de Ockham, etc… Não caiam na falácia mais absurda de que religiosos e a igreja são do passado e são contra religião. Não sejam enganados tão facilmente ainda mais com o advento da internet. Agora para ser justo vou fazer uma lista de todos os cientistas queimados por conta de inquisição da igreja católica: [].

  179. Felipe Responder

    Não fazer nenhuma menção religiosa seria favorecer o ateísmo. Pegar um livro de Dawkins seria favorecer MUITO o ateísmo.

  180. Felipe Responder

    Mas esse é justamente o ponto. Se as escolas não tiverem nenhuma religião, favorece o ateísmo, porque simplesmente o ateísmo não tem nenhum “rito” oficial, pelo menos até agora.. Simples assim. A luta que eu vejo não é pela “igualdade” das religiões em instituições públicas, mas sim pelo favorecimento do ateísmo nas instituições públicas. Que nada mais é do que uma crença na não existência em Deus. Aproveito para lançar a pergunta, afinal, quem é ateu acha que é ateu por que não tem fé em Deus ou por que simplesmente não acredita em Deus (qualquer religião)?

    1. Anderson Responder

      Felipe, se as escolas não tiverem nenhuma religião? De acordo com o nosso arcabouço jurídico brasileiro ela não tem. Fato. O Artigo 19 da CF 1988 é bem claro quando diz que é vedado ao Estado brasileiro (União, Estado, Município e Distrito Federal) estabelecer cultos religiosos ou ter com as instituições religiosas relação de dependência. No caso, a escola representa o Estado e desta forma NÃO PODE assumir religiosidade alguma, pois ela tem que manter a postura exigida em LEI, ou seja NEUTRALIDADE no âmbito religioso. Você com sua veemência em defender seu ponto de vista – chega a ser intransigente – está confundindo os conceitos de Estado Ateu e Estado Laico. O Estado Ateu não permitiria que seus cidadãos expressassem fé alguma. O Estado Laico, caso do Brasil, prevê apenas a NEUTRALIDADE do Estado. Por isso nossa Constituição, no artigo 5º, inciso VI, também estabelece a liberdade de crença como direito inviolável, bem como assegura o livre exercício dos cultos religiosos, NA FORMA DA LEI. Portanto, não vamos usar de sofisma e deturpar os fatos para criar uma situação fantasiosamente favorável aos nossos argumentos. Voltando ao caso em questão, quando a professora (um agente do Estado) promove na sala de aula de uma escola do Estado alguma manifestação religiosa, ela está INFRINGINDO a norma Constitucional. Ainda, a professora quando direciona o seu comentário para o estudante fazendo um juízo de valor claramente depreciativo, fere outra vez a nossa lei maior, especialmente porque naquele momento ela representa o Estado e este não pode fazer distinção entre os brasileiro, ou ter preferências entre si, conforme art.19 C.F. O Ciel é um garoto admirável, não pelo fato de ser ou deixar de ser ateu, mas sim pela coragem de enfrentar a adversidade que é, vejam só, ter seu direito garantido. Admiro-o pelo não conformismo. Onde já se viu o Estado desrespeitar suas próprias normas? No Brasil isso acontece aos montes e as pessoas naturalizam esses desrespeitos aos cidadãos e tratam como se fosse uma questão de fé. Fé está no âmbito da intimidade, na esfera privada. No âmbito público deve prevalecer o respeito ao COLETIVO, o que inclui as normas constitucionais. Não é questão de fé! É questão de respeito!

  181. Paulomax Responder

    Não sei exatamente como o fato aconteceu. Vou supor que tenha sido conforme o narrado
    Caberia a ela corrigir os alunos imediatamente. Se não o fez pecou por omissão!
    Caso 99% desejem orar antes de começar a aula, não vejo nenhum inconveniente, desde que quem não deseja possa permanecer calado ou retirar-se.

  182. renato Responder

    “quem não tem deus no coração jamais vai ser alguém na vida”, conhece alguem nessa lista ?
    * Albert Camus
    * Alfred Hitchcock
    * André Comte-Sponville (1952—): filósofo francês, autor de L’esprit de l’athéisme, livro no qual explica sua decisão de ser ateu.
    * Antonio Gramsci
    * Arthur Schopenhauer
    * Auguste Comte
    * Bertrand Russell
    * Bill Gates
    * Bruce Lee
    * Carl Sagan
    * Charles Darwin
    * Charles Schulz
    * Christopher Reeve
    * Daniel Dennett
    * Dave Matthews
    * Drauzio Varella
    * Ernest Hemingway
    * E.O. Wilson
    * Fernando Henrique Cardoso
    * Francis Crick
    * Friedrich Nietzsche (1844–1900): filósofo alemão, autor do famoso aforisma Deus está Morto, que aparece pela primeira vez no livro A Gaia Ciência, de 1882.
    * Gene Roddenberry
    * George Soros
    * Ian McKellen
    * Jack Nicholson
    * James Randi
    * James Watson
    * Jean-Paul Sartre
    * Jodie Foster
    * Josef Stalin
    * Julianne Moore
    * Lance Armstrong
    * Ludwig Feuerbach
    * Lawrence Krauss
    * Karl Marx (1818-1883): alemão de origem judaica, autor de O Capital. É famoso por sua afirmação de que “A religião […] é o ópio do povo.”
    * Karl Popper
    * Marie Curie
    * Mark Twain
    * Marlon Brando
    * Mao Tse Tung
    * Massimo Pigliucci
    * Michael Shermer
    * Michel Onfray (1959—): filósofo conteporâneo francês, autor do livro Tratado de Ateologia
    * Mikhail Bakunin: escritor, filósofo e anarquista russo. Várias citações mostram seu ateísmo, entra elas: “Religião é demência coletiva.”
    * Noam Chomsky
    * Oscar Niemeyer
    * Paul Kurtz
    * Peter Singer
    * Richard Dawkins
    * Richard Feynmann
    * Robert Frost
    * Sigmund Freud
    * Slobodan Milosevic
    * Stephen Jay Gould
    * Steven Pinker
    * Steven Soderbergh
    * Susan B. Anthony
    * Thomas Edison
    * Woody Allen

  183. Marianna Responder

    Escolas tem que orar sempre o pai nosso na entrada e dentro da sala se vocês não gostão se mudem pra uma escola ateia

  184. Alvaro Responder

    Usar da oração do PAI NOSSO para fazer BULLING contra um aluno é um grave erro. Acredito que houve falta de respeito quanto as outras ideologias.

  185. Antonio Albino do Carmo Responder

    Penso nos direito das pessoas, quanto a professora que quis começar seu trabalho com a sua reza, deveria fazê-la sozinha e não em grupo, pois, viraria a classe de escola um ambiente desconfortável, visto que muitas Religiões estão representadas na mesma sala de aula. Quanto ao aluno, o direito dele é assegurado por lei a fazer ou deixar de fazer, até visto que não é matéria de escola e sim um momento de fé pessoal da professora.O aluno não tem nenhuma obrigação de professar aquilo que não crê .

  186. Arimar Responder

    O resultado dessa perseguição a crença em Deus está bem a vista; é só olhar os noticiários; as pessoas matam não por necessidade financeira, mas porque os seus corações estão corrompidos; a manifestação religiosa não é crime em qualquer lugar ou dependência do Estado brasileiro; o Estado é que não pode se manisfestar qa favor ou contra determinada religião; errou o Ciel e a SEcretaria; se os alunos querem orar, podem;

  187. ROSA Responder

    DEUS DEVIA SER OBRIGATORIO…TEM TANTAS COISAS Q N PRESTAM E É ENSINADO AS CRIANÇAS….MAS ESSE MUNDO É CADA VEZ MAIS DE SATANAS….ELE TA GANHANDO TERRENO C OS HUMANOS…E ESSA LISTA QUE COLOCARAM AI ..PRA MIM NINGUEM É NADA DE MAIS…SÓ JESUS É O MAIOR…QUE EXEMPLO…BRUCE LEE, WOODY ALLEN ….TODOS CAPACHOS DO DIABO…

    1. Armando Solid Responder

      Eu sou ateu e aposto que sou uma pessoa muito MELHOR do que voçê e de muitos outros que pensão como tu.

  188. IG Responder

    realmente como dito em alguns comentários aqui:

    “que belo exemplo.”

    BELO EXEMPLO DE IGNORÂNCIA!

    e tão ignorante quanto o jovem em questão, são aqueles que apoiam e defendem o ato.

    O estado laico é sim constitucional e é direito de todo cidadão.
    assim como também é direito de todo cidadão a LIVRE MANIFESTAÇÃO RELIGIOSA, q também faz parte da mesma constituição de 1989 citada por esse “fervoroso” defensor do direito. Do direito próprio não é mesmo meu caro?
    A indignação desse fervoroso defensor legal, se deu, única e exclusivamente, pelo fato de que ele não admite que alguém venha à divergir de sua opinião.
    Como explicita em seu depoimento, esse fervoroso jovem defensor da lei, não tem opinião religiosa, o que não obriga as pessoas à terem a mesma falta de opinião.
    A professora precisa sim estudar mais, mas o fervoroso jovem defensor da lei, em questão, também precisa estudar.
    Sala de aula é sim para estudar, para ter aulas, mas acima de qualquer coisa sala de aula é lugar onde se educa pessoas ( coisa que aparentemente ele desconhece) e educação não é apenas aprender à ler e escrever.
    Cultura, respeito e tolerância são coisas que também fazem parte e a intolerância ATEIA desse jovem é impressionante.

    Realmente um belo exemplo de imposição do direito. Usar o direito à favor da intolerância é muito cômodo!

    como dizem os advogados do Brasil:
    “o que é de direito nem sempre é justo”

  189. Leandra Responder

    Olá meu nome é Leandra eu sou da religião Wicca, tenho 13 anos e estudo no Centro Educacional Cozzolino em Fragoso , Magé , Rj , e minha professora de Matemática sempre reza na sala , com o pai nosso e tudo, eu estudo em colégio particular e não sei se existe alguma lei para o meu caso .
    Aconteceu o seguinte, a professora estava rezando e eu levei um papel com uma oração da minha religião e comecei a ler na minha mente, ela viu, parou a oração pegou meu papel . Eu disse ” Professora é uma oração ” ela pegou e disse que depois me devolveria. Quando ela terminou eu pedi de volta, ela pegou o papel, e gritou “Oração da Bruxa? o que é isso , coisa de demônio , você trosse isso para sala por que ? tem que acreditar em Deus ” Os outros alunos começaram a rir e dizer Deus me livre , Repriende , eu fiquei super triste e queria chorar na hora , mas eu simplesmente disse “ue professora você acredita no que quiser, cada um com sua religião , isso é preconceito , ela continuou ” Oração da Bruxa ? você tem que fazer o que eu fizer , não trazer coisa de demônio ” . Eu achei super errado e se fosse de demônio ? qual o problema ?Eles ensinam tanto pra não ter bullying e eles mesmos praticam . Depois que ela leu ela disse ” ue oração da bruxa tem nada a ver com isso, isso aqui é uma coisa normal, nada a ver com demônio ” ela me devolveu e não falou mais nada comigo durante a aula . Eu não sei o que devo fazer em relação ao que aconteceu, será que alguém pode me ajudar ?

  190. lila Responder

    E livrai-nos do ciel amém!

  191. Armando Solid Responder

    Eu sou ateu e quando estava na 4° serie tinha uma reza antes de começar a aula, mas eu nunca me importei só ficava quieto, no meu canto.

  192. Thiago Responder

    “jovem que não tem Deus no coração nunca vai ser nada na vida” Que o diga Mark Zuckerberg…
    E tá na hora de acabar essa conversa que religião não se discuti.
    A falta de argumentos dos religiosos para debater qualquer assunto que não tenha deus do caminho é triste.
    Pobres do saber.

  193. Douglas claudino de souza Responder

    Onde chegamos??
    Na verdade temos no mundo de hj, crianças que estão sem amor… No final ,quando adultos; terão amor para dar? claro que não. então devemos mostrar amor para nossas crianças, e não forçar ou proibir de algo. somente amalas e mostrar como se ama…. criança ve criança faz.