Aloysio Nunes é novamente ligado a esquema de corrupção em SP

Em cópia de e-mail, Jorge Fagali Neto, apontado como intermediador de propinas por parte da Alstom, dá dicas ao então coordenador de campanha de José Serra sobre como o governo paulista poderia obter verbas para trens

10700 4

Em cópia de e-mail, Jorge Fagali Neto, apontado como intermediador de propinas por parte da Alstom, dá dicas ao então coordenador de campanha de José Serra sobre como o governo paulista poderia obter verbas para trens

Da Redação

O ex-diretor da Siemens Everton Rheinheimer já havia citado o senador Aloysio Nunes em relatório onde mostra “a existência de um forte esquema de corrupção no Estado de São Paulo" (Foto: Pedro França/Agência Senado)
O ex-diretor da Siemens Everton Rheinheimer já havia citado o senador Aloysio Nunes em relatório onde mostra “a existência de um forte esquema de corrupção no Estado de São Paulo” (Foto: Pedro França/Agência Senado)

O senador Aloysio Nunes (PSDB-SP) voltou a ter seu nome ligado ao escândalo de corrupção tucano em São Paulo, chamado de “propinoduto tucano”. Nunes teria recebido dicas de como o governo estadual deveria agir no setor de transportes, quando era coordenador da campanha de José Serra (PSDB) ao governo do estado, em 2006.

Cópia de e-mail em posse da Polícia Federal mostra que Jorge Fagali Neto, apontado como lobista da multinacional francesa Alstom e intermediador de propinas do cartel de trens, sugeriu ao senador o aditamento de US$ 95 milhões a um contrato assinado com o Banco Mundial.

Segundo informações do jornal O Estado de S. Paulo, em abril de 2008, no segundo ano da gestão Serra, o governo assinaria com o Banco Mundial, conforme sugerido pelo consultor, um aditamento de R$ 95 milhões ao contrato de R$ 209 milhões de 2002.

Fagali é um dos 11 indiciados pela Polícia Federal por suspeita de ilegalidades envolvendo contratos da Alstom com o governo estadual. Os investigadores afirmam que ele cometeu os crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Fagali nega.

Antes de se tornar consultor da Alstom, Jorge Fagali Neto foi secretário dos Transportes em 1994 (no governo Luiz Antônio Fleury Filho), tendo sucedido Aloysio, que deixou o cargo em 1993. Hoje, Fagali tem US$ 6,5 milhões bloqueados na Suíça por suspeita de lavagem de dinheiro.

O e-mail de Fagali ao tucano chegou às mãos da Polícia Federal por meio de uma ex-funcionária do consultor chamada Edna da Silva Flores. Ela foi secretária pessoal de Fagali entre 2006 e 2009.

Segundo Edna, “Fagali trocava e-mails com Aloysio Nunes acerca de licitações de metrô em SP”. Ela ainda falou sobre a amizade de Fagali com outros políticos, como Serra, de quem era “muito amigo”. “Jorge Fagali Neto (…) viajou com Serra para o Japão com a finalidade de tratar de assuntos financeiros do metrô de São Paulo”, disse no depoimento anexado aos autos da polícia.

Leia também:
Aloysio Nunes, ex-Paulo Preto, agora no propinoduto tucano
Envolvidos no propinoduto tucano já foram citados em outros casos de corrupção
Políticos do PSDB recebiam propina para caixa 2, diz ex-diretor da Siemens
Ex-diretor da Siemens acusa Serra na PF
Propinoduto: cartel repassou R$ 19 milhões a consultorias

 

Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.





No artigo

Comentários

4 comments

  1. carlos Responder

    Esse senador jã foi acusado de receber propina para comprar voyo desviada do rodoanel e que foi na época do paulo preto e agora novamente será que esse senador pinta eborda e ninguem é capz de denuncia-lo?

  2. ismar guijarro Responder

    este senhor é mais sujo que pau de galinheiro, ladrajo que ele só, está bravejando muito para passar a impressão de um político probo, mas nem de longe o é.

  3. Maurício R. Costa Responder

    Hoje entendo porque as pessoas foram consideradas presas políticas no passado, na verdade eram ladrões, roubaram inclusive o “Trem pagado” hoje governam nosso país, votamos neles e ainda gostariamos que fossem honestos, deveriam terem sido condenados e se possível executados, assim acho que teríamos um país mais limpo