A palavra salva de Eliane Brum

Em novo livro, “Meus desacontecimentos”, a jornalista e escritora revisita sua infância e sua relação com a escrita Por Gabriel Fabri e Gabriela Boccaccio...

809 0

Em novo livro, “Meus desacontecimentos”, a jornalista e escritora revisita sua infância e sua relação com a escrita

Por Gabriel Fabri e Gabriela Boccaccio

(Foto: Divulgação)
“Neste [livro] estou me sentindo nua, mais ainda do que me senti nos outros. Se tivesse colocado a tarja de ficção, talvez me sentisse um pouco vestida. Não muito, também”, conta Eliane Brum sobre “Meus desacontecimentos”, seu livro mais recente (Foto: Divulgação)
“Viver, Catarina, é rearranjar nossos cacos e dar sentido aos nossos pedaços, novos ou velhos.” Assim definiu Eliane Brum, após observar a reação de sua afilhada diante de uma garota de uns 10, 12 anos, com a perna engessada. A reação de Catarina ao ver a menina provocou uma contestação sobre a vida: as pessoas quebram. E levou ao nome de seu último livro, a coletânea “A Menina Quebrada”. Agora, a jornalista junta os cacos de sua infância para construir sua própria narrativa. O resultado é a obra lançada neste mês: “Meus desacontecimentos – a história da minha vida com as palavras” (Editora Leya).

A jornada pelas memórias de quando Eliane era criança foi motivada por uma crise com a palavra escrita, em 2011, ao fazer uma reportagem na Bolívia. “Perdi, por um momento, a minha crença no poder da narrativa como instrumento de transformação da vida e especialmente das realidades injustas”, revela a autora em entrevista à Fórum. Foi o seu maior confronto com a impotência: Sonia, uma menina de 11 anos que sofria da doença de Chagas, agarrou-a pelos braços e disse “não me deixe morrer”. “Percebi ali que contar a sua história para o mundo, como eu disse que faria, não seria suficiente para salvar sua vida”, explica. Depois desse episódio, Eliane não conseguia mais escrever – até entender que, se contar a história era insuficiente, era também o possível.  “E o possível é pouco e muito ao mesmo tempo”, conclui.

Foi aí que Eliane Brum passou a ficar obcecada por uma busca pelos sentidos da palavra escrita em sua vida. Ao ter descoberto que “a palavra salva e não salva, ao mesmo tempo”, ela precisava decifrar por quais caminhos a escrita a salvou.  “Quero entender como ela me deu um corpo que me permitiu viver para viver – e não para morrer”, afirma a autora, enigmática. Assim, em “Meus desacontecimentos”, a jornalista revista cenas e detalhes simples, mas marcantes, do seu passado, como a “casa-túmulo” em que morava, um jardim de flores caótico, a mulher acidentada embrulhada no plástico, o desconforto com a lembrança sempre presente da irmã morta, a luta contra a ditadura com uma caixinha de fósforos e, claro, os seus primeiros textos.

A palavra é o instrumento de Eliane para tecer significados para a própria existência, construir a sua narrativa. “Nossa vida é nossa primeira ficção”, afirma. Para criá-la, é preciso sempre interrogar os seus significados. “Parece-me que viver uma vida viva é ter a coragem de perder os sentidos duramente construídos e ter que mais uma vez pactuá-los, recriá-los, negá-los e reinventá-los.” Ela completa: “se fossem imutáveis, estáticos, nós seríamos mortos que respiram”. Logo, se a palavra escrita salvou Eliane Brum, foi para ela se perder de novo – ser “(des)salvada”. “Essa perda, ao mesmo tempo que me mata, me salva de uma vida morta”, conclui. No livro, a personagem Luzia sussurra o que parece ser a síntese desse raciocínio: “ser é perder-se”.

A relação da jornalista com a escrita é intrínseca, quase intravenosa. Para ela, cada frase, cada parágrafo, “são como carne”, viscerais. “Neste [livro] estou me sentindo nua, mais ainda do que me senti nos outros. Se tivesse colocado a tarja de ficção, talvez me sentisse um pouco vestida. Não muito, também”, confessa.  Não é somente a história de Eliane que está exposta, é também seu corpo, seus sentimentos, seus significados. E, com a publicação de “Meus desacontecimentos”, ela tem um novo dilema para resolver: “Agora que me desvesti, que talvez tenha inclusive me arrancado a pele, como eu me apresento diante dos outros?”

(Foto: Sarau Suburbano Convicto)
Em “Meus desacontecimentos”, Eliane revisita sua própria história em busca dos sentidos que a palavra escrita assumiu, em várias etapas de sua vida (Foto: Sarau Suburbano Convicto)

Eliane rejeita o rótulo de “autobiografia” para seu novo trabalho. “Penso que cada leitor vai dar a ele seus próprios sentidos, a partir de suas circunstâncias. E, assim, tornar o meu livro o seu livro”, explica. O compromisso da autora é dar ao leitor as suas verdades, das quais ele vai se apropriar. “Eu cumpro o meu pacto de estar nele por inteiro. O que o leitor vai fazer com isso escapa ao meu controle, ainda bem. Não há duas leituras iguais”, completa.

A obra também é um convite para olhar para trás de maneira mais verdadeira – sem o clichê do passado “cor de rosa”. “Acho que essa idealização da infância é uma grande perda para todos”, provoca. “Olho para ela como o momento da vida em que, ao nos confrontarmos com o real, costuramos nosso ‘monstruário’ pessoal, começando a identificar os monstros que assombram apenas a nós”. Ao fazer esse movimento para dentro, Eliane se desnuda. Ao mesmo tempo, incita o leitor a refletir sobre suas próprias memórias e, dessa maneira, a reconstruir seus próprios sentidos sobre o presente. “Cada um sabe, em seu mais íntimo, que [a infância] não foi bem assim [como a idealizamos]”.

Em “Meus desacontecimentos”, Eliane Brum revela qual é a sua força: “(…) é, agora eu sei, saber-me quebrada”. É também no “desfecho” dessa jornada de arrumar os seus pedaços, que Eliane revela sua palavra predileta. Libertadas as letras, é assim que elas emergiram de seus abismos: como “voragem”.

Foto de capa: Divulgação


Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum e recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa e ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa, ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses e 1 camiseta personalizada após 1 ano.





Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.





No artigo

Comentários