Filósofo russo já morto é citado como suspeito em inquérito no Rio de Janeiro

Segundo reportagem da Folha de S. Paulo, Mikhail Bakunin, considerado um dos fundadores do anarquismo, foi classificado como um “potencial suspeito” pela polícia carioca, que investiga manifestantes e ativistas Por Redação...

4105 32

Segundo reportagem da Folha de S. Paulo, Mikhail Bakunin, considerado um dos fundadores do anarquismo, foi classificado como um “potencial suspeito” pela polícia carioca, que investiga manifestantes e ativistas

Por Redação

Mikhail_Bakunin

Reportagem publicada nesta segunda-feira (28) no jornal Folha de S. Paulo traz uma revelação no mínimo curiosa: o inquérito de mais de 2 mil páginas, produzido pela Polícia Civil do Rio de Janeiro, que responsabiliza 23 pessoas pela organização de ações violentas em manifestações de rua, aponta o filósofo Mikhail Bakunin como um dos suspeitos. Morto em 1876, o russo é considerado um dos pais do anarquismo.

De acordo com a matéria, Bakunin foi citado por um manifestante em uma mensagem interceptada pela polícia. A partir daí, passou a ser classificado como um “potencial suspeito”. A professora Camila Jourdan, de 34 anos, uma das investigadas, menciona esse episódio para demonstrar a fragilidade do inquérito. “Do pouco que li, posso dizer que esse processo é uma obra de literatura fantástica de má qualidade”, descreve.

Essa não é a primeira vez que intelectuais já falecidos figuram em autos das autoridades brasileiras. Durante a ditadura militar, Karl Marx era um dos fichados no Departamento de Ordem Política e Social (Dops), um dos principais órgãos de repressão aos movimentos políticos e sociais identificados como “subversivos”.

Jourdan ficou 13 dias presa no complexo penitenciário de Bangu, na zona oeste do Rio. Conhecida pela excelência acadêmica na Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), onde coordena o programa de pós-graduação em filosofia, ela diz sido alvo de uma invenção dos investigadores. “Existe uma necessidade de se fabricar líderes para essas manifestações. E quem se encaixa muito bem no papel de mentora intelectual? A professora universitária. Caiu como uma luva, entendeu?”, afirma.

Para contestar o “papel de liderança” que lhe foi atribuído pela polícia, a professora se vale das teorias do filósofo francês Michael Foucault. “Foucault diz que os intelectuais descobriram que as massas não precisam deles como interlocutores. Não tenho autoridade para falar sobre a opressão de ninguém. O movimento não precisa de mim para este papel”, declara.

Foto de capa: Wikicommons

No artigo

Comentários

32 comments

  1. Alexandre Responder

    Matéria ridícula e mentirosa. Basta ler a reportagem original para verificar que a professora citou Bakunin, que à sua época figurou nos autos de um inquérito da polícia russa. Ou o estagiário não leu a matéria da FSP, ou o editor deste portal é mesmo desonesto. Ou ambos.

    1. victorsenam Responder

      Não, cara. A reportagem realmente diz que Bakunin foi inserido nos inquéritos da Polícia agora. Não na época dele…. Eu acho que nem existia isso em 1800 e bolinha na Rússia que era um Império autocrático…

    2. João Augusto Responder

      Leia novamente.

    3. Lannart Responder

      Ou é burrice, ou é desonestidade. O texto foi claro.

      “a partir daí, o filósofo russo, morto em 1876, passou a figurar nos autos como potencial suspeito”.

    4. Carlos Responder

      Concordo com você Alexandre, em gênero, número e grau.

  2. Bakunin Fugitivo Responder

    Nada a ver foi a professora dedurar o Foucault. Agora além do Bakunin a polícia vai perseguir outro defunto.

  3. Ozias Responder

    Matéria é mentirosa e tenta desqualificar a polícia, sou policial e já li Bakunin, obras de Marx e toda bobagem dessa crença genocida de esquerda que historicamente apenas criou genocídio e genocidas, subestimam a inteligencia de delegados, juízes e promotores todos foram doutrinados por essa crença em alguma universidade brasileira a diferença que o ceticismo histórico é muito mais benéfico que qualquer utopia baseada em violência. Pelos comentários da pra ver o nível de inteligencia do pessoal daqui não é atora que nossas universidades são verdadeiras piada em nível internacional.

    http://www.youtube.com/watch?v=8q1t8jeG8hc&list=UUgSlWFwG9zKpWpdiCLwHzDA

    Isso é universidade, esquerdismo é doença.

    1. Ozias Responder

      Isso são professores admiráveis, digo do vídeo.

      1. Bakunin Responder

        Vai ouvir teu pagodinho policialzinho…

      2. Eduardo Papa Responder

        Ozias o que desqualifica a polícia no caso é a fragilidade do inquérito que não apresenta evidências capazes de sustentar o pedido de prisão. A nossa polícia é medíocre e incompetente, como são a maioria de nossos professores, universidades, etc. Fruto de uma posição subalterna que nós como nação aceitamos no cenário mundial, posição conveniente para as forças que comandam nosso país e dela beneficiam-se, utilizando-se de diversos elementos para perpetuá-la inclusive de inquéritos policiais bisonhos como esse

    2. Alex Barbosa Responder

      Ozias,seu argumento é embasado em quem? Olavo de Carvalho? Pois só li bobagens…

    3. Jere Responder

      Essa puliça é mesmo uma piada kkkk
      Arrume um emprego descente!

    4. Nícoals Responder

      Parei de ler quando vc falou “poliça”. Discursinho raso de quem nunca leu esses autores, e se leu não deve ter entendido nada. Antes de ficar brincando de espião vá estudar e ser mais humano, além de desconstruir esse teu espírito de porco que no Brasil as universidades são uma piada. Piada é essa “Poliça” cada vez mais desumana e patética que finge se preocupar com as pessoas quando na realidade defende interesses da elite.

      1. Osias Responder

        Debato qualquer tema com todos aqui unidos, basta perguntarem, mas sem gritaria pois só sabem fazer isso, universidades brasileiras são um antro de esquerdismo e bobagens sem fim, não admiro nenhuma delas e o mundo também, obviamente que a maioria dos alunos não vivem dessas bobagens mas em relação aos que vivem são peso morto na terra em relação descobertas e o verdadeiro sentido de uma universidade. Não servem para nada, diferente da polícia que 1 dia sem ela todos vcs se escondem em baixo de suas camas.

    5. Leonardo Velardi Responder

      Você é realmente ignorante a ponto de classificar o maior analista do capitalismo da história como “bobagem genocida”? Vá estudar de verdade e diminuir seu ego, pseudointelectual metido a crítico de jornal.

    6. EuMesmo Responder

      Piada é essa polícia que tenta a todo custo, e até forjando flagrante, em colocar inocentes na cadeia. Acham que o mundo num está vendo e acompanhando as coisas feias. Acham que não sabemos que a mídia está sendo comprada e censurada. Otários

    7. Breno Responder

      Que bacana, mais um que foi espancado e humilhado no treinamento pra aprender a espancar e humilhar cidadãos.
      Esse país vai virar o Irã graças a disseminadores de medo e ignorância como você.
      Espero que você durma bem, trabalhando com assassinos, corruptos, sequestradores e opressores.

    8. Tropical Responder

      Leu Bakunin e Marx, um policial? Ah tá boa santa…engana outra pessoa.

  4. José Responder

    Em qq. governo, de esquerda, de direita, a polícia é composta majoritariamente de indivíduos recalcados, defendendo um sistema que lhes fechou a porta para outra função, em nome de uma sociedade que normalmente os vê com desprezo (com o agravante, no Brasil, do componente “capitão-do-mato”). Patetices como essa relatada na matéria são frequentes quando o moralismo interfere e exige castigo contra contestadores (pra não falar da simples barbárie que motivou o pronunciamento da Human Rights Now contra o Brasil em razão dos inúmeros casos de tortura praticados pelas polícias do país).

  5. Carlos Alberto Responder

    Que mentalidade da polícia fascista e truculenta. Bando de imbecis pago por nós para reprimir. Os verdadeiros marginais são os banqueiros, latifundiários, empresários do alto escalão e políticos conservadores. Eles sim que os verdadeiros vândalos. Deve quebrar sim tudo aquilo que representa o opressor e este sistema podre e ganancioso.
    Viva a verdadeira esquerda e os marxistas

  6. Lucas Martins Izoton Responder

    Hahahahahahahaha! O tempo passa, mas a sanha repressiva e a burrice não mudam. Quem não se lembra do caso do Sófocles? XD

  7. Antonio Alberto Trevillato Responder

    Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa! Quem quer confindir quem?
    Quem quer confundir o que com que?
    Quem quer exclarecer?
    Odeio violência, odeio vandalismo!
    Quem ñ odeia? Você?
    Você gosta de vandalismo, gosta de violência? Então está sendo opressor! Está sendo facista!
    Você gosta de confundir p tirar vantagem? Voce está sendo opreasor! Está sendo facista!

  8. Michele Responder

    Só vou acreditar se me mostrarem a peça do inquérito a qual mencionam essa situação sobre o Bakunin. Ela fala o que quer e também publicam o que bem entender.

  9. Vânia Rebouças Responder

    Só chamando Ruy Barbosa para resolver essa questão.

  10. Bacunim Responder

    Ozias policial genocida!

  11. Ronaldo Responder

    Cadê o Amarildo?

  12. Osias Responder

    Amarildo, bandidos mataram mais de 500 pessoas em 6 meses na região estão preocupados com Amarildo, vcs são todos doutrinados mente fraca, em questão de tempo a maioria dos policiais terão curso superior, a doutrinação das classes de aula não sobrevive a realidade.

    1. Pericles Responder

      “Meu nome é Osias-Debato-Qualquer-Tema-Com-Todos-Unidos. Sou policial. Eu tenho uma arma. Eu sei dar soco. Meu nome é Osias-Debato-Qualquer-Tema-Com-Todos-Unido. A polícia é legal. Universitário é ruim e esquerdista! Meu nome é Osias-Debato-Qualquer-Tema-Com-Todos-Unido. Eu sei lê! Eu sei lê! E meu nome é Osias-Debato-Qualquer-Tema-Com-Todos-Unido”
      Sinceramente? Medo de um ser humano retardado e débil mental desse solto na rua com uma farda e um revólver!

      1. Osias Responder

        Vamos lá Pericles vc consegue ser melhor que isso, parece minha antiga classe de Filosofia. Antro de comunas elogiando Cuba e bebendo coca-cola.

        1. tropical Responder

          Ótimo professor deve ser você, seja lá por que motivo ideológico, desqualificando seus alunos assim em público. Já ouviu falar em Pedagogia?

  13. BlitzAnarkus Responder

    Com certeza Bakunin esteve presente! O que é essencial fica para sempre,presente e fenomênico.

  14. tropical Responder

    PⒶz. Bem vindos ao século XXI!