Marcelo Freixo: “Vou votar na Dilma no segundo turno”

Deputado estadual do PSOL, mais votado no RJ, disse não admitir “retrocesso de um governo tucano”

678 4

Deputado estadual do PSOL, mais votado no RJ, disse não admitir “retrocesso de um governo tucano”

Por Redação

Freixo: apesar das críticas, Dilma Rousseff terá seu voto contra Aécio
Freixo: apesar das críticas, Dilma Rousseff terá seu voto contra Aécio
Freixo: apesar das críticas, Dilma Rousseff terá seu voto contra Aécio

Em entrevista à rádio CBN, na manhã desta segunda (6), o deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), declarou voto na presidente e candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) no segundo turno. “Tenho muitas críticas ao governo do PT, da Dilma, no que diz respeito à Reforma Agrária, aos direitos das minorias, à política econômica, que são públicas. Mas não admito a possibilidade de um retrocesso que eu entendo que possa haver com um governo tucano. Independente do que o partido vier a decidir, eu vou votar na Dilma no segundo turno”, afirmou.

Sobre o governo do Estado do Rio de Janeiro, Freixo explicou que vai conversar com o partido, mas disse que não há a menor possibilidade de apoio ao Pezão, “por tudo que representou o governo Cabral”. Em relação ao Crivella, adiantou que apesar das diferenças, a decisão depende do partido. “É difícil que [Crivella] tenha um apoio do PSOL, mas vou respeitar a posição partidária.”

O deputado mais bem votado no Rio, que recebeu 350 mil votos, ressaltou que sua campanha foi feita apenas com doação de pessoas físicas: “Não tivemos doação de empresas, arrecadamos R$195 mil, R$ 0,55 por voto. Foi uma resposta muito boa da sociedade”.

Sobre a reeleição do deputado federal Jair Bolsonaro (PP), polêmico por posições contrárias as LGBT, Freixo comentou que “mesmo não concordando com absolutamente nada do que ele fala é muito importante que ele tenha o direito de dizer, evidentemente sem cometer crime, sem ser racista, homofóbico”. “A democracia é uma grande festa de ideias… Por mais que tenha muitas diferenças com o Bolsonaro, o resultado é importante para a democracia”, completou. Bolsonaro recebeu 464 mil votos e foi o mais votado no estado para a Câmara Federal.

Ouça abaixo

No artigo

Comentários

4 comments

  1. Daniel Castro Responder

    Assim como milhares de pessoas, votei no Marcelo Freixo e no Tarcisio Motta nestas eleições. E boa parte (talvez a maioria) dos que votam em Freixo não o fazem por ‘fanatismo partidário/ideológico’, mas por tê-lo em conta como um deputado íntegro e coerente. Apoiar a Dilma(explicitamente), a meu ver é uma incoerência com aquilo que foi pregado na campanha, onde o PSOL colocou-se como contrário aos ‘4 Cabrais’. Apoiar a Dilma é apoiar os ‘4 Cabrais’, haja vista que os 4 são ligados ao governo Dilma (que liderou a repressão às manifestações pré-copa e está dissolvendo a Petrobrás, entre tantos outros malfeitos).

  2. Daniel Castro Responder

    Assim como milhares de pessoas, votei no Marcelo Freixo e no Tarcisio Motta nestas eleições. E boa parte (talvez a maioria) dos que votam em Freixo não o fazem por ‘fanatismo partidário/ideológico’, mas por tê-lo em conta como um deputado íntegro e coerente. Apoiar a Dilma(explicitamente), a meu ver é uma incoerência com aquilo que foi pregado na campanha, onde o PSOL colocou-se como contrário aos ‘4 Cabrais’. Apoiar a Dilma é apoiar os ‘4 Cabrais’, haja vista que os 4 são ligados ao governo Dilma (que liderou a repressão às manifestações pré-copa e está dissolvendo a Petrobrás, entre tantos outros malfeitos).

  3. Vdp Responder

    Concordo integralmente com o comentário do colega, achei decepcionante a declaração explícita de M. Freixo de votar na Dilma, em quem eu votei pela primeira vez além do Tarcísio. Achar que o país vai retroceder com o Aecio/PSDB quando foi criado o plano real, a principal política econômica e de inclusão social até hoje, não foi o bolsa-família, e manter o PT e a Dilma com cada vez mais casos de corrupção escandalosos e economia cada vez pior é no mínimo incoerente. Melhor se tivesse ficado neutro. Começo a duvidar se seus ideais são verdadeiros.