Tereza Campello é reconduzida ao MDS e ressalta conquistas do Bolsa Família

"Hoje, temos uma geração de crianças que não vivenciaram a tragédia da fome”, afirmou a ministra durante cerimônia de recondução ao cargo.

278 0

Esta matéria será liberada aos não assinantes [fergcorp_cdt_single date=”14 January 2015, 15:30:00″]. Quer ler antes? Assine a Fórum.


“Hoje, temos uma geração de crianças que não vivenciaram a tragédia da fome”, afirmou a ministra durante cerimônia de recondução ao cargo Por Redação Nesta quarta-feira (7), a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), Tereza Campello, foi reconduzida ao cargo. Ela afirmou, ao fim da cerimônia, que o programa Bolsa Família não sofrerá cortes, apesar de haver um esforço dos ministérios para a redução de gastos. “Existe um esforço conjunto de reduzir custos da máquina administrativa. Sempre é possível melhorar o gasto público. Faremos parte do esforço, sem reduzir direitos. Esta é a orientação da presidenta”, ressaltou. Segundo a ministra, que está à frente da pasta desde 2011, estão previstos cerca de R$ 70 bilhões para investimentos na área social. Entre os desafios para a próxima gestão, ela destacou a necessidade de creches para todas as crianças, levar escolas às periferias, combater o preconceito contra os pobres e avançar no acesso à água para população da região Norte. Campello enfatizou a importância de o Brasil ter saído do Mapa da Fome, segundo relatório da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO). “Hoje, temos uma geração de crianças que não vivenciaram a tragédia da fome. O Brasil hoje é referência mundial em superação de pobreza”, disse. Segundo ela, 36 milhões de pessoas saíram da extrema pobreza no país e, com foco na reinserção profissional, 1,5 milhão de cidadãos de baixa renda foram encaminhadas ao Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). Foto de capa: Elza Fiúza/ABr









Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.





No artigo

Comentários