Bienal da UNE: “Brasil não cabe mais em uma democracia limitada”, afirma Rossetto

No encontro promovido pela União Nacional dos Estudantes (UNE), ministro falou sobre participação social, fim do financiamento privado de campanhas e a importância da reforma política para o país.

331 0

No encontro promovido pela União Nacional dos Estudantes (UNE), ministro falou sobre participação social, fim do financiamento privado de campanhas e a importância da reforma política para o país

Por Redação

O ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, Miguel Rossetto, participou nesta segunda-feira (2) da 9ª Bienal da União Nacional dos Estudantes (UNE), que vai até a próxima sexta-feira, no Rio de Janeiro. Na ocasião, que contou com a presença de autoridades e líderes de movimentos sociais, Rossetto falou sobre “Reforma política e participação popular: como avançar a democracia brasileira” durante o Seminário de Reforma Política: mudar a política para mudar o Brasil.

Segundo ele, é fundamental que o governo se comprometa em estabelecer um diálogo mais próximo da população, pois a sociedade brasileira “não cabe mais em uma democracia limitada”. Em sua fala, o ministro destacou que o país precisa de uma grande reforma que o transforme em uma instituição mais aberta e transparente.

Miguel Rosseto disse ainda que é necessário mudar a estrutura herdada de um Estado autoritário e machista e de uma república construída com o massacre dos pobres, negros e camponeses, citando como exemplo as revoluções reprimidas de Canudos, da Chibata e do Contestado.

Além disso, colocou o fim do financiamento empresarial nas eleições como uma das prioridades do momento. “O financiamento das campanhas deve ter o povo como agente político central. Precisamos caminhar para uma forma de eleger representantes que possibilitem um maior controle por parte da sociedade brasileira, que aumentem a responsabilidade dos partidos políticos com programas e compromissos definidos em campanha”, afirmou.

De acordo com Rossetto, a reforma política está sendo trabalhada pelo governo da presidenta Dilma Rousseff já para as eleições municipais de 2016 e há um esforço para que as medidas necessárias sejam aprovadas até outubro de 2015. Entre manifestações de apoio e também contrárias ao governo, o ministro ouviu as reivindicações dos grupos estudantis e afirmou que as intervenções fazem parte da democracia e que a “energia da juventude” incentiva a luta pela qualificação da política brasileira.

A presidenta da UNE, Virgínia Barros, destacou o interesse do governo federal em estimular a participação social, pois, segundo ela, não se constrói governança sem diálogo. “É através do diálogo que nós vamos conseguir enriquecer as propostas para um debate tão importante para o aprofundamento da democracia no Brasil como é a reforma política. É assim que nós buscamos interferir nesse debate para que a gente consiga aperfeiçoar a representação política do país”, analisou.

Foto de capa: Yuri Salvador/UNE


Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum e recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa e ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa, ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses e 1 camiseta personalizada após 1 ano.





Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.





No artigo

Comentários