Após repercussão nas redes, Reuters responde sobre gafe em entrevista com FHC

Depois de publicar acidentalmente uma sugestão interna no meio da matéria e a frase ter virado hashtag no Twitter, a agência de notícias informou que lamenta "qualquer confusão causada pelo engano". Ao lado de um parágrafo que citava esquema de pagamento de propinas da...

723 0

Depois de publicar acidentalmente uma sugestão interna no meio da matéria e a frase ter virado hashtag no Twitter, a agência de notícias informou que lamenta “qualquer confusão causada pelo engano”. Ao lado de um parágrafo que citava esquema de pagamento de propinas da Petrobras ao longo do “governo tucano”, havia, entre parênteses, um recado: “Podemos tirar, se achar melhor”

Por Ivan Longo

reuters gafe

Depois da repercussão causada pela frase contida em uma entrevista com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, a agência de notícias Reuters resolver se posicionar. Na matéria, publicada esta semana, uma sugestão interna para se retirar um trecho que citava esquema de pagamento de propina na Petrobras “durante o governo tucano” despertou a atenção dos leitores.

reuters 2

O caso chamou tanta atenção que a a sugestão “podemos tirar, se achar melhor” virou hashtag e foi parar nos trending topics do Twitter nesta terça-feira (24) como forma de ironizar a blindagem que a mídia tradicional costuma exercer em prol do PSDB quando lida com episódios de corrupção.

Entenda o caso: “Erro da Reuters gera mobilização de internautas contra a blindagem da mídia tradicional”.

Procurada pela reportagem da Fórum, a Reuters informou que a sugestão foi publicada “acidentalmente” e que lamenta “qualquer confusão causada pelo engano”.

Na nota, no entanto, a agência de notícias não se posiciona e nem emite opinião em relação ao entendimento dos internautas em relação à frase que, para eles, revela uma tentativa clara de preservar o PSDB e o entrevistado.

Confira a íntegra da nota:

Em 23 de março, a Reuters publicou inadvertidamente uma reportagem em Português que continha uma pergunta de um dos editores do Serviço Brasileiro de notícias ao jornalista que escreveu a versão original da matéria em Inglês. A pergunta, que deveria ter sido removida do texto, foi publicada acidentalmente. A Reuters em seguida publicou uma segunda versão do texto sem a pergunta. O conteúdo de ambos os textos em Português é exatamente o mesmo, e lamentamos qualquer confusão causada pelo engano.”

 

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



No artigo

Comentários