Parlamento grego aprova convocação de referendo

A proposta prevê que, no próximo dia 5 de julho, o povo grego se pronuncie sobre as medidas que os credores pretendem impor à Grécia. Tsipras defendeu que o referendo “enviará uma mensagem de dignidade à Europa”. “O nosso único medo é o medo...

517 0

A proposta prevê que, no próximo dia 5 de julho, o povo grego se pronuncie sobre as medidas que os credores pretendem impor à Grécia. Tsipras defendeu que o referendo “enviará uma mensagem de dignidade à Europa”. “O nosso único medo é o medo em si”, disse o primeiro -ministro grego

Por Esquerda.net

A proposta do governo grego foi aprovada na madrugada deste domingo com 178 votos  a favor e 120 contra, tendo contado com o apoio das bancadas do Syriza, dos Gregos Independentes e do Aurora Dourada. Nova Democracia, Pasok, To Potami e Partido Comunista Grego (KKE) votaram contra.

O KKE exigiu que o referendo fosse sobre a manutenção do país na zona euro.

No seu discurso perante o parlamento, momentos antes do início da votação, Alexis Tsipras, afirmou que um “grande não no referendo será um grande sim em relação a não aceitarmos ultimatos”.

“Pediram-nos para aceitar um memorando de recessão e morte lenta. Recusámos. Não nos pediram para concordar, pediram-nos para ceder a nossa dignidade política. Pediram-nos para atacar os assalariados e os pensionistas”, frisou.

“Temos um mandato a cumprir. Não temos o direito de deixar que o nosso país seja uma colônia da dívida nas próximas décadas”, acrescentou o primeiro-ministro grego.

Referindo que a Europa não deve recear os referendos e que muitos países europeus já promoveram consultas, inclusive para implementar tratados como o de Maastricht, Alexis Tsipras vincou que a Grécia “não pedirá permissão a Schauble ou a Dijessbloem para fazer o referendo” e para “proteger a democracia na terra onde ela nasceu”.

“O nosso único medo é o medo em si”, avançou, defendendo que o referendo de dia 5 de julho “enviará uma mensagem de dignidade à Europa”.

Foto: https://www.flickr.com/photos/piazzadelpopolo/









Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.





No artigo

Comentários