Após manobra de Cunha, Câmara aprova redução da maioridade penal para crimes hediondos

Matéria ainda será analisada em segundo turno antes de seguir para o Senado; deputados do PT, PDT, Psol, PSB e PCdoB denunciam "pedalada regimental" de Eduardo Cunha

954 0

Matéria ainda será analisada em segundo turno antes de seguir para o Senado; deputados do PT, PDT, Psol, PSB e PCdoB denunciam “pedalada regimental” de Eduardo Cunha

Por Redação*

apos-manobra-de-cunha-camara-aprova-reducao-da-maioridade-penal-para-crimes-hediondos

Apenas 24 horas após o plenário da Câmara ter rejeitado o substitutivo à proposta de emenda à Constituição (PEC) 171/93, que reduziria a maioridade penal em crimes hediondos e graves, o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), conseguiu aprovar, na madrugada desta quinta-feira (2), uma nova emenda, fruto de manobra regimental levada a cabo por ele e seus aliados.

O texto aprovado é uma emenda dos deputados Rogério Rosso (PSD-DF) e Andre Moura (PSC-SE) à PEC 171/93. Foram 323 votos a favor e 155 contra, em votação em primeiro turno. Os deputados precisam ainda analisar a matéria em segundo turno. Segundo a matéria, a maioridade penal fica reduzida de 18 a 16 anos em casos de crimes hediondos (estupro, sequestro, latrocínio, homicídio qualificado e outros), homicídio doloso e lesão corporal seguida de morte – ficaram de fora roubo qualificado, tortura, tráfico de drogas e lesão corporal grave, crimes presentes no substitutivo rejeitado na terça-feira.

Mantém-se a regra de cumprimento da pena em estabelecimento separado dos destinados aos maiores de 18 anos e dos menores inimputáveis. A União, os estados e o Distrito Federal serão responsáveis pela criação desses estabelecimentos diferenciados.

Polêmica

A decisão de votar novamente a redução da maioridade penal gerou polêmica e embates. PT, PDT, Psol, PSB e PCdoB tentaram obstruir a pauta para impedir o que chamaram de “pedalada regimental” de Cunha, muito criticado durante as discussões. Os parlamentares estão dispostos a ir à Justiça contra a emenda.

“Temos uma decisão proferida pela Casa que, se não agrada, vossa excelência coloca em votação até a vontade de vossa excelência prevalecer”, afirmou o deputado Glauber Braga (PSB-RJ) ao presidente da Câmara. “Qualquer um que vença vossa excelência [o presidente da Câmara] vence por, no máximo, uma noite. Porque se encerra a sessão e vossa excelência passa a madrugada articulando a derrota da proposta vencedora”, disse Alessandro Molon (PT-RJ).

Cunha e seus aliados negaram a tentativa de golpe. “Não houve nenhuma novidade. Todos sabiam que, se o substitutivo da comissão especial não fosse aprovado, as demais emendas seriam. O processo legislativo continua”, declarou Domingos Sávio (PSDB-MG). 

De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, integrantes da “bancada da bala” festejaram a aprovação com selfies e gravação de vídeos para postar em redes sociais. “O ser humano só respeita o que ele teme”, considerou Jair Bolsonaro (PP-RJ).

*Com informações da Agência Câmara

(Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados)

Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora e receba em seu endereço!



No artigo

Comentários