Alemães se mobilizam para apoiar refugiados

Movimento ocorre por todo o país e contrasta com os ataques dos grupos neonazis a vários centros de acolhimento. Alemães recebem refugiados com flores, cartazes de boas vindas e aplausos e asseguram o atendimento de suas necessidades básicas. Times de futebol também têm manifestado...

582 0

Movimento ocorre por todo o país e contrasta com os ataques dos grupos neonazis a vários centros de acolhimento. Alemães recebem refugiados com flores, cartazes de boas vindas e aplausos e asseguram o atendimento de suas necessidades básicas. Times de futebol também têm manifestado apoio durante os jogos

Do Esquerda.net

Diante da inação das autoridades alemãs, os cidadãos têm se auto-organizado por meio das redes sociais, como Facebook e Twitter, e criado documentos no Google em que vão fazendo o levantamento das necessidades das famílias de refugiados, que incluem bebês, crianças e doentes e se encontram nos centros de acolhimento provisórios espalhados pelo país.

Estas estruturas não têm, em muitos casos, as condições mínimas para os receber e a distribuição de bens essenciais como água, comida e roupa e é uma das principais preocupações daqueles que acabam por substituir o Estado alemão no que diz respeito ao apoio aos milhares de refugiados que continuam a chegar ao país.

De fato, os inúmeros voluntários ouvidos pelo eldiario.es defendem que o Estado “está intervindo de forma insuficiente”.

Além da distribuição de bem essenciais, projetos na internet para acolhimento de refugiados em casas particulares, como o “Refugiados bem vindos”,  têm atingido adesão massiva.

Também os médicos têm se mobilizado para assegurar a assistência aos refugiados.

Em declarações ao diário Hamburger Blatt, o presidente da Ordem dos Médicos da Alemanha, Ulrich Montgomery, advertiu que nas instalações de emergência reina o caos e que o serviço público de saúde não conta com os recursos necessários para momentos de crise como este.

Sublinhando que a carência de assistência aos refugiados não só representa riscos para a saúde dos mesmos como para a saúde pública, Montgomery destacou que “é inaceitável que num país rico como a Alemanha seja necessário esperar três meses por uma revisão médica para aclarar casos de tuberculoses, uma doença muito perigosa e de alto contágio”.

As mensagens de solidariedade reverberam por todo o país, inclusive nos estádios de futebol. No último final de semana, o Borussia Dortmund levou 220 refugiados ao estádio para que assistissem ao jogo contra o Odds Ballklubb.

Faixa levantada pela torcida do Borussia Dortmund diz: "Refugiados, sejam bem-vindos" (Reprodução/Twitter)
Faixa levantada pela torcida do Borussia Dortmund diz: “Refugiados, sejam bem-vindos” (Reprodução/Twitter)

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



No artigo

Comentários