Alemães se mobilizam para apoiar refugiados

Movimento ocorre por todo o país e contrasta com os ataques dos grupos neonazis a vários centros de acolhimento. Alemães recebem refugiados com flores, cartazes de boas vindas e aplausos e asseguram o atendimento de suas necessidades básicas. Times de futebol também têm manifestado...

374 0

Movimento ocorre por todo o país e contrasta com os ataques dos grupos neonazis a vários centros de acolhimento. Alemães recebem refugiados com flores, cartazes de boas vindas e aplausos e asseguram o atendimento de suas necessidades básicas. Times de futebol também têm manifestado apoio durante os jogos

Do Esquerda.net

Diante da inação das autoridades alemãs, os cidadãos têm se auto-organizado por meio das redes sociais, como Facebook e Twitter, e criado documentos no Google em que vão fazendo o levantamento das necessidades das famílias de refugiados, que incluem bebês, crianças e doentes e se encontram nos centros de acolhimento provisórios espalhados pelo país.

Estas estruturas não têm, em muitos casos, as condições mínimas para os receber e a distribuição de bens essenciais como água, comida e roupa e é uma das principais preocupações daqueles que acabam por substituir o Estado alemão no que diz respeito ao apoio aos milhares de refugiados que continuam a chegar ao país.

De fato, os inúmeros voluntários ouvidos pelo eldiario.es defendem que o Estado “está intervindo de forma insuficiente”.

Além da distribuição de bem essenciais, projetos na internet para acolhimento de refugiados em casas particulares, como o “Refugiados bem vindos”,  têm atingido adesão massiva.

Também os médicos têm se mobilizado para assegurar a assistência aos refugiados.

Em declarações ao diário Hamburger Blatt, o presidente da Ordem dos Médicos da Alemanha, Ulrich Montgomery, advertiu que nas instalações de emergência reina o caos e que o serviço público de saúde não conta com os recursos necessários para momentos de crise como este.

Sublinhando que a carência de assistência aos refugiados não só representa riscos para a saúde dos mesmos como para a saúde pública, Montgomery destacou que “é inaceitável que num país rico como a Alemanha seja necessário esperar três meses por uma revisão médica para aclarar casos de tuberculoses, uma doença muito perigosa e de alto contágio”.

As mensagens de solidariedade reverberam por todo o país, inclusive nos estádios de futebol. No último final de semana, o Borussia Dortmund levou 220 refugiados ao estádio para que assistissem ao jogo contra o Odds Ballklubb.

Faixa levantada pela torcida do Borussia Dortmund diz: "Refugiados, sejam bem-vindos" (Reprodução/Twitter)
Faixa levantada pela torcida do Borussia Dortmund diz: “Refugiados, sejam bem-vindos” (Reprodução/Twitter)

No artigo

Comentários