Com Simone de Beauvoir, Enem teve questão sobre feminismo

A inclusão do tema e da citação da filósofa francesa na prova chamou a atenção de internautas, estudantes e grupos feministas; citações de outros autores importantes, como Hobbes, Nietzsche, Weber e Paulo Freire também foram comentadas. Confira algumas dessas questões

4715 0

A inclusão do tema e da citação da filósofa francesa na prova chamou a atenção de internautas, estudantes e grupos feministas; citações de outros autores importantes, como Hobbes, Nietzsche, Weber e Paulo Freire também foram comentadas. Confira algumas dessas questões 

Por Redação 

Entre os assuntos mais comentados em relação à prova deste sábado (24) do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a questão sobre feminismo com uma citação de Simone de Beauvoir foi a que mais chamou atenção. Alunos, estudantes e militantes de grupos feministas reproduziram a pergunta com a citação “Não se nasce mulher, torna-se mulher” da filósofa francesa e comemoraram o fato de a questão de gênero ter sido trazida à luz em uma prova dessa dimensão.

“Feminismo resiste”, postou no Facebook a página “Empodere Duas Mulheres” com uma foto da questão. O post teve mais de 23 mil likes e mais de 8 mil compartilhamentos até agora.

“Essa é para você omi que passou o ano criticando o feminismo, chamando as feministas de “feminazis” e errou a questão do Enem”, ironizou a página “Feminismo Sem Demagogia”

Entre estudantes, professores e militantes, a citação de outros autores importantes, como Max Weber, Thomas Hobbes, Nietzsche e Paulo Freire também foi comemorada pelo fato de serem pensadores considerados “polêmicos”, que desafiam conceitos de senso comum e que, por vezes, “incomodam” os mais conservadores.

Confira algumas questões:

Questão 26

A natureza fez os homens tão iguais, quanto às faculdades do corpo e do espírito, que, embora por vezes se encontre um homem manifestamente mais forte de corpo, ou de espírito mais vivo do que outro, mesmo assim, quando se considera tudo isto em conjunto, a diferença entre um e outro homem não é suficientemente considerável para que um deles possa com base nela reclamar algum benefício a que outro não possa igualmente aspirar. HOBBES, T. Leviatã. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

Questão 34

A filosofia grega parece começar com uma ideia absurda, com a proposição: a água é a origem e a matriz de todas as coisas. Será mesmo necessário deter-nos nela e levá-la a sério? Sim, e por três razões: em primeiro lugar, porque essa proposição enuncia algo sobre a origem das coisas; em segundo lugar, porque o faz sem imagem e fabulação; e enfim, em terceiro lugar, porque nela, embora apenas em estado de crisálida, está contido o pensamento: Tudo é um. NIETZSCHE, F. Crítica moderna. In: Os pré-socráticos. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

Questão 40

A crescente intelectualização e racionalização não indicam um conhecimento maior e geral das condições sob as quais vivemos. Significa a crença em que se quiséssemos, poderíamos ter esse conhecimento a qualquer momento. Não há forças misteriosas incalculáveis; podemos dominar todas as coisas pelo cálculo. WEBER, M. A ciência como vocação. In: GERTH, H.; MILLS, W. (org). Max Weber: ensaios da sociologia. Rio de Janeiro, Zahar, 1979 (adaptado).

Questão 42

Ninguém nasce mulher: torna-se mulher. Nenhum destino biológico, psíquico, econômico define a forma que a fêmea humana assume no seio da sociedade; é o conjunto da civilização que elabora esse produto intermediário entre o macho e o castrado que qualificam o feminino. BEAUVOIR, S. O segundo sexo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

Leia também:

Bolsonaro, Feliciano e Constantino criticam questão sobre Beauvoir no Enem

O ENEM – Sobre a macheza, Simone de Beauvoir e questões negras

Transexuais reclamam de preconceito durante prova do Enem

Foto: Reprodução

 









Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.





No artigo

Comentários