Deputada se arrepende de apoiar projeto de Cunha que dificulta aborto após estupro

Renata Abreu (PTN-SP) afirma que foi influenciada por outros parlamentares, mas repensou o assunto após conversar com mulheres vítimas de violência sexual: “Percebi que a questão não é tão simples assim”. Na última semana, o projeto foi aprovado na Comissão de Constituição, Justiça e...

861 0

Renata Abreu (PTN-SP) afirma que foi influenciada por outros parlamentares, mas repensou o assunto após conversar com mulheres vítimas de violência sexual: “Percebi que a questão não é tão simples assim”. Na última semana, o projeto foi aprovado na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara dos Deputados por 37 votos a 14

Por Redação

deputada renata abreu

A deputada federal Renata Abreu (PTN-SP) considera mudar seu posicionamento após ter votado a favor do projeto de lei 5069, que dificulta o procedimento legal de aborto em casos de vítimas de estupro. Além da parlamentar, Gorete Pereira (PR-CE) foi a única mulher a apoiar a proposta.

“Sinceramente, tenho repensando os pontos relativos ao B.O. [Boletim de Ocorrência] e ao corpo de delito. Inicialmente, pensava que a obrigatoriedade para a realização deles seria positiva para evitar a banalização do aborto. Mas, depois da votação, passei a conversar com mulheres que foram vítimas de estupro e percebi que a questão não é tão simples assim”, disse Renata em entrevista ao IG.

“Eu nunca sofri estupro, nunca fui abusada sexualmente. É muito difícil este tema. Mas acho que, exatamente por isso, podemos questionar o projeto e mesmo voltar atrás para evitar a aprovação de algo prejudicial somente às mulheres”, afirmou a deputada, que contou ter tido pouco tempo para analisar o assunto e, por isso, acabou influenciada por parlamentares das bancadas religiosas.

Na última semana, o projeto foi aprovado na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara dos Deputados por 37 votos a 14. Ele prevê a obrigatoriedade de exame de corpo de delito e registro de Boletim de Ocorrência para comprovar a violência sexual em caso de gravidez indesejada. O texto ainda precisa passar pelo Plenário antes de ir ao Senado e seguir para sanção presidencial.

Foto de capa: Luis Macedo / Câmara dos Deputados

Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora e receba em seu endereço!



No artigo

Comentários