Lideranças políticas e juristas se posicionam contra impeachment de Dilma

Por meio das redes sociais e de depoimentos à imprensa, nomes como Dalmo Dallari, Celso Antônio Bandeira de Mello e Ciro Gomes condenaram a ação de Eduardo Cunha, classificada como "vingança". Confira os posicionamentos

1252 0

Por meio das redes sociais e de depoimentos à imprensa, nomes como Dalmo Dallari, Celso Antônio Bandeira de Mello, Joaquim Barbosa e Ciro Gomes condenaram a ação de Eduardo Cunha. Confira os posicionamentos

Por Redação

liderancas-juristas-contra-impeachment

Após Eduardo Cunha (PMDB-RJ) autorizar, na última quarta-feira (2), a abertura de um dos pedidos de impeachment contra a presidenta Dilma Rousseff (PT), lideranças políticas e juristas se manifestaram contrários à medida por meio de depoimentos à imprensa e pronunciamentos nas redes sociais.

O ex-ministro Ciro Gomes (PDT-CE) escreveu em sua página oficial no Facebook que “não aceitaremos que um chefe de quadrilha processado na justiça por corrupção leve o País à ruptura democrática! NÃO ACEITAREMOS O GOLPE!”. Luciana Genro, ex-candidata à presidência pelo Psol, também foi direta em seu recado: “Impeachment nascido da chantagem de Cunha não terá apoio do PSOL!”, afirmou em sua fanpage.

O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, declarou à GloboNews “não ver condições para o impeachment”. “Impeachment é um mecanismo regular do sistema presidencialista, mas é traumático. Pode trazer consequências que não temos condições de avaliar hoje”, analisou.

Deputados da bancada do Psol na Câmara seguiram a mesma linha. Jean Wyllys (RJ) disse que Cunha vem colocando o país em “situação de extrema gravidade institucional”. “O que Eduardo Cunha fez no dia de hoje chama-se chantagem. Diferentemente da Presidenta, ele está sim acusado de gravíssimos crimes. Não por mim, mas pela Procuradoria-Geral da República”, considerou. “Um bandido com contas na Suíça e um longo histórico de envolvimento em escândalos de corrupção, desde que chegou ao poder junto a PC Farias e Collor de Melo está, há meses, valendo-se da ameaça do impeachment da Presidenta para negociar e chantagear ao mesmo tempo petistas e tucanos, usando o impeachment como moeda de troca com uns e outros para se salvar da perda do próprio mandato no Conselho de Ética da Câmara, no ‘leilão’ mais vergonhoso da história da República.”

Chico Alencar (RJ) classificou a atitude de Cunha como “uma resposta, ao seu estilo de vingança e pequena política”, à decisão de deputados petistas em votar a favor da continuidade do processo que o investiga no Conselho de Ética da Câmara. “Cunha não tem credibilidade, mas ainda usa a prerrogativa de presidente da Câmara, monocrática, imperial, de acolher um pedido de impeachment”, finalizou, em seu Facebook.

O jurista Dalmo Dallari, um dos nomes mais respeitados do meio jurídico brasileiro, em entrevista à BBC, relatou que ficou “surpreso” ao receber a notícia. “De fato não há consistência jurídica. Eu examinei todas as hipóteses, todos os pareceres e argumentos do pedido de impeachment. Estou absolutamente convencido de que não existe nada de consistente neste pedido”, assegurou. “Ele [Cunha] está muito pressionado pelo risco de perda de seu próprio mandato, porque há muitos elementos contra ele. Com este artifício ele vai tentar coagir o PT e outros partidos que apoiam a presidente para que deem apoio a ele.”

Outro jurista de peso, Celso Antônio Bandeira de Mello, concorda com Dallari. “Eu não acredito [na cassação de Dilma]. Seria uma enorme falta de dignidade por parte dos congressistas”, argumentou ao Jornal do Brasil. “É uma palhaçada [a abertura do impeachment]. Pelo que tudo indica, e o que a gente vê na imprensa, a razão foi exclusivamente política, sem nenhum embasamento na lei”.

João Pedro Stédile, líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), prometeu ir às ruas contra a tentativa de deposição de Dilma.“O povo brasileiro elegeu a presidenta e mais 27 de governadores. E todos têm direito de concluírem seus mandatos constitucionais”, alegou.

(Foto: Lula Marques/Agência PT)

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



No artigo

Comentários