Cidinha da Silva: O ano em que nos proibiram o sonho e a alegria

2015 entrará para meu recordatório pessoal como o ano em que a mídia e a oposição politica direitista e corrupta proibiram as pessoas, via coação pessimista e projeção de números negativos, de expressarem alegria, realização e esperança

334 0

2015 entrará para meu recordatório pessoal como o ano em que a mídia e a oposição politica direitista e corrupta proibiram as pessoas, via coação pessimista e projeção de números negativos, de expressarem alegria, realização e esperança

Por Cidinha da Silva*

sunset-284524_960_720

O ano se despedia triste porque enxotado pela turma do quanto pior, melhor. Não era um adeus como o dos anos recentes em que as pessoas exoneravam o velho para dar lugar à esperança do novo. Não, dessa vez não.

As lojas estavam abarrotadas, tanto as ruas e feiras simples, nas quais impera o consumo popular, quanto as lojas de grife, passando pelos espaços de consumo dos remediados e medianos. Todo mundo comprando.

Os aeroportos lotados, cheios de populares, suburbanos, periféricos, negros, vejam vocês, negros, para desgosto dos que eram donos dos ares em outros tempos. Como resposta, discriminação racial a passageiros negros. Represália notória pela perda de exclusividade branca nesse meio de transporte.

Mas ninguém discrimina mais impunemente. Contra-ataque dos jovens artistas discriminados em voo da TAM, performance a escancarar a filiação aos que tiveram suas vidas roubadas pela polícia assassina, Cláudia Ferreira, DG, Amarildo, entre tantos.

Os aviões deveriam ser meio de transporte que encurta distâncias, oferecem conforto e celeridade a seus usuários, não é? Mas aqui, no Brasil Mestiço, ainda são objeto de ostentação.

As rodoviárias também lotadas. Os navios não sei, mas devem ter lotação esgotada para cruzeiros. O perfil de tripulantes deve ser igualmente novo. Os resorts e a rede hoteleira das cidades litorâneas tiveram lotação esgotada nos feriados ao longo do ano, não têm reservas disponíveis para o réveillon e meses de verão.

Os movimentos sociais ressurgiram com roupagem renovada e rejeição aos vícios antigos que tentaram manipulá-los. Jovens ocuparam escolas pelo direito de estudar e resistiram à truculência policial do estado de São Paulo. Meninas nos ensinaram o que é o comportamento de uma garota em estado de luta. Encheram nossos corações de júbilo e esperança. Jovens negras e negros travestidos de reivindicações estéticas ousaram gritar pela existência plena e bela. Contudo, ainda assim, ou talvez por isso mesmo, um mormaço abafado e peçonhento reprimiu nosso sorriso. Só falamos da crise política transformada pela mídia em crise econômica.

O velho movimento social também inovou, uniu gerações, fez Brasília e o Brasil abrirem olhos espantados para força motriz das mulheres negras, cujo número de assassinatos cresce assustadoramente a cada ano.

As chacinas contra os jovens negros continuaram a ocorrer de Norte a Sul do país. Muitas. Incontáveis. Apenas temos como resultado oficial 82 homens negros mortos a cada dia, alvo de violência, majoritariamente policial. A novidade é que os jovens sobreviventes, os que escaparam da morte, mas prosseguem na condição de alvo, estão se tornando sujeitos políticos que organizam a resistência. Em marcha pela vida, pela justiça.

As pessoas felizes (sim, elas existem), retraídas, camuflam-se pressionadas pelo medo-imperador, pela patrulha de direita que enquadra até Chico Buarque. Imagine se fazem isso com ele, branco, rico, bem-nascido, intelectualmente considerado, pleno de simpatia e cuidados por parte de quem o ama e tem representatividade política, pense  o que fazem conosco? Essa gente “diferenciada” que eles não querem como clientes dos mesmos aviões. E olha que reagimos, não somos postes, só amarrados ao poste por eles e sua moral seletiva.

Frente a esse estado de coisas tenho a declarar que afora as conquistas pessoais múltiplas e resplandecentes, a superação de questões difíceis, aquelas que janeiro após janeiro não desgrudam do nosso calcanhar; a abertura de novos horizontes, quantas vezes a gente estaciona e não enxerga um palmo a frente do nariz? A realização de sonhos, a gente que passa boa parte da vida sem o direito e sem o hábito de sonhar… Afora tudo aquilo que nos faz avaliar que determinado ano foi melhor do que outros, este 2015 entrará para meu recordatório pessoal como o ano em que a mídia e a oposição politica direitista e corrupta proibiram as pessoas, via coação pessimista e projeção de números negativos, de expressarem alegria, realização e esperança.

*Cidinha da Silva é escritora. Publicou, entre outros,Racismo no Brasil e afetos correlatos (Conversê, 2013) e Africanidades e relações raciais: insumos para políticas públicas na área do livro, leitura, literatura e bibliotecas no Brasi (FCP, 2014). Despacha diariamente em sua fanpage

Foto: Pixabay

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



No artigo

Comentários