Andrea Matarazzo, do PSDB, se antecipa: “Pode me chamar de prefeito”

Pré-candidato à prefeitura de São Paulo - ele ainda precisa vencer as prévias do partido em fevereiro -, o vereador mostrou, em entrevista, já estar contando com a vitória e ainda desferiu ataques aos ciclistas, que recentemente vêm sendo beneficiados pelas políticas de mobilidade...

2150 0

Pré-candidato à prefeitura de São Paulo – ele ainda precisa vencer as prévias do partido em fevereiro -, o vereador mostrou, em entrevista, já estar contando com a vitória e ainda desferiu ataques aos ciclistas, que recentemente vêm sendo beneficiados pelas políticas de mobilidade do prefeito Fernando Haddad: “Se acham intocáveis”  

Por Redação

matarazzo

Em entrevista à versão brasileira do jornal El País, o vereador Andrea Matarazzo se mostrou, senão pretensioso, ao menos otimista. Além de afirmar que é o único da família Matarazzo que seguiu o meio político – ignorando a trajetória de Eduardo Matarazzo Suplicy, seu primo e atual secretário de Direitos Humanos da capital paulista -, o tucano já está contando com a vitória nas eleições municipais de 2016.

“Pode me chamar de prefeito”, ironizou, ainda que sequer tenha vencido as prévias de seu partido, que acontecem em fevereiro e terão nomes como o do também vereador Bruno Covas e do empresário João Dória Jr, apoiado pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB).

Ao longo da entrevista, Matarazzo teceu críticas à gestão do prefeito Fernando Haddad (PT), dizendo que o município está “abandonado”, mas acredita que a maior dificuldade para ser eleito, se sua participação for aprovada, seja a candidatura do próprio Haddad. “Ele tem a máquina na mão”, disse, minimizando uma possível ameaça de uma candidatura de Marta Suplicy ou Celso Russomano.

Crítico assíduo das políticas de mobilidade urbana da atual gestão, o vereador fez questão de, quando perguntado pelo repórter se andava de bicicleta, desferir ataques aos ciclistas. “Se criou uma cultura aqui que não houve treinamento do ciclista. O ciclista aqui se acha intocável. Acha que pode tudo”, afirmou.

Em uma de suas falas, o vereador ainda utilizou o termo “coxinha” e, quando perguntado sobre quem eram os tais “coxinhas”, foi direto: “Ué, nós, os ‘Jardins'”.

Foto: Reprodução/Youtube

 

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



No artigo

Comentários