Antônio Pompêo e a morte dos atores negros no Brasil

Mesmo alcançando a consagração como Xica da Silva ou Zumbi dos Palmares, talvez a atriz ou o ator negro não experimente mais na vida, convites para compor personagens igualmente grandiosos. Isso pode tirar a vida de muitos, aos poucos

4950 0

Mesmo alcançando a consagração como Xica da Silva ou Zumbi dos Palmares, talvez a atriz ou o ator negro não experimente mais na vida, convites para compor personagens igualmente grandiosos. Isso pode tirar a vida de muitos, aos poucos

Por Cidinha da Silva

A morte quase sempre nos pega na curva, na volta da esquina. Na vivência do ordinário. Mesmo sendo um dos eventos mais seguros e aguardados da vida. Talvez por isso mereça o status de notícia se for violenta, dramática ou trágica.

Antonio Pompêo, reconhecido ator de 62 anos, morreu em casa. Aparentemente por razões naturais.

Reconhecido por quem? Pelos seus, provavelmente, para os quais o brilho do personagem Zumbi dos Palmares, de Cacá Diegues, foi a interpretação mais marcante. Jamais esquecida pelos que o amaram e presenciaram tristeza, angústia devido aos parcos papeis relevantes interpretados ao longo da carreira. Sem abordar as dificuldades materiais decorrentes. Pelos poucos convites para trabalhos grandes e representativos.

Reconhecido também pelos colegas de profissão. Pelos que o conheceram como artista plástico e como gestor de cultura.

Ora, dirão alguns, são inúmeros os artistas talentosos a sofrer por não serem suficientemente aproveitados. É verdade, responderíamos. Mas o artista negro vive coisas específicas que vão minando suas forças e levam muitos deles a desistir da carreira precocemente.

A veterana e combativa Zezé Motta, por exemplo, conseguiu construir uma narrativa vitoriosa em cenário adverso. Nem todos conseguem. Muitos sucumbem. Manteve-se em cena, mas precisou sobreviver a um tempo em que só uma atriz negra por vez atuava em novela. Não havia espaço para a performance paralela de outra. Como se o público só suportasse uma cara de mulher negra por vez, de acordo com a leitura dos programadores de TV.

Sobreviveu ao primeiro convite depois do sucesso estrondoso de sua interpretação de Xica da Silva, outra vez de Cacá Diegues: uma empregada doméstica, que entrava e saía muda de cena, servindo cafezinho e recolhendo xícaras.

Tem sido assim para atores e atrizes negros. Precisam dar tudo em um papel, pois já sabem que existem poucos papeis para negros fora dos produtos audiovisuais que tratem de escravismo colonial, massacres urbanos, violência, miséria (papeis secundários e figurações) ou situações históricas específicas.

Surpresa para muitos, a situação não é tão diferente para artistas negros estadunidenses, como alertou Viola Davis, no momento de recepção do Emmy 2015. Faltam oportunidades de destaque para atrizes negras.

E mesmo alcançando a consagração como Xica da Silva ou Zumbi dos Palmares, talvez a atriz ou o ator negro não experimente mais na vida, convites para compor personagens igualmente grandiosos. Isso pode tirar a vida de muitos, aos poucos. Em movimentos lentos e perceptíveis apenas a quem vive a dor do ostracismo e aos amigos e companheiros de destino. Até o dia em que as luzes do set se apaguem por banzo definitivo.

Foto: Divulgação









Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.





No artigo

Comentários

000-017   000-080   000-089   000-104   000-105   000-106   070-461   100-101   100-105  , 100-105  , 101   101-400   102-400   1V0-601   1Y0-201   1Z0-051   1Z0-060   1Z0-061   1Z0-144   1z0-434   1Z0-803   1Z0-804   1z0-808   200-101   200-120   200-125  , 200-125  , 200-310   200-355   210-060   210-065   210-260   220-801   220-802   220-901   220-902   2V0-620   2V0-621   2V0-621D   300-070   300-075   300-101   300-115   300-135   3002   300-206   300-208   300-209   300-320   350-001   350-018   350-029   350-030   350-050   350-060   350-080   352-001   400-051   400-101   400-201   500-260   640-692   640-911   640-916   642-732   642-999   700-501   70-177   70-178   70-243   70-246   70-270   70-346   70-347   70-410   70-411   70-412   70-413   70-417   70-461   70-462   70-463   70-480   70-483   70-486   70-487   70-488   70-532   70-533   70-534   70-980   74-678   810-403   9A0-385   9L0-012   9L0-066   ADM-201   AWS-SYSOPS   C_TFIN52_66   c2010-652   c2010-657   CAP   CAS-002   CCA-500   CISM   CISSP   CRISC   EX200   EX300   HP0-S42   ICBB   ICGB   ITILFND   JK0-022   JN0-102   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041   SSCP   SY0-401   VCP550   JN0-360   LX0-103   LX0-104   M70-101   MB2-704   MB2-707   MB5-705   MB6-703   N10-006   NS0-157   NSE4   OG0-091   OG0-093   PEGACPBA71V1   PMP   PR000041