Manifestação contra o aumento da passagem termina em tumulto em São Paulo

Na avenida 23 de Maio, a Polícia Militar encurralou e dispersou os manifestantes com bombas e balas de borracha

604 0

Na avenida 23 de Maio, a Polícia Militar encurralou e dispersou os manifestantes com bombas e balas de borracha

Por Helô D’Angelo

Os cartazes de "3,80 não" foram distribuídos aos participantes. Na parte de trás, explicações sobre o ato

O Movimento Passe Livre (MPL) realizou um ato contra o aumento da passagem do transporte público no fim da tarde desta sexta-feira (8) em São Paulo. A manifestação começou por voltas das 18h, em frente ao Theatro Municipal, no centro da cidade, e foi pacífica até a chegada dos manifestantes na avenida 23 de Maio, às 19h30, quando a Polícia Militar dispersou a multidão usando bombas de efeito moral e balas de borracha. De acordo com o G1, a organização contou 30 mil manifestantes, enquanto a PM calculou 3 mil pessoas.

Segundo alguns manifestantes que preferiram não se identificar, a confusão com a polícia começou embaixo do Viaduto do Chá, quando parte do grupo passou para a faixa da contramão na avenida, que não estava bloqueada pela PM. Participantes e transeuntes ficaram encurralados no Vale do Anhangabaú por alguns minutos – a polícia cercou as entradas para o Vale e bloqueou as estações de metrô enquanto perseguia alguns dos manifestantes.

Depois de algum tempo, o ato foi dispersado antes de chegar à Praça da Sé, onde deveria acabar. Alguns participantes voltaram para a República, outros foram para a região do cruzamento da avenida Paulista com a Consolação, mas a mulditão não voltou a se reunir. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), 17 pessoas foram detidas e três policiais foram feridos por pedradas.

O ato foi um protesto contra o aumento de 8,57% nas tarifas de transporte público de ônibus e metrô – de R$3,50 para R$3,80 -, que entra em vigor a partir de amanhã (9). Na manhã de hoje, o MPL começou a manifestação fechando o terminal Lapa e explicando para os trabalhadores a luta contra o aumento das passagens.

O militante Vitor Quintiliano, de 19 anos, estava no papel de porta-voz do movimento durante o ato. Em declaração à imprensa, ele resumiu: “Essa manifestação é parte de uma jornada que nós, do MPL, e outros parceiros nossos faremos, pedindo um Estado que beneficie a população, e não só os empresários que sempre andam de mãos dadas com o governo”.

Vitor fez também um apelo à população, pedindo adesão nas próximas caminhadas. “Está acontecendo uma jornada de mobilizações contra o aumento das tarifas e para denunciar os governos que governam para as pessoas ricas, e não para a população. O Estado e tem a coragem de tomar medidas muito antipopulares, como não abrir postos de saúde, fechar escolas, bater em moradores de rua, provocar o genocídio da população negra e periférica e fechar os olhos para a péssima qualidade do nosso transporte. Se esses governos têm a coragem de governar desse jeito, a população tem que ter, sim, a coragem de ir para rua e combater todas essas medidas.”

Confira as fotos da manifestação:

Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora e receba em seu endereço!



No artigo

Comentários