“Atira neles, camarada!”: MPF pede que Record se retrate por fazer incitação à violência

Ao longo de uma perseguição policial transmitida ao vivo pela emissora e que terminou com um PM atirando em dois suspeitos à queima roupa, o apresentador Marcelo Rezende pediu que o policial disparasse contra os fugitivos. Ele ainda elogiou a ação do agente, mais...

860 0

Ao longo de uma perseguição policial transmitida ao vivo pela emissora e que terminou com um PM atirando em dois suspeitos à queima roupa, o apresentador Marcelo Rezende pediu que o policial disparasse contra os fugitivos. Ele ainda elogiou a ação do agente, mais tarde preso e afastado de suas atividades

Por Redação

cidadealerta

O Ministério Público Federal em São Paulo ajuizou, nesta terça-feira (12), uma ação civil pública contra a emissora de Edir Macedo por incitar a violência durante a transmissão, ao vivo, de uma perseguição policial na zona sul da capital paulista em junho do ano passado, no programa Cidade Alerta. O MPF pede que a emissora exiba uma retratação, por dois dias úteis, no mesmo horário do programa e com o mesmo tempo de duração da reportagem que mostrou a perseguição.

Na ocasião, em êxtase, Rezende narrou a perseguição, sobre duas rodas, de um policial contra dois suspeitos de roubo. Ao longo de toda a fuga, o apresentador adotou um posicionamento de hostilidade, pressupondo a culpa dos dois suspeitos que sequer haviam sido julgados, e ainda pedia para que o agente, quando estava perto dos fugitivos, atirasse. “Atira neles, meu camarada! Se fosse nos Estados Unidos, atirava”, exclamava. Não demorou muito para que o pedido de Rezende fosse atendido e um policial disparasse à queima roupa nos suspeitos mesmo com eles já caídos no chão. “Se ele atirou, é porque o bandido estava armado”, justificou o apresentador.

O caso – que nas semanas seguintes continuou sendo explorado com o mesmo tom pelo programa – ganhou grande repercussão. Por conta disso, o coletivo Intervozes entrou com uma representação contra a emissora no MPF. O órgão, por sua vez, entendeu que as imagens mostradas eram inapropriadas para o horário e não respeitavam a finalidade educativa e cultural das emissoras de televisão. De acordo com o autor da ação, o procurador da República Pedro Antonio de Oliveira Machado, “o teor do discurso do apresentador tem forte relevância social já que ele é um formador de opinião e, por esse motivo, deveria prezar por não incitar a violência e zelar pela dignidade humana”.

Já o coletivo Intervozes ressaltou que “a exibição das imagens e o discurso do apresentador ferem o capítulo V da Constituição ao violar direitos humanos e fazer apologia à violência, além de desrespeitar o princípio da presunção de inocência”.

Ao MPF, a Record alegou que “pelo fato de ter sido uma transmissão em tempo real não havia possibilidade de escolher as imagens que seriam veiculadas e também não era possível prever o desfecho da ação policial”.

Relembre o caso:

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



No artigo

Comentários