A gente não suporta chacina. A gente quer poesia, justiça e liberdade

O poema de Lívia Natália, divulgado em ônibus e outdoors por organização negra de Ilhéus (BA) no escopo do projeto Poesias Nas Ruas, incomodou a bancada da bala baiana que fez barulho, pressionou e o retirou das ruas

761 0

O poema de Lívia Natália, divulgado em ônibus e outdoors por organização negra de Ilhéus (BA) no escopo do projeto Poesias Nas Ruas, incomodou a bancada da bala baiana que fez barulho, pressionou e o retirou das ruas

Por Cidinha da Silva*

POEMA CENSURADO

Há quem pense a poesia como coisa inofensiva. Talvez porque a entendam como os versos do jardim de infância “batatinha quando nasce / deita rama pelo chão / mamãezinha quando dorme / põe a mão no coração”.

Mesmo o poema de amor corta, pode ser dilacerante e pode também agredir muito a quem orienta a vida pelo desamor, pelas armadilhas e pela luta política menor. O poema de Lívia Natália, divulgado em ônibus e outdoors por organização negra de Ilhéus, BA, no escopo do projeto Poesias Nas Ruas, incomodou a bancada da bala baiana.

Vejamos o que a poeta escreveu em Quadrilha. “Maria não amava João. / Apenas idolatrava seus pés escuros / Quando João Morreu / Assassinado pela PM / Maria guardou todos os seus sapatos”.

Não é um poema inofensivo, por certo. Trata-se de um libelo de amor e resistência. Um poeta baiano, Jorge Augusto, conterrâneo de Lívia, assim o analisou: “O poema propõe pensarmos a subjetividade interditada desse corpo negro, (quando rompe a cadeia amorosa que remete a intertextualidade com o poema de Drummond), sinaliza o abandono em que, muitas vezes, é condenada a mulher negra, denuncia, ao mesmo tempo, a violência com que a PM pratica seu genocídio contra o povo negro. É o amor, a subjetividade desse ser-negro, pensado, pelo Estado, sempre como um corpo suspeito que é tema.  Maria não teve tempo de amar João. E o assassinato pela PM é apenas uma das formas pela qual essa subjetividade do negro brasileiro foi interditada, pela violência, e o poema usa dela para denunciar essa interdição, esse amor que não chegou a ser”.

A bancada da bala no Congresso, nas assembleias legislativas e nas câmaras municipais sabe que a poesia não é algo irrelevante. Não por ter lido Brecht, Safo, Thiago de Mello, Florbela Espanca ou Solano Trindade, mas porque nestes tempos em que a imagem é tudo, é imperativo posar de bom moço e esconder o currículo de roubos, corrupção e assassinatos.

A tentativa desses militares de ocultamento do que realmente se é passa por ameaças (diretas e indiretas), chantagem, extorsão e censura, entre outros crimes. No caso do poema Quadrilha e da tentativa de retirá-lo de circulação, parlamentares da bancada da bala da Assembleia Legislativa baiana, a saber, soldado Marco Prisco (PSDB) e Capitão Tadeu (PSB), cujo mandato foi perdido em 2014 por questões de coeficiente eleitoral, pressionam indiretamente à poeta e professora da UFBA, Lívia Natália, e reivindicam ao governo estadual a volta da censura, para limitar a expressão de seu trabalho criativo.

A verve mais enfática é do Capitão Tadeu nas redes sociais. São palavras dele “O Governo Perdeu a Noção. Patrocinou com nosso dinheiro uma campanha publicitária contra a PM. A PM não é assassina. A PM não assassina ninguém! A PM é uma Instituição. Aliás, a PM é Governo! Se a PM é assassina, o governo é que é assassino. E o governador é o Comandante Supremo. O maior responsável. Um dos integrantes da PM é que tirou a vida de alguém. E cabe uma investigação para saber se foi no estrito cumprimento do dever legal ou se foi execução. Que se puna quem errou, mas não se generalize a atinja a imagem da Instituição e da maioria dos seus integrantes. E o governo, que alega falta de dinheiro, não pode gastar nossos recursos para desgastar a imagem de uma Instituição governamental, como se ele, o governo , não fosse o maior culpado. Uma Vergonha !!! Fica aqui o meu repúdio!”

É compreensível, o ex-parlamentar está sem mandato e precisa encontrar formas de aparecer. O soldado Prisco segue a mesma toada e acrescenta “os PMs do Estado, tropa predominantemente negra e residente em comunidades da Bahia, arriscam as próprias vidas e dos filhos na defesa da segurança dos baianos”.

São óbvios e sobejamente conhecidos os números do genocídio dos homens negros no Brasil. Aqui mesmo, neste portal Fórum diversos artigos meus, são obrigados a tratar dessa pauta hostil e perturbadora, que não nos dá trégua, a exemplo deste e deste.

A Secretaria de Comunicação do Estado da Bahia e o próprio governo, ao invés de discutirem o princípio antidemocrático de pleitear a volta da censura, optaram apenas por destacar que o dinheiro público que patrocinou o projeto Poesia nas ruas é destinado a editais de cultura. Não se trata, portanto, de verba publicitária de ações de governo.

O governo baiano, até onde se sabe, não censurava a crítica social em poemas (vamos ver daqui para frente). Aliás, seria mesmo incongruente um governo que manda seus policiais golearem e estabelece prêmios para os artilheiros, depois patrocinasse com verba publicitária governamental, a circulação de um poema em que Maria guarda os sapatos de João porque foi morto pela PM.

*Cidinha da Silva é escritora. Publicou, entre outros, Racismo no Brasil e afetos correlatos (Conversê, 2013) e Africanidades e relações raciais: insumos para políticas públicas na área do livro, leitura, literatura e bibliotecas no Brasil (FCP, 2014) . Despacha diariamente em sua fanpage

Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora e receba em seu endereço!



No artigo

Comentários