Casa de cultura em São Paulo é alvo de ataque nazista

A Casa Mafalda, espaço autônomo de cultura e política da capital paulista, foi alvo de dois ataques de grupos neonazistas em menos de uma semana, que pixaram no portão do local suásticas e inscrições com referência à Hitler e David Lane; confira a nota...

1055 0

A Casa Mafalda, espaço autônomo de cultura e política da capital paulista, foi alvo de dois ataques de grupos neonazistas em menos de uma semana, que pixaram no portão do local suásticas e inscrições com referência à Hitler e David Lane; confira a nota que o coletivo publicou sobre o ocorrido

Por Casa Mafalda

casamafalda

Nota sobre outro ataque nazifascista à Casa Mafalda

Entre a última sexta-feira, 08/01, e o último sábado, 09/01, outra vez o portão externo da Casa Mafalda foi pixado por um grupo fascista. Dessa vez, um que provavelmente nunca fez um pixo na vida – basta ver a “qualidade” da obra na foto. Pra piorar, o grupo em questão está cercado de peculiaridades, digamos assim.

Explicando o pixo, parte por parte. Primeiro, os números:

– 1488: o 14 refere-se a um trecho de 14 palavras criado por David Lane, supremacista branco estadunidense, inspirado em um outro trecho maior do Mein Kampf, o livro escrito por Hitler que é uma espécie de bíblia nazista. Esse trecho se tornou um slogan neonazista. O 88 pode tanto se referir ao trecho completo do Mein Kampf (que teria 88 palavras) quanto à “Heil Hitler”, já que o H é a oitava letra do alfabeto (Heil Hitler = HH = 88). A Wikipedia explica mais sobre isso: https://pt.wikipedia.org/wiki/14/88

– 98: seguindo a mesma lógica das letras do alfabeto, o 9 representa o I e o 8, outra vez, o H. Assim, 98 = IH = sigla pra “Impacto Hooligan”, uma gangue neonazi conhecida de São Paulo.

Agora, o texto, que é a parte mais bizarra e ridícula de todas. “Misanthropic” é uma alusão à Misanthropic Divison, grupo paramilitar neonazi ucraniano que ganhou força durante a recente crise na Crimeia. Sim, isso mesmo: eslavos nazistas. Esses sabem bastante de história.

Como os nazis daqui não perdem em nada em excentricidade pros de lá, a turma da Impacto Hooligan e mais alguns outros idiotas resolveram fundar a facção brasileira da Misanthropic Division. Isso aí: neonazismo ucraniano-brasileiro. É bom dizer que não é só no Brasil, outros países europeus e latinos (como a Argentina – https://www.youtube.com/watch?v=cCMQR12O-tE) também tem sua facção de idiotas da MD.

Pra saber mais sobre a MD Brasil, leia essa genial entrevista deles mesmos: http://misanthropic.info/pt/article/551/

Por último, os símbolos.

A suástica é de conhecimento amplo e geral, apropriada por Hitler pra simbolizar sua ideologia genocida e eugênica.

O outro símbolo, um losango com pernas, é a letra O (odal) do alfabeto rúnico, que remete ao paganismo germânico, cultura recuperada por autores alemães ocultistas e incorporada à cultura nazista. Essa runa representou uma divisão da SS de Hitler durante a 2ª Guerra responsável pela ocupação da Croácia, e também foi e é utilizada por grupos nazistas europeus de diversos países, numa tentativa de se desvencilhar da má propaganda que é carregar a suástica e de criar um novo símbolo nazista universal.

O que faremos?

De imediato, pintamos o portão e estamos escrevendo essa nota pra quem frequenta a Casa ficar sabendo. Os grupos a qual os autores pertencem podem ser patéticos, mas também são covardes e gostam de atacar pessoas sozinhas e desarmadas. Ficar de bobeira à noite pela região da Casa sem companhia pode não ser uma boa ideia.

Fora isso, outras atividades relacionadas ao caso serão divulgadas aos poucos. Grupos e pessoas parceiras dispostas a compor essas ações ou sugerir outras, entrem em contato.

Já passou da hora de mostrarmos que não só nós, não só a Lapa, mas nenhum lugar da cidade tolerará ataques fascistas.

Aos nazistas: não nos intimidaremos.

Sempre antifascista,

Casa Mafalda

Foto: Casa Mafalda

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



No artigo

Comentários