Globo é criticada por ironizar movimento LGBT

Para ativistas, personagem que se veste de mulher para obter vantagens passa a disseminar equívocos e preconceitos em relação às pessoas trans.

755 0

Para ativistas, personagem que se veste de mulher para obter vantagens passa a disseminar equívocos e preconceitos em relação às pessoas trans

Por Redação

globo

Nesta terça-feira (19), a página Feminismo Sem Demagogia divulgou no Facebook uma nota de repúdio contra a TV Globo, acusando a emissora de transfobia. De acordo com a denúncia, a novela A Regra do Jogo vem tratando assuntos importantes da pauta LGBT com ironia e descaso, o que representaria um desserviço em relação aos direitos dessa comunidade, já tão discriminada.

Leia o texto na íntegra.

NOTA DE REPÚDIO CONTRA A TRANSFOBIA NA NOVELA “A REGRA DO JOGO” DA GLOBO

Ontem dia 18/01/2016, fomos surpreendidas com uma cena na novela “A Regra do Jogo” veiculada pela Rede Globo que nos incomodou bastante por considerarmos repulsiva e transfóbica.

Na narrativa o personagem Breno, interpretado pelo ator Otávio Müller, ex-gerente de banco vinha sofrendo com a crise do desemprego, até que há poucos dias ele se encontrou por acaso com um ex-colega de trabalho que para fugir da crise “optou” trabalhar como crossdresser.

Então iniciando o enredo “cômico” do personagem, Breno é aconselhado pelo amigo a também trabalhar como crossdresser e desde então o personagem vem se vestindo de mulher.

Acontece que no capitulo de ontem, Breno resolveu procurar o ex-chefe e exigir que o mesmo o readmitisse, caso contrario ameaçou chamar a comunidade LGBT e a imprensa para manifestar contra empresa e acusá-la de transfóbica. Com isso, após essa chantagem ao empregador Breno é readmitido e, além disso consegue um aumento salarial de 30% com relação ao anterior.

No entanto, alguns pontos precisam ser considerados a respeito para várias problemáticas por trás desta cena, tais como;
Primeiro Ponto: O tom cômico dado ao personagem é carregado de estereótipos deixando dúbia a explicação sobre o que é um crossdresser e a diferença com relação às mulheres trans, pois a maioria das pessoas não sabem a diferença e associam tudo ao pejorativo termo “traveco”, aumentando a discriminação na sociedade. Por isso não é engraçado usar a figura de uma mulher trans tratando como comédia uma chantagem quando na realidade maior partes das transexuais tem as portas fechadas para o mercado de trabalho e por este motivo são lançadas a prostituição e expostas à violência transfóbica.

Segundo Ponto: Breno não foi demitido por ser crossdresser e sim pela crise, então ao exigir sua admissão ele mentiu ao relacionar sua demissão ao fato de ser crossdresser, e em tom de chantagem o personagem se comporta como fosse correto mentir para ter o quer e ainda mencionar que teria o apoio da comunidade LGBT, colocando as pautas da comunidade LGBT numa posição de descrédito e ainda disponível ao deleite de um homem burguês falido, branco cis Hétero, incentivando o telespectador achar aquilo natural e engraçadinho, mas sem problematizar a realidade das principalmente das pessoas trans.

Também não se pode negar a ênfase da novela em associar a questão do desemprego e a profissão de crossdresser como uma alternativa de segunda classe também dentro do humor.

Terceiro Ponto: No modo como foi abordada a readmissão de Breno, foi ignorando os fatos corriqueiros que vai além do desemprego como também toda a marginalização por trans das mulheres trans que só faz reforçar o desserviço prestado pela novela.

Na página FSD temos como exemplo o caso da Luiza Coppieters,que foi nossa moderadora, após assumir-se trans, a escola onde trabalhava a demitiu em situação clara de transfóbia, e não voltaram atrás mesmo com a pressão de alguns alunos que a acolheram por considerá-la excelente profissional. E infelizmente este caso da Luiza não é um fato isolado, pois a transfobia enraizada na sociedade coloca várias mulheres e homens trans em situação semelhante, e pior, pois grande maioria nunca tiveram um trabalho formal.

Por tudo que expusemos aqui, repudiamos as cenas de humor com o personagem Breno, por consideramos transfóbicas e de extremo mau gosto, não condizendo com a realidade das mulheres Trans, que cotidianamente são lançadas a violência e ao desemprego.

Foto de capa: Reprodução/Facebook

 

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



No artigo

Comentários