Globo é criticada por ironizar movimento LGBT

Para ativistas, personagem que se veste de mulher para obter vantagens passa a disseminar equívocos e preconceitos em relação às pessoas trans.

624 0

Para ativistas, personagem que se veste de mulher para obter vantagens passa a disseminar equívocos e preconceitos em relação às pessoas trans

Por Redação

globo

Nesta terça-feira (19), a página Feminismo Sem Demagogia divulgou no Facebook uma nota de repúdio contra a TV Globo, acusando a emissora de transfobia. De acordo com a denúncia, a novela A Regra do Jogo vem tratando assuntos importantes da pauta LGBT com ironia e descaso, o que representaria um desserviço em relação aos direitos dessa comunidade, já tão discriminada.

Leia o texto na íntegra.

NOTA DE REPÚDIO CONTRA A TRANSFOBIA NA NOVELA “A REGRA DO JOGO” DA GLOBO

Ontem dia 18/01/2016, fomos surpreendidas com uma cena na novela “A Regra do Jogo” veiculada pela Rede Globo que nos incomodou bastante por considerarmos repulsiva e transfóbica.

Na narrativa o personagem Breno, interpretado pelo ator Otávio Müller, ex-gerente de banco vinha sofrendo com a crise do desemprego, até que há poucos dias ele se encontrou por acaso com um ex-colega de trabalho que para fugir da crise “optou” trabalhar como crossdresser.

Então iniciando o enredo “cômico” do personagem, Breno é aconselhado pelo amigo a também trabalhar como crossdresser e desde então o personagem vem se vestindo de mulher.

Acontece que no capitulo de ontem, Breno resolveu procurar o ex-chefe e exigir que o mesmo o readmitisse, caso contrario ameaçou chamar a comunidade LGBT e a imprensa para manifestar contra empresa e acusá-la de transfóbica. Com isso, após essa chantagem ao empregador Breno é readmitido e, além disso consegue um aumento salarial de 30% com relação ao anterior.

No entanto, alguns pontos precisam ser considerados a respeito para várias problemáticas por trás desta cena, tais como;
Primeiro Ponto: O tom cômico dado ao personagem é carregado de estereótipos deixando dúbia a explicação sobre o que é um crossdresser e a diferença com relação às mulheres trans, pois a maioria das pessoas não sabem a diferença e associam tudo ao pejorativo termo “traveco”, aumentando a discriminação na sociedade. Por isso não é engraçado usar a figura de uma mulher trans tratando como comédia uma chantagem quando na realidade maior partes das transexuais tem as portas fechadas para o mercado de trabalho e por este motivo são lançadas a prostituição e expostas à violência transfóbica.

Segundo Ponto: Breno não foi demitido por ser crossdresser e sim pela crise, então ao exigir sua admissão ele mentiu ao relacionar sua demissão ao fato de ser crossdresser, e em tom de chantagem o personagem se comporta como fosse correto mentir para ter o quer e ainda mencionar que teria o apoio da comunidade LGBT, colocando as pautas da comunidade LGBT numa posição de descrédito e ainda disponível ao deleite de um homem burguês falido, branco cis Hétero, incentivando o telespectador achar aquilo natural e engraçadinho, mas sem problematizar a realidade das principalmente das pessoas trans.

Também não se pode negar a ênfase da novela em associar a questão do desemprego e a profissão de crossdresser como uma alternativa de segunda classe também dentro do humor.

Terceiro Ponto: No modo como foi abordada a readmissão de Breno, foi ignorando os fatos corriqueiros que vai além do desemprego como também toda a marginalização por trans das mulheres trans que só faz reforçar o desserviço prestado pela novela.

Na página FSD temos como exemplo o caso da Luiza Coppieters,que foi nossa moderadora, após assumir-se trans, a escola onde trabalhava a demitiu em situação clara de transfóbia, e não voltaram atrás mesmo com a pressão de alguns alunos que a acolheram por considerá-la excelente profissional. E infelizmente este caso da Luiza não é um fato isolado, pois a transfobia enraizada na sociedade coloca várias mulheres e homens trans em situação semelhante, e pior, pois grande maioria nunca tiveram um trabalho formal.

Por tudo que expusemos aqui, repudiamos as cenas de humor com o personagem Breno, por consideramos transfóbicas e de extremo mau gosto, não condizendo com a realidade das mulheres Trans, que cotidianamente são lançadas a violência e ao desemprego.

Foto de capa: Reprodução/Facebook

 

No artigo

Comentários