Justiça afasta vereador tucano suspeito de gastar dinheiro público com prostitutas

"De quinta para sexta foi dez muié. Eta porra! Rapaz do céu", disse o presidente da Câmara Municipal de Rosana (SP), o vereador Roberto Moya (PSDB), em grampo interceptado pela Polícia Civil; de acordo com a Justiça, o tucano gastou dinheiro público com "farras"...

741 0

“De quinta para sexta foi dez muié. Eta porra! Rapaz do céu”, disse o presidente da Câmara Municipal de Rosana (SP), o vereador Roberto Moya (PSDB), em grampo interceptado pela Polícia Civil; de acordo com a Justiça, o tucano gastou dinheiro público com “farras” e prostituição em Brasília em abril do ano passado

Por Redação

moya

A Justiça em Rosana, cidade do interior de São Paulo, decretou nesta segunda-feira (25) o afastamento do vereador Roberto Fernandes Moya Junior (PSDB) por improbidade administrativa. De acordo com investigações feitas pela Polícia Civil em parceria com o Ministério Público, o tucano, que é presidente da Câmara Municipal de Rosana, usou recursos públicos para bancar “noitadas” e prostitutas em abril do ano passado, quando esteve em Brasília.

“De quinta para sexta foi dez ‘muié’. Eta porra! Rapaz do céu”, disse o vereador em uma ligação que foi grampeada pela Polícia Civil. Moya relatava a “farra” que estava vivendo na capital federal ao servidor da Câmara de Rosana, Alan Patrick Ribeiro Correa, que também foi afastado. O áudio do grampo foi divulgado pelo portal G1.

Após a análise dos grampos e de buscas e apreensões nas residências de Moya e de outros parlamentares envolvidos, o juiz Victor Trevisan Cove, da Vara Única de Rosana, concluiu que o tucano gastou dinheiro público com cerca de dez mulheres e que o gasto foi tão abusivo que prejudicou até mesmo os cofres da Prefeitura, deixando o prefeito de Rosana sem dinheiro até para abastecer o carro oficial.

A reportagem da Fórum tentou contato com o vereador para que ele se manifestasse quanto à decisão da Justiça mas, por conta do recesso parlamentar, Moya não foi localizado.

Foto: Reprodução/Câmara de Rosana

 

 

No artigo

Comentários