Fortaleza, a Cidade mais violenta do Brasil?

  Em primeiro plano: Pirambu. Ao fundo: beira-mar. foto: Luisa Cela Segundo pesquisa divulgada há poucos dias, Fortaleza é a Cidade mais violenta...

3195 0

 

Em primeiro plano: Pirambu. Ao fundo: beira-mar. foto: Luisa Cela
Em primeiro plano: Pirambu. Ao fundo: beira-mar. foto: Luisa Cela

Segundo pesquisa divulgada há poucos dias, Fortaleza é a Cidade mais violenta do Brasil.

Será mesmo?

A pesquisa é de uma ONG do México, Conselho Cidadão para a Segurança Pública e Justiça Penal.

Para quem mora na periferia da Capital Alencarina, isso tem lá a sua verdade. Quem habita os Curiós de Fortaleza e sua mortandade sabe dos infernos diários da Cidade.

São décadas, séculos quiçá, de injustiça social, de invisibilidade, de vulnerabilidade, enfim, é uma história que vem sendo contada há muito tempo sem que a Aldeia Aldeota e demais ilhas de prosperidade tivessem conhecimento.

Nas lacunas da presença do Estado, o crime se instala como hospedeiros de uma falso assistencialismo.

Fortaleza pode não ser a mais violenta do Brasil, mas é uma das mais injustas em seus quase trezentos anos.

Em que pesem as políticas que tentam diminuir esse abismo, nossa aldeia ainda tem muito caminho a percorrer até algo perto do ideal.

Fortaleza pode não ser a décima-segunda mais violenta do mundo, mas é uma das mais ingratas com os seus habitantes.

Os gritos apavorados de parte da Cidade só surgiram quando o crime bateu à sua, à nossa, porta. E parecem se multiplicar justamente quando se tenta diminuir tanta desigualdade.

Somos todos vítimas e culpados, em que pese poucos admitirem a culpa por tanta desigualdade. Afinal de contas, o inferno são os outros.

Fortaleza pode não ser assim tão violenta. Mesmo assim, Fortaleza não esconde o seu emblemático cartão-postal.

Sou desta terra que tanto amo e mesmo assim me sinto estrangeiro ao navegar por ela e pular do século XXI à Idade Média em alguns poucos instantes. O necessário desconforto não ecoa em todos nós. Por que será?

Fortaleza pode não ser a mais violenta do Brasil.

Mas não será mesmo?



No artigo