Argentina: Macri corta subsídios da era Kirchner e contas de luz vão subir 300% a partir de segunda

Preço da carne aumentou 22% desde outubro; ministro da Agroindústria sugeriu que argentinos deixem de consumir o alimento para forçar queda nos preços

462 0

Preço da carne aumentou 22% desde outubro; ministro da Agroindústria sugeriu que argentinos deixem de consumir o alimento para forçar queda nos preços

Por Opera Mundi

Presidente_de_la_Nación,_Mauricio_Macri

O governo do presidente argentino, Maurício Macri, anunciou, nesta quinta-feira (28/01), o fim dos subsídios concedidos nos últimos 12 anos ao fornecimento de energia elétrica, o que significará um aumento de pelo menos 300% na conta de luz dos argentinos de todo o país a partir de 1º de fevereiro.

De acordo com o ministro de Economia, Alfonso Prat-Gay, a medida foi adotada como forma de reduzir o déficit público de 7% acumulado pelo país. O fim dos subsídios representariam, segundo o governo, um impacto de 2,5% do PIB do país.

Dado o impacto da medida, os cerca de dois milhões de argentinos que vivem abaixo da linha da pobreza e os cerca de dois milhões de aposentados do país terão o subsídio mantido.

Além da energia, os aluguéis, mensalidade de colégios particulares, telefone e comida aumentaram nos últimos tempos. Frente a essa situação, sindicatos do país reivindicam aumentos salariais de acordo com a inflação. Os professores, por exemplo, pedem aumento de 35%.

Um dos maiores flagelos é o aumento do preço da carne, que aumentou 22% desde outubro do ano passado. Diante deste cenário, o Executivo chegou a recomendar que os argentinos evitem consumi-la para forçar o preço a baixar.

A recomendação foi feita pelo ministro da Agroindústria, Ricardo Buryaile, nesta quarta-feira (27/01): “o que nos resta é tomar consciência e trabalhar sobre o consumidor para que tenha em conta o nível de preços e se tiver que se abster de consumir, que o faça”, afirmou.

Foto de capa: Presidência da Argentina

No artigo

Comentários