Presidente da França indulta condenada por matar marido violento

Decisão foi tomada pelo socialista François Hollande depois de conversar com as filhas do casal e permite que ela entre com um pedido de liberdade condicional Da Redação O presidente da França,...

301 0

Decisão foi tomada pelo socialista François Hollande depois de conversar com as filhas do casal e permite que ela entre com um pedido de liberdade condicional

Da Redação

Foto: Wikipedia Commons

O presidente da França, o socialista François Hollande, anunciou neste domingo (31/01) a concessão de um indulto especial para uma mulher condenada por matar o próprio marido. Para tomar a decisão, ele levou em conta os relatos das filhas do casal, que confirmavam que o homem cometia violências físicas e sexuais contra a esposa constantemente durante os 47 anos em que permaneceram juntos.

As três filhas de Jacqueline Sauvage, de 68 anos, conseguiram se reunir com Hollande na última sexta-feira. Depois de conseguirem reunir mais de 300 mil assinaturas – inclusive de importantes artistas e intelectuais franceses – para o pedido de indulto presidencial a ela. Todas três defenderam a mãe perante a Justiça, mas não conseguiram evitar sua condenação.

Com a concessão do indulto, Jacqueline, que havia sido condenada a dez anos de prisão, poderá entrar com um pedido de liberdade condicional. Segundo o comunicado oficial do governo francês, “O presidente da República quis, diante de uma situação humana especial, tornar possível, o quanto antes, a volta da Senhora Sauvage para junto à sua família”.

Jacqueline matou o marido no dia 10 de setembro de 2012, com três tiros nas costas. Ela o assassinou no dia seguinte ao suicídio do filho, motivado por não suportar mais a violência paterna.

Apesar das agressões constantes, Jacqueline – que também havia sido vítima de violência doméstica durante a infância – jamais havia denunciado o marido. Segundo dados oficiais, no ano passado, na França, 118 mulheres foram mortas por maridos ou companheiros.

Com informações da Rádio França Internacional

No artigo

Comentários