PT declara guerra a Alckmin em defesa de Lula

Diretório estadual da legenda emite nota criticando as declarações do governador no último sábado contra o ex-presidente, afirmando que o tucano tem "falso apego à ética". "A improvisada e seletiva indignação do governador deveria se dirigir aos seus colegas do PSDB que desviaram milhões...

777 0

Diretório estadual da legenda emite nota criticando as declarações do governador no último sábado contra o ex-presidente, afirmando que o tucano tem “falso apego à ética”. “A improvisada e seletiva indignação do governador deveria se dirigir aos seus colegas do PSDB que desviaram milhões do metrô, da Dersa e da merenda escolar”, afirma Emídio de Souza, presidente do partido em SP

Por Redação

alckmin

O diretório estadual do PT emitiu nota criticando o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), pelas declarações dadas por ele no sábado (30), contra o ex-presidente Lula. Na ocasião, o tucano disse que “o Lula é o Partido dos Trabalhadores. O Lula é o retrato do PT, partido envolvido em corrupção, sem compromisso com as questões de natureza ética, sem limites”.

“A improvisada e seletiva indignação do governador deveria se dirigir aos seus colegas do PSDB que desviaram milhões do metrô, da Dersa e da merenda escolar. Seu falso apego à ética seria muito mais eficaz se admitisse e rejeitasse a brutal e incompreensível repressão aos estudantes que bravamente lutaram contra o fechamento das escolas paulistas”, diz a nota do diretório petista, assinada pelo presidente da legenda no estado, Emídio de Souza.

O texto diz ainda que o PSDB “varre” a corrupção para “debaixo do tapete” e impede investigações sobre denúncias envolvendo suas gestões, além de atribuir a culpa sempre a terceiros. “O chefe do tucanato paulista especializou-se em culpar os adversários pelos seus mal feitos. Culpa os estudantes pela repressão, as vítimas pela violência letal de sua polícia, a natureza pela falta d’água e agora o governo federal pelos desvios na merenda escolar do Estado de SP”, afirma.

No próprio sábado, o Instituto Lula também divulgou nota respondendo aos ataques de Alckmin. “Seria mais proveitoso para a população de São Paulo se a imprensa perguntasse e o governador explicasse os desvios nas obras do metrô e na merenda escolar, a violência contra os estudantes e os números maquiados de homicídios no estado, ao invés de tentar desviar a atenção para um apartamento que não é e nunca foi de Lula”, dizia um trecho.

Confira abaixo a íntegra do texto divulgado pelo diretório estadual petista.

O Diretório Estadual do PT-SP repudia as declarações oportunistas, desmedidas e desrespeitosas do Governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, sobre o ex- Presidente Lula e o próprio PT.

São Paulo precisa de um governador que tenha atitude diante das denúncias que pesam sobre seu governo e seus assessores e não de um comentarista de denúncias fantasiosas contra o melhor presidente da nossa história.

Ao contrário do PSDB, partido de Alckmin, o PT nunca varreu a corrupção para debaixo do tapete e nem impediu investigações.

A improvisada e seletiva indignação do governador deveria se dirigir aos seus colegas do PSDB que desviaram milhões do metrô, da Dersa e da merenda escolar. Seu falso apego à ética seria muito mais eficaz se admitisse e rejeitasse a brutal e incompreensível repressão aos estudantes que bravamente lutaram contra o fechamento das escolas paulistas.

Bem ao contrário disso, o chefe do tucanato paulista especializou-se em culpar os adversários pelos seus mal feitos. Culpa os estudantes pela repressão, as vítimas pela violência letal de sua polícia, a natureza pela falta d’água e agora o governo federal pelos desvios na merenda escolar do Estado de SP.

Alckmin é o avesso do apego à ética e seu governo o exemplo mais acabado da mediocridade.

Emidio de Souza, presidente do Partido dos Trabalhadores no Estado de São Paulo.

Foto: Secom-SP

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



No artigo

Comentários