“Cunha tem convicção de que é culpado e cometeu crimes”, afirma deputado do Conselho de Ética

Para Valmir Prascidelli (PT-SP), o fato de o vice-presidente da Câmara manobrar para fazer com que o processo contra o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) volte ao seu estágio inicial demonstra uma "tentativa clara de ganhar mas um dia e protelar o processo", já que...

1136 0

Para Valmir Prascidelli (PT-SP), o fato de o vice-presidente da Câmara manobrar para fazer com que o processo contra o deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) volte ao seu estágio inicial demonstra uma “tentativa clara de ganhar mas um dia e protelar o processo”, já que teria ciência de que “cometeu os crimes que as denúncias apontam”; expectativa é que reuniões do Conselho sejam retomadas ainda nesta quarta-feira (3)

Por Ivan Longo

Sindicalistas se reúnem com Eduardo Cunha
Prascidelli é um dos deputados que integram o Conselho de Ética. (Foto: Agência Câmara)
Prascidelli é um dos deputados que integram o Conselho de Ética. (Foto: Agência Câmara)

O deputado federal Valmir Prascidelli (PT-SP) comentou, na tarde desta quarta-feira (3), a manobra executada pelo vice-presidente da Câmara, o deputado Waldir Maranhão (PP-MA), que na última terça-feira (2) determinou que o Conselho de Ética anule a sessão em que foi aprovada a admissibilidade do processo contra Eduardo Cunha (PMDB-RJ) no Conselho de Ética – o que faria as discussões, praticamente, voltarem a um estágio inicial.

“Ele [Eduardo Cunha] tem o direito de apresentar defesa, mas a busca desesperada para protelar significa que ele tem convicção de que é culpado e que cometeu os crimes que as denúncias apontam, como mentir que não possuía contas irregulares no exterior”, disse o parlamentar, que integra o Conselho, em conversa com a Fórum. Para Prascidelli, o fato de o vice-presidente, que é aliado de Cunha e também investigado na Operação Lava-Jato, ter feito tal determinação, é uma “clara tentativa de ganhar mais um dia”.

A representação contra Eduardo Cunha no Conselho de Ética, protocolada em outubro do ano passado, pede o afastamento do parlamentar do cargo de presidente da Casa por quebra de decoro parlamentar – ele teria mentido ao afirmar na CPI da Petrobras que não possuía contas no exterior – contrariando as investigações da Lava-Jato que pesam contra o peemedebista. Ainda que a representação tenha sido protocolada em outubro, somente em dezembro foi reconhecida a admissibilidade do processo. Com a manobra de Maranhão, esta etapa terá que ser votada novamente.

De acordo com Prascidelli, que espera que a reunião do Conselho seja retomada ainda nesta quarta-feira (3), a expectativa é que se aprove um pedido de vistas geral para que, assim, a análise possa ser retomada depois do Carnaval. De acordo com o parlamentar, qualquer questionamento ou apresentação de novas denúncias contra Cunha – que, inclusive, já existem – protelaria ainda mais o processo, com possibilidade de um pedido de nova análise.

“Quanto mais questionamentos fizermos, mas estamos contribuindo para protelar o processo. O foco agora é em aprovar a admissibilidade”, pontuou.

Foto: Câmara dos Deputados

 

 

 

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



No artigo

Comentários