A verdade sobre os voos “oficiais” de Lu Alckmin

De 2011 a 2015, a primeira-dama de São Paulo viajou mais em aeronaves oficiais do que os 25 secretários juntos. Mas a maioria dos deslocamentos tinha dois destinos bem específicos: Campos do Jordão, onde está situado o Palácio Boa Vista, residência de inverno e...

698 0

De 2011 a 2015, a primeira-dama de São Paulo viajou mais em aeronaves oficiais do que os 25 secretários juntos. Mas a maioria dos deslocamentos tinha dois destinos bem específicos: Campos do Jordão, onde está situado o Palácio Boa Vista, residência de inverno e de descanso, e Pindamonhangaba, onde a família tem um sítio

Por Redação

Campanha do Agasalho 2015

Conforme divulgado pela Folha de S. Paulo em janeiro, a primeira-dama do estado de São Paulo, Maria Lúcia Alckmin, utilizou mais as aeronaves oficiais do que os 25 secretários juntos. Eles fizeram 76 viagens de 2011 a 2015, enquanto Lu, como é conhecida, foi responsável por 132 deslocamentos ao todo.

Em nota, o governo afirmou que ela preside o Fundo Social de Solidariedade, entidade oficial voltada à assistência social e geração de renda e de emprego, o que justificaria as viagens. No entanto, o site da entidade não fornece informações transparentes sobre o uso das aeronaves.

Em planilha obtida pelo portal Diário do Centro do Mundo, por meio da Lei de Acesso à Informação, a maioria dos trajetos apresentava dois destinos bem específicos: Campos do Jordão, onde está situado o Palácio Boa Vista, residência de inverno e de descanso, e Pindamonhangaba, onde a família tem um sítio.

A cidade, aliás, é o berço político de Alckmin, onde ele nasceu, foi criado, virou prefeito e conheceu a esposa. Os voos de Lu para a região incluíam também os filhos Sophia, José Geraldo Alckmin Neto e Thomaz (falecido em abril de 2015), além de agregados. Dados que, obviamente, não constam na nota oficial da assessoria do governo.

Foto de capa: Du Amorim/ A2D (Fotos Públicas)

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



No artigo

Comentários