SP: a rua, o lúdico e o político

O ressurgimento dos blocos carnavalescos em São Paulo pode ser uma evidência de que, aos poucos, a metrópole está recuperando o conceito de espaço público. E isso é bom

311 0

O ressurgimento dos blocos carnavalescos em São Paulo pode ser uma evidência de que, aos poucos, a metrópole está recuperando o conceito de espaço público. E isso é bom

Por Wagner Iglecias*

O carnaval deste ano ainda nem começou oficialmente mas São Paulo já se viu tomada, no último final de semana, por dezenas de blocos e milhares de foliões. Alguns analistas rapidamente creditaram esse crescimento à crise econômica, que levaria as pessoas a festejar essa época do ano na rua, e não em espaços fechados onde provavelmente gastariam mais dinheiro. Nada mais apressado. O fenômeno da retomada dos blocos carnavalescos já tem uns cinco anos em São Paulo e no Rio é coisa de uma década ou mais. Não se sabe por ora se é um fenômeno estritamente restrito a essa época do ano ou se trata-se de algo maior, relativo à reocupação e ressignificação do espaço público em nossas grandes cidades.

No caso de São Paulo parece haver alguma evidência de que a metrópole, aos poucos, está recuperando o conceito de espaço público. E isso é bom. Nas últimas décadas SP foi transfigurada pelo asfalto e pelo concreto. Pela indústria automobilística a inundar nossas ruas com milhões de veículos e pelo mercado imobiliário a botar no chão vilas, fábricas e galpões para em seu lugar erguer prédios residenciais e conjuntos comerciais. Bairros tradicionais inteiros foram descaracterizados, terrenos baldios viraram raridade, rios e córregos foram mortos, parques, praças e áreas verdes perderam espaço.

Durante muito tempo prevaleceu na cabeça de muitos de nós a ideia de que a rua seria mais ou menos como uma linha ligando dois pontos. Ou seja, a concepção de que o espaço público seria apenas o lugar da passagem, do trânsito, do movimento, da ida de um lugar privado para outro lugar privado. Da casa pro trabalho, do trabalho para a escola, da casa para o shopping center e assim por diante. Mas aparentemente a cidade está se reinventando e redescobrindo a rua. Do churrascão de gente diferenciada, em 2010, em Higienópolis (ele próprio motivado pela recusa de alguns moradores do bairro de receber uma estação de metrô ali) aos blocos com milhares de pessoas neste carnaval de 2016. Passando, obviamente, pelas manifestações do Movimento Passe Livre, pelas marchas da maconha, das vadias e do orgulho LGBT, pelo mar de gente (sobretudo gente de direita) que tomou as ruas no junho de 2013, pelos protestos pró-impeachment de Dilma convocados na sequencia pela oposição e também pelas manifestações convocadas logo depois por movimentos populares, centrais sindicais e partidários de esquerda. E, claro, pela tomada espontânea das ruas pelos blocos e seus milhares de seguidores, com o apoio da atual gestão municipal.

Houve um tempo, por exemplo, em que era muito forte e muito aceito entre os paulistanos o argumento de que a Av. Paulista não podia ser palco de manifestações públicas, por conta dos tantos hospitais e empresas que há na região. Mas esse tempo, definitivamente, ficou no passado. Hoje quando se vê a principal via pública da cidade ocupada aos domingos por famílias, e não por carros, e em todos os outros dias por skatistas, artistas, ciclistas, casais de namorados (hetero e homossexuais) e tantas outras pessoas que expressam a diversidade desta cidade percebe-se que algo está em plena mudança. Para onde, é dificil ainda precisar, mas é importante lembrar, por outro lado, que em muitos bairros paulistanos as pessoas se trancam em casa assim que escurece. Que muitas crianças, à exceção de alguns bairros na periferia, estão crescendo em SP sem viver a experiência de brincar fora de algum espaço protegido por muros e grades. Que muitos idosos levam uma vida de medo nesta cidade, inebriados por programas sensacionalistas de TV que faturam com a insegurança pública. Que muitos bairros são apenas dormitórios, dos quais milhões de trabalhadores de baixa renda saem todas as manhãs e para os quais voltam somente para dormir, a noite, e onde há todo tipo de carência.

Importante lembrar que os próprios blocos de carnaval, em especial estes mais famosos, de dentro e de fora da cidade, e que desfilam no circuito mais central, do Ibirapuera à Vila Madalena e à região da Paulista, ainda parecem ser eminentemente frequentados por gente branca de classe média. Ainda assim, é um avanço. A rua, antes na cabeça de muitos de nós de classe média apenas uma linha a unir dois pontos, vai se tornando cada vez mais lugar de permanência. Para a manifestação e para a festa. Para a reivindicação e para a fabulação. Para o punho cerrado e para o abraço apertado. Para a palavra de ordem e para o sorriso, a dança e o beijo. Para a luta e para arte e o amor. Que continue assim.

*Wagner Iglecias é doutor em Sociologia e professor da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP

No artigo

Comentários