Assédio no Carnaval: Jovem faz denúncia contra bar na Vila Madalena, em SP

De acordo com uma universitária, ela e as amigas foram vítimas de assédio a agressão no bar Quitandinha, um dos mais frequentados da região, e teriam sido completamente ignorada pelos funcionários, que teriam amizade com os agressores; estabelecimento não se pronunciou. Confira a íntegra...

1850 0

De acordo com uma universitária, ela e as amigas foram vítimas de assédio a agressão no bar Quitandinha, um dos mais frequentados da região, e teriam sido completamente ignorada pelos funcionários, que seriam “amigos” dos agressores; estabelecimento refuta as acusações e ameaça de processar as vítimas caso o episódio não seja comprovado. Confira a íntegra do rela

Por Redação

quita

Apesar de o Carnaval deste ano contar com campanhas e até marchinhas contra o assédio, um primeiro relato de agressão já circula com força pelas redes sociais. Uma jovem universitária publicou em seu Facebook, na noite da última sexta-feira (5), um texto em que revela que foi vítima de assédio e agressão no bar Quitandinha, um dos mais frequentados no principal reduto dos blocos de rua em São Paulo, a região da Vila Madalena.

“O Carnaval começou com uma dose cavalar de silenciamento”, escreveu a jovem na abertura da postagem que já tem mais tem mais de 16 mil compartilhamentos.

Em seu relato, a estudante conta que estava na mesa do bar com uma amiga e que foram abordada por outros dois homens, que aproveitaram para sentar no momento que os amigos das garotas levantaram para sair e fumar. Depois de se recusarem a interagir com os agressores, uma das jovens teria sido agarrada pelo braço e depois ambas teriam sido xingadas e ofendidas. Com medo, a jovem relatou que procuraram pelo gerente, que teria dado um cumprimento “caloroso nos agressores” e que, no fim das contas, foram obrigadas a se retirarem do bar.

“Um dos agressores finalmente saiu do bar para falar com a polícia. E a cena foi a seguinte: ele e o policial se cumprimentaram com um toque íntimo de mão e algumas risadas. Apontaram para nós, nos chamaram de histéricas, e retornou para sentar dentro do bar com seu amigo. Tranquilo. Suave”, completou a jovem, informando ainda que o policial disse que “não poderia fazer nada” e ela deveria ir com o agressor até a delegacia para registrar um boletim de ocorrência.

Procurados pela reportagem da Fórum, os responsáveis pelo bar Quitandinha refutaram as acusações e garantiram que, se o fato não for comprovado, entrará com processo por “calúnia e difamação” contra as vítimas. Confira a resposta completa aqui.

Nas redes sociais, internautas vêm articulando uma campanha contra o estabelecimento. Na página do bar no Facebook, por exemplo, há dezenas de mensagens de críticas e avaliações negativas.

Não trato sobre lugares coniventes e com equipe conivente ao machismo e à agressão sexista.

Posted by Renato Stockler on Saturday, 6 February 2016

Um lugar que nao respeita mulheres, e que amigo do dono vale mais que respeito por clientes.

Posted by Bia Amaral on Friday, 5 February 2016

Confira a íntegra do relato:

O Carnaval começou com uma dose cavalar de silenciamento.
Senta que lá vem textão.

Ontem à noite, eu e meus amigos tivemos a infelicidade de ir parar no Bar Quitandinha, na Vila Madalena. Sentamos em um mesão com nossos amigos homens e só eu e a Isabella de mulher. Bebemos algumas durante umas horas, até que todos os homens resolveram se levantar para ir fumar ao mesmo tempo. Absolutamente normal. Eu e ela continuamos sentadas, batendo papo.

E, no intervalo de 5 minutos sem a escolta masculina, um absurdo aconteceu.

Dois caras se sentaram na nossa mesa de forma extremamente desrespeitosa. Puxaram a cadeira e se acomodaram, sem nenhum tipo de convite ou abertura. Tentaram puxar papo insistentemente, enquanto nós desconversávamos, bastante incomodadas. Um deles achou conveniente se servir da nossa cerveja. Obviamente indignadas com a situação, pedimos para que ele não fizesse isso e deixasse a mesa. Ele ignorou e seguiu fazendo o que bem entendesse. Chamamos o garçom e pedimos para ele afastar os caras, que, a esse ponto, já estavam perdendo a linha. Nada – nada – foi feito.

Enquanto eu e a minha amiga tentávamos ignorar os dois trogloditas, eles resolveram partir para o contato físico, já que uma conversinha amigável não estava adiantando. Um deles puxou meu braço. Pedi para ele não tocar em mim. E aí, meu amigo, imagina um cara que ficou puto. Como assim eu não posso tocar numa mulher que tá sentada sozinha? Eles se levantaram da mesa e começaram a nos xingar dos piores nomes da face da terra. “Puta e “lixo” foram dos mais leves. Disseram que não queriam nos tocar mesmo, já que somos feias, gordas e escrotas. Que eles tinham tanto dinheiro (?) que poderiam até nos comprar, se eles quisessem. É. Esse tipo de babaca.

O garçom chegou com o gerente no meio da discussão. Ah! Esses daí vão ajudar a gente, pensamos. Até parece. Eles deram um cumprimento caloroso nos dois assediadores – clientes da casa há 10 anos, reforçaram inúmeras vezes, para tirar a nossa credibilidade. E, ao invés de retirar os caras, o segurança nos retirou, de forma bruta. Sim. As duas meninas que estavam sentadas na mesa tomando conta das nossas próprias vidas. Nesse ponto, nossos amigos homens já tinham voltado e estavam tentando convencer a equipe do bar de que a culpa não era nossa, também em vão, também indignados com tudo.

Saímos e o gerente veio conversar conosco. Aliás, conversar não, dar mais um dose de humilhação. Enquanto minha amiga tentava explicar o absurdo que tinha acontecido, o tal gerente não a olhou nos olhos nenhuma vez e bufava com desprezo. Quando resolveu falar, disse que, se não houve agressão física (que aliás, mais tarde, descobri roxos e cortes nos meus braços, adquiridos no momento em que o lindo me segurou para me xingar), não poderia fazer nada. Que os dois indivíduos que nos assediaram eram clientes e não iriam lidar com as nossas acusações.

Enquanto tudo isso acontecia, a dupla ficou lá dentro, tranquila, sendo servida como príncipes. Olhavam para trás entre um gole e outro para rir mais um pouquinho da nossa cara e nos mostrar o dedo do meio.

A polícia chegou. Ufa, quem sabe agora vai nos escutar? Pff. Não dá pra fazer nada não, moça. Se você quiser, vai ter que ir até a putaqueopariu fazer um BO junto com os seus agressores. Tudo o que você precisa ouvir em um momento traumático e sem nenhum suporte.

Um dos agressores finalmente saiu do bar para falar com a polícia. E a cena foi a seguinte: ele e o policial se cumprimentaram com um toque íntimo de mão e algumas risadas. Apontaram para nós, nos chamaram de histéricas, e retornou para sentar dentro do bar com seu amigo. Tranquilo. Suave.

Tudo isso aconteceu diante dos nossos olhos ardendo de chorar de impotência e raiva. Nenhum grito foi suficiente para ser ouvida: nem pelos dois caras, nem pela equipe do bar, nem pela polícia. Ninguém saiu perdendo, só nós: as mulheres, vítimas daquela merda toda.

‪#‎vamosfazerumescândalo‬

 

Foto: Divulgação

Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora e receba em seu endereço!



No artigo

Comentários