China prepara um exército de mosquitos para eliminar o vírus Zika

Um programa piloto para reduzir a população de Aedes aegytpi pode ser implementado em março próximo. Embora até agora não tenha havido casos de Zika na China, o pesquisador Guo Yuhong, da Yat-sen University Sun, afirmou que o mosquito é encontrado em algumas partes...

791 0

Um programa piloto para reduzir a população de Aedes aegytpi pode ser implementado em março próximo. Embora até agora não tenha havido casos de Zika na China, o pesquisador Guo Yuhong, da Yat-sen University Sun, afirmou que o mosquito é encontrado em algumas partes do país

Por Portal Vermelho

zica89662

Um programa piloto para reduzir a população de Aedes aegytpi, o mosquito que transmite o vírus Zika , dengue e chikungunya, pode ser implementado em março próximo, na China, onde se espera produzir espécimes infectados com Wolbachia para impedir a reprodução.

Professor de microbiologia na Yat-sen University Sun explicou que esses mosquitos podem ser espalhados com a ajuda de drones em três partes da província de Guangdong.

Conforme relatado no China Daily , esses insetos são do sexo masculino e não picam. Além disso, no acasalamento, as fêmeas produzem ovos inférteis, o que pode reduzir a população.

Embora até agora não houve casos de Zika na China, o pesquisador Guo Yuhong disse que o mosquito é encontrado em algumas partes do país. O especialista alertou para possíveis riscos do experimento com Wolbachia, porque ainda não está claro o “potencial impacto sobre o ecossistema das espécies Aedes aegypti.”

Em uma experiência semelhante no ano passado, a China conseguiu reduzir a população do mosquito em 90%, o que permitiu o controle do surto local de dengue.

Até agora, a região do mundo mais afetada pela zika é a América Latina, com o Brasil como o país com o maior número de casos desta doença, o que pode causar microcefalia. Também foram detectados alguns casos na América do Norte e Europa.

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



No artigo

Comentários