A manobra de Moro para quebrar o sigilo no caso do sítio

A nova frente de investigação aberta exclusivamente com foco no sítio de Atibaia não teria a intenção de condenar o ex-presidente Lula, uma vez que a comprovação de propriedade do sítio seria "praticamente impossível". "É uma operação feita para desmoralizar politicamente", diz um jurista...

361 0

A nova frente de investigação aberta exclusivamente com foco no sítio de Atibaia não teria a intenção de condenar o ex-presidente Lula, uma vez que a comprovação de propriedade do sítio seria “praticamente impossível”. “É uma operação feita para desmoralizar politicamente”, diz um jurista ouvido pelo Jornal GGN

Por , do Jornal GGN

moro-sitio-lula_0

No pedido da Polícia Federal para a abertura de um inquérito exclusivo ao caso do sítio de Atibaia, onde Lula seria visitante frequente, os delegados informaram que as investigações necessitariam um sigilo elevado. Em resposta, o juiz Sergio Moro aparentou acatar a sugestão e determinou que, a partir daquele momento, toda a investigação corresse em segredo de justiça, incluindo a sua própria decisão.

Antes de vazar a informação para a imprensa, Moro aparentava aceitar o sigilo e ainda enfatizou que seria “aconselhável a anexação de documentos com sigilo elevado em procedimento que tramita sem segredo de justiça”. A decisão é datada do dia 4 de fevereiro.

Reprodução - Pedido da PF
Reprodução - Despacho Moro

Logo, ao divulgar a autorização da abertura de um novo inquérito, Moro quebrou a regra de sigilo. Para não quebrar a aura de legalidade que cerca a Lava Jato, na manhã da quarta-feira (10), disse que o despacho foi “lançado automática e inadvertidamente” no sistema que permite ao público consultar os processos que tramitam na Justiça Federal, sem os devidos cuidados para manter o segredo sobre a investigação.

Com a ampla publicidade do caso nos jornais por todo o Brasil, Sergio Moro decidiu, no segundo despacho publicado seis dias depois, nesta quarta, que “prejudicado o sigilo” da decisão de desmembrar o inquérito, já “não faz sentido mantê-lo [o sigilo]”.

A tática do juiz de quebrar o sigilo, com os devidos cuidados, insere-se na estratégia atual de manter o fogo elevado no mês de fevereiro [leia mais: bit.ly/1PF7nUK]. Nessa linha, Paulo Moreira Leite também lembra, em sua coluna, que o vazamento do inquérito com mira no ex-presidente abafa a notícia da delação premiada de Fernando Moura, que incidiria sobre o senador Aécio Neves (PSDB-MG).

De acordo com juristas ouvidos pelo GGN, a nova frente de investigação aberta exclusivamente com foco no sítio de Atibaia – paralelamente a outro inquérito que já apurava suspeitas de lavagem de dinheiro pela OAS com recursos de contratos da Petrobras – não tem a intenção de condenar o ex-presidente Lula, uma vez que a comprovação de propriedade do sítio seria “praticamente impossível”.

“Esse caso, para quem tem o mínimo de experiência [jurídica] é aquele que fatalmente não para em pé. Se processado, [o ex-presidente] vai ser julgado inocente. Propriedade, de fato, tem que se dar por transcrição, para se provar que o Lula tem a posse, é muito difícil, porque ele não mora lá. A única finalidade é se construir uma denúncia, sem ter a condenação. É uma operação feita para desmoralizar politicamente. Irão tocar o inquérito, divulgar documentos até o que der, tentarão construir uma denúncia se o MPF oferecer, e já sabendo que irão perder. Sabendo da inocência do réu”, disse um dos especialistas consultados.

Fotomontagem: Jornal GGN

No artigo

Comentários