Empresa contratada pelo governo de SP fecha as portas e abandona trabalhadores sem salário

Cerca de 1.500 funcionários da Higilimp, empresa que presta serviços para órgãos como Metrô, USP e alguns hospitais, estão há mais de um mês sem salários e benefícios e foram surpreendidos, no meio do Carnaval, com a notícia de que a companhia havia falido;...

3184 0

Cerca de 1.500 funcionários da Higilimp – empresa que presta serviços para órgãos como Metrô, USP e alguns hospitais – estão há mais de um mês sem salários e benefícios e foram surpreendidos, no meio do Carnaval, com a notícia de que a companhia havia falido; sindicato luta para que governo e gestores arquem com os custos e readmita trabalhadores, que já começam a ser desligados

Por Ivan Longo

higilimp

A luta de movimentos sociais, sindicatos e trabalhadores contra a ampliação da terceirização – em tramitação na Câmara dos Deputados através do Projeto de Lei (PL) 4330/2004 – ganhou ainda mais força nesta quinta-feira (11) com a mobilização de centenas de trabalhadores que, há mais de um mês sem salário, correm o risco de serem demitidos. Cerca de 1.500 funcionários da Higilimp, empresa de limpeza contratada pelo governo de São Paulo para atuar em órgãos como a Universidade de São Paulo (USP), o Metrô e alguns cemitérios e hospitais, estão desde janeiro sem receber salário e nenhum tipo de benefício e ainda foram surpreendidos, em pleno Carnaval, com a notícia de que a empresa havia falido.

Ao longo do feriado, equipamentos de limpeza foram retirados da USP e do Metrô e os escritórios da companhia foram fechados. Nenhum responsável foi localizado e, abandonados, os trabalhadores começaram uma mobilização na manhã desta quinta-feira (11). No Metrô, banheiros de estações da Linha 1 – Azul foram interditados por falta de limpeza.

“No final de semana veio a informação de que a empresa faliu. Muito trabalhador entrou em pânico por que mesmo sem salário e sem nem o vale transporte, continuavam comparecendo ao trabalho na esperança de uma negociação. Os terceirizados da USP são os mais precarizados. E é justamente o tipo de trabalhador que trabalha de manhã para ter o que comer a noite”, disse à Fórum uma representante do Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp), que apoiou a mobilização dos funcionários que ainda tentam uma negociação com a reitoria da universidade. De acordo com o Sintusp, a ideia é que a reitoria, uma vez que foi a responsável pela contratação da empresa, assuma os custos dos atrasos e recoloque os trabalhadores em seus postos.

“Esta não é a primeira vez que a empresa Higilimp pratica este tipo de fraude e, misteriosamente retorna com novos contratos com a Universidade”, destacou o diretor do Sintusp, Claudionor Brandão.

Já no Metrô, os trabalhadores da Higilimp, que atuam na Linha 1 – Azul, contaram na manhã de hoje (11) com o apoio do Sindicato dos Metroviários.

“É escandaloso. É importante dizer que existe no país uma tentativa de ampliar a terceirização. E dá nisso que estamos vendo agora. O Metrô que se benefeciou com o trabalho desses terceirizados deve assumir. Não tem que esperar ir para a Justiça pra receber o que é de direito”, afirmou o diretor Raimundo Cordeiro.

A Higilimp, inclusive, já desrespeitou decisões da Justiça em relação a esses salários atrasados. A última determinação do Ministério do Trabalho e Emprego era que a companhia acertasse os salários atrasados de 400 funcionários que atuavam no Metrô até o última dia 5.

“Não é primeira vez que eles atrasam salários e o sindicato está acompanhando, tentando negociar. Desde ontem estamos contatando as pessoas e fazendo os desligamentos. Estamos tentando negociar com gestor por gestor mas provavelmente o governo queira que isso vá para a Justiça comum. A primeira etapa é se mobilizar para fazer esse processo de desligamento, baixa na carteira, etc e, depois, pensar em um processo coletivo contra a empresa e ir para a Justiça”, disse à Fórum a assessora de imprensa do Siemaco, sindicato que representa os trabalhadores terceirizados.

Procurada pelo repórter da Fórum, a administração do Metrô não se pronunciou quanto à mobilização dos trabalhadores para que a companhia do governo assuma as dívidas. A reitoria da USP, por sua vez, informou por meio de nota que poderá efetuar o pagamento dos salários atrasados “desde que os responsáveis pela empresa sejam localizados e forneçam os dados da folha de vencimentos”. Caso contrário, a universidade garante que creditará “em conta judicial o valor referente à prestação de serviço, a partir de ação impetrada pelo Siemaco”.

Novas mobilizações de trabalhadores da Higilimp estão marcadas para acontecer na manhã desta sexta-feira (12).

Foto: Esquerda Diário

Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora e receba em seu endereço!



No artigo

Comentários