Zika vírus: especialistas defendem autonomia da mulher sobre aborto

Com o aumento dos casos do vírus zika, o debate sobre o aborto no Brasil foi reaberto. Um grupo de advogados, acadêmicos e ativistas ingressará no Supremo Tribunal Federal (STF) com uma ação para conceder o direito à interrupção da gravidez nos casos decorrentes...

1108 0

Com o aumento dos casos do vírus zika, o debate sobre o aborto no Brasil foi reaberto. Um grupo de advogados, acadêmicos e ativistas ingressará no Supremo Tribunal Federal (STF) com uma ação para conceder o direito à interrupção da gravidez nos casos decorrentes de microcefalia motivados pela epidemia

Por Rede Brasil Atual

aborto

“Tudo indica que há uma relação entre o zika vírus e o quadro neurológico de má formação em bebês, incluindo a microcefalia. Porém, há muita incerteza sobre o diagnóstico e as consequências da doença ao feto”, afirma Simone Diniz, professora da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, em entrevista à repórter Anelize Moreira, da Rádio Brasil Atual.

“Na epidemia de zika, a gente tem uma grande incerteza. O diagnóstico de uma formação da doença é muito tardio, então, as pessoas vão tomar decisões diante da incerteza. Mesmo que você não tenha sintoma, você pode ter zika. Mesmo você tendo zika, não se sabe se comprometerá o bebê. Então, as pessoas têm de decidir durante uma incerteza”, acrescenta.

Com o aumento dos casos do vírus zika, o debate sobre o aborto no Brasil foi reaberto. A atual legislação permite a interrupção da gravidez durante os casos de risco à saúde da gestante, estupro, ou quando o feto é anencefálico.

Um grupo de advogados, acadêmicos e ativistas, ingressará no Supremo Tribunal Federal (STF) com uma ação para conceder o direito ao aborto nos casos decorrentes de microcefalia motivados pela epidemia do zika vírus.

Simone Diniz, representante do grupo de gênero da Associação Brasileira de Saúde Coletiva, diz que a proibição de abortos nesses casos pune as mulheres pobres. “No Brasil, temos uma legislação atrasada e reacionária. E o país vive uma realidade onde as pessoas que têm dinheiro abortam de maneira segura, e as pessoas pobres são sujeitas a formas que agravam sua saúde. Todas as iniciativas que ampliam a autonomia da gestante são importantes dentro dessa situação que estamos enfrentando. Talvez o zika vírus seja uma oportunidade de discutirmos de forma honesta o quadro de covardia com as mulheres pobres que a legislação impõe.”

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a cada dois dias uma mulher morre no Brasil em decorrência dos cerca de 800 mil abortos ilegais por ano.

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) considera que, mesmo diante de uma situação grave, não justifica a defesa do aborto para casos de microcefalia. Entretanto, o Conselho Federal de Psicologia defende os direitos de escolha das gestantes. A integrante do conselho Maggi Porto afirma que todas as discussões de aborto no Brasil estão pautadas por questões religiosas, e não da mulher como sujeito de direitos.

“A Igreja diz que as mulheres devem assumir seu papel de reprodutora. Isso é construído em uma sociedade patriarcal. Nós queremos desconstruir esse modelo apresentando que mulheres são sujeitos de direito e cabe a elas a decisão sobre sua própria vida”, diz Maggi.

A ONU pediu que os países revoguem as leis que limitam o acesso ao serviço de saúde sexual e reprodutiva, inclusive o aborto, para fazer frente à disseminação do vírus zika, que pode causar a microcefalia em fetos.

“Agora o Brasil terá de responder a uma entidade internacional se é um país democrático e laico, ou é um país que está sendo administrado por uma lei religiosa, para que as mulheres façam a decisão do aborto, não o Estado”, diz a professora da USP.

A epidemia está relacionada à falta de políticas efetivas de erradicação do Aedes aegypti, como explica a representante do Conselho Federal de Psicologia. “O que ocorre hoje é que os homens estão abandonando as mulheres. E fica uma situação em que parece que as mulheres são as responsáveis.”

Simone ressalta que diante da epidemia o país precisa disponibilizar devida assistência às gestantes. “As mulheres precisam de apoio, tanto no aborto seguro, quanto no cuidado a elas e aos bebês, que vão precisar de ajuda do Estado para ter o mínimo de dignidade.”

Foto de capa: Fernando Frazão/Agência Brasil

Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora e receba em seu endereço!



No artigo

Comentários