Justiça Militar revoga prisão de quatro PMs suspeitos da chacina de Osasco

Série de ataques em Osasco e Barueri, na Grande São Paulo, resultou na morte de 19 pessoas em agosto do ano passado Camila Boehm, da Agência Brasil...

288 0

Série de ataques em Osasco e Barueri, na Grande São Paulo, resultou na morte de 19 pessoas em agosto do ano passado

Camila Boehm, da Agência Brasil

foto: reprodução

A Justiça Militar revogou a prisão de quatro policiais militares presos por suspeita de participação na chacina de Osasco e Barueri, na região metropolitana de São Paulo, ocorrida em 13 de agosto do ano passado e que deixou 19 mortos, segundo números oficiais.

De acordo com a Corregedoria da Polícia Militar, “as prisões expedidas anteriormente pela Justiça Militar foram revogadas, porque o processo será encaminhado para a Justiça de Osasco”. No entanto, os quatro policiais, que foram soltos sexta-feira (12), ficarão sob a responsabilidade da corregedoria, cumprindo expediente administrativo.

No total, sete policiais foram presos no ano passado por suspeita de envolvimento nos crimes. Os outros três policiais continuam presos, segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP), porque seus mandados de prisão foram expedidos pela justiça comum. A secretaria afirmou ainda que há um processo administrativo em andamento contra os policiais na Polícia Militar.

Chacina

Na noite dos ataques, ocorridos nas cidades de Osasco e Barueri, 18 pessoas foram mortas. Uma menina de 15 anos, que foi atingida em um deles, morreu em 27 de agosto, após ficar internada em estado grave no Hospital Regional de Osasco, com um ferimento abdominal. Entre as hipóteses para os crimes, a polícia investigou a vingança pela morte do policial militar Ademilson Pereira de Oliveira, em 7 de agosto, em Osasco e o revide à morte de um guarda-civil, no dia 12 de agosto, em Barueri.

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



No artigo

Comentários