Apeoesp rebate Rede Globo: porta-vozes do governo do Estado

Sindicato dos professores das escolas estaduais paulistas protestou por conta da emissora ter desqualificado os dados apresentados pela entidade sem pesquisar sobre o assunto Da Redação A presidenta da Apeoesp (Associação...

576 0

Sindicato dos professores das escolas estaduais paulistas protestou por conta da emissora ter desqualificado os dados apresentados pela entidade sem pesquisar sobre o assunto

Da Redação

foto: reprodução - Facebook

A presidenta da Apeoesp (Associação dos Professores da Rede Oficial do Estado de São Paulo), Maria Izabel Azevedo Noronha, enviou uma carta ao jornalista César Tralli – com cópia para o diretor de jornalismo da Rede Globo, Ali Kamel – em que protesta contra a forma como a emissora tratou os dados feitos pela entidade sobre o fechamento de salas de aula pelo governo Geraldo Alckmin.

Segundo Bebel, a reportagem divulgou a contestação do governo paulista aos dados apresentados pela Apeoesp, mas sequer se deu ao trabalho de ouvir a entidade sobre o levantamento. “Sem ouvir a APEOESP, nos chama de mentirosos, de foram assertiva, inclusive com uma entonação de voz intencional da repórter ao dizer que a ‘apuração do sindicado está ERRADA’, induzindo desta forma a um juízo de valor por parte do telespectador. Em seguida, a repórter passa a ouvir um dirigente regional de ensino e, finalmente, o Secretário Estadual da Educação para, novamente, reforçar a posição do Governo Estadual, como se nós, da APEOESP, fôssemos pessoas levianas e sem responsabilidade”, protestou.

Para ela, a emissora não faz jornalismo investigativo, ainda mais quando o assunto são irregularidades na gestão do governo de São Paulo. “Vocês se limitam à condição de porta-vozes do Governo do Estado, acreditando a priori nas informações da Secretaria da Educação em detrimento das nossas”, afirma. Bebel cita ainda outras vezes em que a Rede Globo preferiu publicar a versão do governo de Geraldo Alckmin sem checar o que estava ocorrendo de fato.

Leia a carta na íntegra:

Senhor César Tralli,

Assisti à edição do jornal SPTV 1ª edição de hoje, 15/02, e fiquei indignada com a reportagem sobre a volta às aulas na rede estadual de ensino, sobretudo ao ouvir a repórter corroborar a posição da Secretaria Estadual da Educação de que estaria errado o levantamento feito pela APEOESP sobre o fechamento de classes que está ocorrendo em todo o estado de São Paulo e que, neste momento, chega a 1112 classes. E este número continua crescendo.

Vosso telejornal, sem ouvir a APEOESP, nos chama de mentirosos, de foram assertiva, inclusive com uma entonação de voz intencional da repórter ao dizer que a “apuração do sindicado está ERRADA”, induzindo desta forma a um juízo de valor por parte do telespectador. Em seguida, a repórter passa a ouvir um dirigente regional de ensino e, finalmente, o Secretário Estadual da Educação para, novamente, reforçar a posição do Governo Estadual, como se nós, da APEOESP, fôssemos pessoas levianas e sem responsabilidade. O senhor qualificaria isto de jornalismo isento, correto, ético?

Vocês se limitam à condição de porta-vozes do Governo do Estado, acreditando a priori nas informações da Secretaria da Educação em detrimento das nossas. A Rede Globo, como as demais, é uma concessão pública, mas não pratica jornalismo investigativo quando se trata de assunto que possa incomodar o Governo do Estado; não busca a verdade dos fatos. A matéria de hoje presta um desserviço aos estudantes, às famílias, aos professores, à educação pública no estado de São Paulo. Amanhã ou depois terão que se dobrar aos fatos, pois o número de classes fechadas não para de aumentar.

Não é a primeira vez que a Rede Globo de Televisão age desta forma contra a APEOESP e contra os professores. Em 2015, vocês reproduziram as versões da Secretaria Estadual de Educação de que não havia greve na rede estadual de ensino, até que foram obrigados a reconhecer a realidade. Agora, fazem referência à “maior greve dos professores estaduais”, como se nunca tivessem agido de outra forma.

Também puseram em dúvida nossas informações sobre a reorganização da rede estadual de ensino, fazendo coro com o Governo Estadual quando dizia que estávamos exagerando ou inventando. Novamente, tiveram que reconhecer a realidade concreta, quando o movimento iniciado pela APEOESP ganhou corpo e extrapolou a própria categoria, envolvendo estudantes, pais, comunidades e movimentos sociais, levando finalmente o Governador a recuar e a Justiça a determinar a suspensão do processo.
Novamente tentam desmoralizar a APEOESP perante a opinião pública, nos qualificando de mentirosos. Não vamos admitir. Sequer nos deram a oportunidade de demonstrar nossos dados, que a TV Globo, assim como os demais meios de comunicação, recebe de forma detalhada, com os nomes das escolas, suas regiões e os números de classes fechadas. Escolheram justamente uma escola que ganhou mais uma classe para, a partir daí, enfatizar uma avaliação enganosa da Secretaria da Educação.

Nosso levantamento é sério. Aliás, se o levantamento é de autoria da APEOESP, deveriam ter solicitado ao sindicato que indicasse as escolas a serem visitadas, como procedem quando lhes interessa. Mas o propósito da Rede Globo neste caso não parece ser o de informar e sim de prestar um serviço ao Governo Estadual, cuja imagem está cada vez mais desgastada nas escolas e na sociedade.

Não aceitamos isto e não autorizamos mais a Rede Globo a citar nossos levantamentos nem utilizar o nome da APEOESP em seus telejornais, sob pena de processo judicial. Não queremos ser desrespeitados. Somos o maior sindicato da América Latina e sabemos enfrentar os projetos do Governo Estadual que prejudicam os professores e a educação e também a Rede Globo, se for necessário.
Atenciosamente,

Maria Izabel Azevedo Noronha – Presidenta da APEOESP
C/c: Ali Kamel Diretor Geral de Jornalismo e Esportes da Rede Globo de Televisão

Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora e receba em seu endereço!



No artigo

Comentários