Cunha tem dez dias para se defender sobre pedido de afastamento

O presidente da Câmara dos Deputados foi notificado nesta terça-feira (16) pelo STF sobre pedido de afastamento de seu mandato feito em dezembro do ano passado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot; a partir deste aviso, começa a contar o prazo de dez dias...

365 0

O presidente da Câmara dos Deputados foi notificado nesta terça-feira (16) pelo STF sobre pedido de afastamento de seu mandato feito em dezembro do ano passado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot; a partir deste aviso, começa a contar o prazo de dez dias para defesa

Por Priscila Manezotti, na EBC

Presidente-da-Camara-dos-Deputados-Eduardo-Cunha-preside-sessao-de-votacao-foto-Fabio-Rodrigues-Pozzebom-Agencia-Brasil_0005

O Supremo Tribunal Federal notificou o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, sobre o pedido de afastamento dele do mandato, feito em dezembro do ano passado pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, à Suprema Corte.

A partir deste aviso, começa a contar o prazo de dez dias para defesa. O advogado de Cunha, Antônio Fernando, negou ter conhecimento sobre a notificação e mantém em segredo qualquer estratégia de defesa.

Eduardo Cunha é acusado de usar o cargo de presidente da Câmara para intimidar parlamentares e cometer crimes. Ele responde a três inquéritos oriundos da Operação Lava Jato, que tramitam no Supremo. Segundo Janot, as acusações são reforçadas pelas delações premiadas de réus da Lava Jato, além das buscas apreensões feitas na residência oficial de Cunha em Brasília e na casa dele no Rio de Janeiro.

Eduardo Cunha nega todas as acusações e tem evitado falar sobre processos que tramitam contra ele no STF, como o que investiga a existência de contas secretas mantidas pelo deputado na Suíça para receber dinheiro de origem ilícita.

Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



No artigo

Comentários