Lei Rouanet, antes ela do que nada

Tenho visto algumas criticas repetidas nas redes sociais há algum tempo, algumas até com o tom de denúncia e revolta pelo tipo de artista que teve seu projeto aprovado para captação de recursos. Aqui vai a opinião de um profissional que trabalha no mercado cultural...

1228 0

Tenho visto algumas criticas repetidas nas redes sociais há algum tempo, algumas até com o tom de denúncia e revolta pelo tipo de artista que teve seu projeto aprovado para captação de recursos.

Aqui vai a opinião de um profissional que trabalha no mercado cultural há 20 anos. Muitos acham absurdo a Maria Bethânia, Luan Santana, Claudia Leite terem seus projetos aprovados pela CNIC (Comissão Nacional de Incentivo à Cultura) muitos por falta de conhecimento acham que o valor do projeto aprovado é o valor já pago a tal artista pelo Governo. Olha que deles só gosto da Bethânia.

Aqui vai o primeiro equivoco, ter o projeto aprovado quer dizer que o artista e seus produtores estão aptos a conseguir recursos junto as empresas interessadas em patrocina-lo e ao fazer isso a empresa pode abater do imposto a ser pago. Não quer dizer que ele já conseguiu.

Bom mas a questão aqui não é essa, o Ministério da Cultura não deve entrar no mérito se um artista tem ou não mais capacidade de arrumar dinheiro para seu projeto. Ele tem que aprovar o projeto que estiver dentro dos critérios da Lei. Se quisermos mudar isso temos muito pela frente, para começar dar mais valor a cultura nesse Brasil.

O problema da Lei Rouanet é dar o poder decisório do destino do dinheiro na mão das empresas, e mais especificamente na mão dos departamentos de marketing. Sim são eles que escolhem qual projeto vai receber os recursos que depois serão abatidos do Imposto de Renda a ser pago pela empresa.

Então me digam, diante do cenário da educação no nosso País, a qualidade dos profissionais formados pelas universidades de marketing, que tipo de artista e projetos eles vão querer apoiar? Qual tipo de artista vai dar mais retorno para a marca? Quem os acionistas vão gostar mais de visitar no camarim? Os meninos da banda Cabinhas do projeto Casa Grande no interior do Ceará ou a Claudia Leite, Miguel Falabella e outros globais? Não aprendemos nas escolas o valor intangível das coisas, aprendemos principalmente como ficar rico, como ter sucesso. Não aprendemos nem ao menos amar a cultura do nosso povo.

Vejam que aqui fala uma pessoa que usou em 20 anos de projetos culturais 7 vezes até hoje os recursos da Lei. Se perguntarem se eu gostaria que ela existisse eu digo que não. Mas contar com a visão das empresas reconhecendo que investir em cultura é uma ação estratégica e estruturante?

Esperemos sentado, enquanto isso a Lei Rouanet é um mecanismo necessário para que um dia quem sabe não precisemos mais dela.

 


Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum e recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa e ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses.




Você ganha descontos em livros e produtos do programa Sócio Fórum, recebe a cada 3 meses um livro das Edições Fórum na sua casa, ganha 1 caneca personalizada da Fórum após 6 meses e 1 camiseta personalizada após 1 ano.





Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.





No artigo

Comentários