Carlos Gerbase responde a Roger Moreira: a gente somos lixo?

Depois de vocalista do Ultraje a Rigor reclamar da maneira como a banda foi tratada ao abrir para o Rolling Stones no Rio, o cineasta, jornalista e professor universitário lembra como Os Replicantes, banda da qual era baterista, foi tratada quando abriu um show...

1872 0

Depois de vocalista do Ultraje a Rigor reclamar da maneira como a banda foi tratada ao abrir para o Rolling Stones no Rio, o cineasta, jornalista e professor universitário lembra como Os Replicantes, banda da qual era baterista, foi tratada quando abriu um show da banda paulista em Porto Alegre

Da Redação

Reprodução : Facebook. (Foto de Adolfo Gerchman. Da esquerda para a direita, Heron Heinz, Wander Wildner, Carlos Gerbase e Claudio Heinz)

O professor universitário, cineasta e jornalista Carlos Gerbase publicou nas redes sociais um texto em que lembra a experiência de ter aberto um show do Ultraje a Rigor em Porto Alegre nos anos 1980. Na época, a banda de Roger Moreira fazia sucesso nacional com a música “Inútil” e Gerbase era baterista da banda Replicantes, um dos expoentes do rock gaúcho.

No fim de semana, Roger protestou contra a forma como sua banda foi tratada ao abrir para os Rolling Stones no Rio de Janeiro. Além dos problemas com a produção, ele foi chamado de “coxinha” pela plateia, em função de suas posições contrárias à presidenta Dilma Rousseff, o ex-presidente Lula e o PT.

Apesar de não entrar no mérito das condições contratuais entre a produção da banda inglesa e o grupo de Roger, Gerbase conta o desrespeito com o qual a banda de Roger tratou os Replicantes, que abriram para eles em 1986, época de maior sucesso do Ultraje a Rigor. “Pena que nunca abrimos para os Rolling Stones. Pena que nunca toquei na Gretsch do Charlie Watts. Mas ainda bem que nunca sentei na bateria do Ultraje a Rigor. Ela não merecia a minha bunda”, conta.

Leia o texto na íntegra:

O Roger, do Ultraje a Rigor, está reclamando que a sua banda foi maltratada pela equipe dos Rolling Stones, para quem abriram o show no Rio de Janeiro. Ele escreveu em seu Twitter: “Nós somos lixo para eles”. Não sei em que condições contratuais o Ultraje fez seu show, não sei se receberam um bom cachê e não posso opinar sobre o tratamento que a banda recebeu, já que eu não estava lá. Mas posso contar uma pequena história sobre a abertura que a banda Os Replicantes fez para o primeiro show do Ultraje a Rigor em Porto Alegre, lá pelos idos de 1986.
Nós (Os Replicantes de então: Wander Wildner, Heron Heinz, Cláudio Heinz e Carlos Gerbase) éramos amigos dos produtores que trariam o Ultraje para tocar no Auditório Araújo Vianna e fomos convidados para fazer a abertura, sem receber cachê, simplesmente pela oportunidade de tocar num lugar bacana, para um grande público (“Inútil”, do Ultraje, estava rodando bastante nas rádios, e isso garantia o sucesso do espetáculo). Topamos. Na hora de combinar como seria a infra do palco, a produção disse que poderíamos usar os mesmos amplificadores e a mesma bateria do Ultraje.

Minha bateria, na época, era uma Pinguim pequena e de segunda mão, de quem guardo excelentes recordações, mas que não tinha condições de fazer um show profissional para 5 mil pessoas: pedal de bumbo quase estragado, peles quase furando, estantes de pratos quase caindo e pratos (nacionais) já rachados. Como os pratos e a caixa são equipamentos muito pessoais e sujeitos a avarias, combinamos que, apesar de tudo, eu usaria os meus. Punk rock não tem frescura.

De tarde, fomos passar o som. Tudo normal. Sentei na bateria colocada num praticável e comecei a arrumar meus pratos e a caixa, quando alguém me disse que eu não poderia usar aquela bateria, pois o Ultraje não queria emprestar. Tinham ficado sabendo que eu tinha a mania de detonar e derrubar o instrumento no final do show. Mito. A minha pobre bateria é que caía sozinha às vezes. Expliquei para a produção e para os caras do Ultraje que eu tomaria o máximo cuidado, mas não houve acordo.

Faltava menos de uma hora para o show. Não dava tempo para alugar outra bateria. A solução foi pegar meu carro e trazer minha Pinguim velha de guerra, que foi montada na frente do praticável da bateria do Ultraje. Nem o praticável eu pude usar! Lembro do contraste entre a Pinguinzinha, no chão, e aquela bateria enorme e importada sobre o seu praticável. Que merda! Eu me sentia como lixo… Que bom!
Entramos no palco e quebramos tudo (esteticamente falando). Foi um dos shows mais bacanas da história da banda, com direito a muito pogo no fosso do Araújo (que saudade do fosso!). E a Pinguinzinha ali, com seus pratos rachados, suas estantes periclitantes, seu pedal de bumbo arrumado com arame, resistindo bravamente. Tocamos uns quarenta minutos, conforme o combinado, e saímos do palco suados, felizes e com a sensação de termos feito história. Recolhi a Pinguim, botei no porta-malas do meu Chevette (sim, ela cabia inteira no porta-malas) e voltei pra ver o show do Ultraje.

Fazendo sua primeira piada (ou “homenagem”) da noite, os quatro músicos do Ultraje entraram no palco pilchados, isto é, de bombacha e com uns lenços ridículos na cintura. Levaram uma das maiores vaias da história do Araújo. O rock é, antes de qualquer coisa, uma música que derruba convenções e estimula a liberdade, e os caras vêm fantasiados de “gaúchos”. É dose. Comecei a ver o show, aguentei uns vinte minutos e, percebendo o populismo da banda (o tempo todo querendo “agradar” ao público) fui embora.

Essa é a história. Pena que nunca abrimos para os Rolling Stones. Pena que nunca toquei na Gretsch do Charlie Watts. Mas ainda bem que nunca sentei na bateria do Ultraje a Rigor. Ela não merecia a minha bunda.

No artigo

Comentários