Jânio de Freitas: O Brasil não é bem-vindo aos anos 1950

Colunista da Folha de S. Paulo avalia que o país voltou à década em que o “golpismo, o ‘entreguismo’ ameaçador e a ‘república do Galeão'” eram os estigmas daqueles anos. “O golpismo volta no estilo PSDB; acompanha-o o ‘entreguismo’ apontado na retirada de pré-sal da Petrobras, aprovada pelo...

830 0

Colunista da Folha de S. Paulo avalia que o país voltou à década em que o “golpismo, o ‘entreguismo’ ameaçador e a ‘república do Galeão'” eram os estigmas daqueles anos. “O golpismo volta no estilo PSDB; acompanha-o o ‘entreguismo’ apontado na retirada de pré-sal da Petrobras, aprovada pelo Senado; e a versão civil da “república do Galeão”, sob o nome insignificante de Lava Jato, evidenciam juntos o estágio em que o Brasil de fato está”, afirma

Por Jânio de Freitas, publicado na Folha de S. Paulo. Título original: O caminho e o desastre

carlos lacerda

O Brasil experimentou uma democracia frustradamente reformista, passou por golpe de estado, sofreu a tragédia da ditadura militar, voltou à democracia caótica, e chegou. Chegou outra vez aos primeiros anos da década de 1950. O golpismo, o “entreguismo” ameaçador e a “república do Galeão” foram os estigmas daqueles anos. O golpismo volta no estilo PSDB; acompanha-o o “entreguismo” apontado na retirada de pré-sal da Petrobras, aprovada pelo Senado; e a versão civil da “república do Galeão”, sob o nome insignificante de Lava Jato, evidenciam juntos o estágio em que o Brasil de fato está.

Mas, se é desculpável a imodéstia de quem se aproximava da vida de adulto naquela década, o pequeno Brasil que não era então menos discriminatório e menos elitista, no entanto era mais inteligente, culto e criativo, menos incivilizado em suas cidades e muito, muito menos criminal.

O mundo se mediocriza, é verdade. A França o prova e simboliza. Mas o Brasil exagera, iludido por uns poucos e duvidosos avanços econômicos. Como a indústria automobilística, por exemplo, que sufocou os transportes públicos e deformou as cidades, dois efeitos antissociais no sentido menos classista da palavra. A degenerescência entra, porém, em fase nova. E acelerada.

Continue lendo aqui

Foto de capa: Carlos Lacerda em entrevista (reprodução/YouTube)

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



No artigo

Comentários