Ano letivo começa na Argentina com paralisação de professores e 3 milhões de alunos sem aula

Em oito províncias do país sindicatos não conseguiram acordo sobre aumento salarial; ministro da Educação considera que paralisação não foi um ‘bom gesto’ Por Opera Mundi...

814 0

Em oito províncias do país sindicatos não conseguiram acordo sobre aumento salarial; ministro da Educação considera que paralisação não foi um ‘bom gesto’

Por Opera Mundi

macrialunos

O ano letivo teve início nesta segunda-feira (29/02) na Argentina. Mas, em oito localidades do país (Córdoba, Santa Fé, Mendoza, Entre Ríos, Neuquén, Santa Cruz, Terra do Fogo e Chubut), os professores iniciaram uma paralisação devido à falta de acordo na negociação salarial.

Embora na província com mais número de alunos, Buenos Aires, e também na capital federal as aulas tenham iniciado normalmente, devido ao acordo alcançado entre os governos provinciais, federal e os sindicatos, cerca de três milhões de alunos, aproximadamente 1/3 da população em idade escolar, terão as atividades adiadas.

Os professores do interior do país argumentam que o governo do presidente Maurício Macri está demorando para fechar a ata com a proposta salarial e que as negociações provinciais estão atrasadas. Os sindicatos demandam aumentos que variam entre 30% e 50%.

Já o ministro de Educação, Esteban Bullrich, considerou que não foi “um bom gesto” de alguns sindicatos provinciais de “terem votado a paralisação antes do fim da negociação nacional” e disse estar “satisfeito” com o acordo alcançado.

Apesar de a negociação nacional ter sido encerrada, muitas províncias quiseram discutir a proposta com seus sindicatos regionais e não houve tempo hábil para isso, como esclarece Ajejando Demichelis, secretário de imprensa da Ctera (Confederação de Trabalhadores da Educação da República Argentina).

Buenos Aires

Em Buenos Aires, onde as aulas começaram normalmente, o governo provincial, comandado pela macrista María Eugenia Vidal, acordou um aumento de 35% para os professores, sendo que a província assumirá 25%, e o governo nacional, 10%.

A oferta do governo bonaerense contempla um salário inicial de 7.904 pesos (cerca de R$ 2 mil) em fevereiro, chegando a 9.801 pesos (cerca de R$ 2,5 mil) em julho. Já a Cidade de Buenos Aires fixou um montante de 11.372 pesos (R$ 2,9 mil) a partir de agosto.

Macri queria fechar a negociação no teto máximo de 25% para conter o avanço da inflação, mas o estabelecido em Buenos Aires abre um precedente para que as demais províncias não aceitem acordos menores que 35%.

Foto: Presidência argentina

No artigo

Comentários