Cerimônia do Oscar tem protestos e piadas sobre falta de diversidade racial

"Se eles também nomeassem os apresentadores, eu não teria trabalho", alfinetou o humorista Chris Rock. Esse já é o segundo ano consecutivo em que não há qualquer ator negro indicado para as categorias de interpretação.

818 0

“Se eles também nomeassem os apresentadores, eu não teria trabalho”, alfinetou o humorista Chris Rock. Esse já é o segundo ano consecutivo em que não há qualquer ator negro indicado para as categorias de interpretação

Por Redação

chris-rock-backstage-at-oscars

O apresentador Chris Rock aproveitou a cerimônia do Oscar ontem (28), em Los Angeles, para alertar sobre a falta de diversidade racial entre os nomeados da premiação. Logo de início, ele afirmou que a festa “também é conhecida como os prêmios das pessoas brancas”. “Se eles também nomeassem os apresentadores, eu não teria trabalho”, completou o humorista.

“É a 88ª edição do prêmio. Quer dizer que essa coisa toda de não indicarem negros aconteceu pelo menos outras 71 vezes. Você imagina que poderia ter acontecido nos anos 50, nos 60… e tenho certeza de que não houve indicações. Sabe por quê? Porque nós tínhamos coisas de verdade para protestar contra naquela época”, discursou. “Estávamos ocupados demais sendo estuprados e linchados para se importar com quem venceu [na categoria] melhor direção de fotografia. Quando a sua avó está enforcada em uma árvore, é realmente difícil pensar em quem venceu o melhor curta-metragem de documentário estrangeiro.”

Ainda antes do evento, quando os convidados desfilavam pelo tapete vermelho, um grupo de manifestantes protestou pelo mesmo motivo. Esse já é o segundo ano consecutivo em que não há qualquer ator negro nomeado para as categorias de interpretação, o que fez com que personalidades como o diretor Spike Lee e o casal de atores Will Smith e Jada Pinkett-Smith resolvessem boicotar a cerimônia.

Em janeiro, a organização do Oscar havia se comprometido a adotar medidas para que os prêmios possam valorizar a diversidade. Nesta semana, um estudo da Universidade do Sul da Califórnia mostrou que a indústria cinematográfica de Holllywood vive com uma “epidemia de invisibilidade” em relação à participação de minorias étnicas, das mulheres e da comunidade LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgénero).

Foto de capa: Divulgação

No artigo

Comentários