Candidatos denunciam favorecimento a professor em concurso da USP

Dossiê encaminhado ao Ministério Público aponta que a banca era integrada por pessoas próximas ao escolhido e sem experiência na área; vencedor dá aulas na instituição como temporário há 10 anos Por Redação...

2547 0

Dossiê encaminhado ao Ministério Público aponta que a banca era integrada por pessoas próximas ao escolhido e sem experiência na área; vencedor dá aulas na instituição como temporário há 10 anos

Por Redação

each_i1

Um grupo de docentes que prestou o concurso público para a contratação de um professor titular para a área de Patrimônio Cultural e Turismo na Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) da Universidade de São Paulo (USP) entrou com uma representação no Ministério Público do Estado contra a banca.

O resultado é contestado por 12 dos 18 candidatos que participaram das provas. Segundo um dossiê elaborado por eles, a seleção foi feita para beneficiar André Fontan Köhler, que dá aulas na condição de professor temporário na instituição há cerca de dez anos. A EACH já teve dois concursos impugnados nos últimos anos por suspeitas de irregularidades.

Os participantes começaram a suspeitar após os resultados da primeira fase, pois acreditam que as notas de Köhler foram muito maiores até do que outros acadêmicos mais qualificados. A falta de “aderência” dos integrantes da banca com o tema do concurso foi outro ponto que incomodou os candidatos. “Dentre os membros, um era especialista em geologia (fertilizantes); outro em história da matemática; e dois em administração. Já o último, era uma arquiteta ligada à gestão de projetos, professora de faculdade privada, não-concursada”, aponta o grupo.

A partir dessas suspeitas, os outros candidatos passaram a pesquisar sobre a banca e descobriram que todos os professores que participaram dela tinham alguma relação próxima com Köhler. Além de amigos nas redes sociais, Köhler agradece à arquiteta Clarissa de Castro Souza em sua tese de doutorado. A diretora da EACH, Cristina Motta de Toledo, a quem o candidato aprovado já era subordinado como professor temporário, participou da banca, assim como Rogério Monteiro de Siqueira, coordenador da pós em Estudos Culturais – programa no qual o candidato André já tem aprovado internamente seu credenciamento, e no qual foi membro de várias bancas.

Os outros dois professores que participaram da banca são ligados à Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV-SP), assim como Köhler. Antonio R. Bono Olenscki estudou com ele na FGV entre 1999 e 2005 – época em que cursaram não apenas a mesma faculdade por mais de meia década, mas o mesmo curso e a mesma especialidade. Antonio S. Araújo Fernandes é coordenador de revista acadêmica da FGV, também do mesmo curso e especialidade do candidato escolhido.

Antes do Ministério Público, as informações do dossiê foram levadas à Ouvidoria da USP e à Congregação da EACH. A Ouvidoria informou que, “por ser uma instância informal, não tem poderes legais que lhe permitam atuar no caso”. Apesar das contestações, a Congregação da EACH homologou o concurso, com dez votos favoráveis e três abstenções.

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



No artigo

Comentários