Hillary quer “nocautear” Sanders até 15 de março. Mas Super Terça o mantém no jogo

Ex-secretária de Estado Hillary Clinton conseguiu, de acordo com as últimas projeções, 453 delegados na Super Terça, contra 284 de Bernie Sanders Por Glauco Faria A...

1115 0

Ex-secretária de Estado Hillary Clinton conseguiu, de acordo com as últimas projeções, 453 delegados na Super Terça, contra 284 de Bernie Sanders

Por Glauco Faria

Bernie-Sanders-apologizes

A ex-secretária de Estado Hillary Clinton conseguiu aumentar sua vantagem em relação a Bernie Sanders após a Super Terça. De acordo com as últimas projeções, Clinton conseguiu 453 delegados na Super Terça, contra 284 de Sanders, derrotando o rival em sete estados e perdendo em quatro. No total, contando com os superdelegados (figuras proeminentes do partido, que não são escolhidos nas prévias), a vantagem atual dela pode ser de 630 delegados (1001 a 371). Quando se considera somente os eleitos até agora, o placar é de 544 a 349, segundo o The Washingont Post.

Clinton venceu, como era esperado, nos estados do Sul onde o eleitorado negro, segmento no qual a candidata tem forte apoio, é mais representativo. Ela bateu Sanders nos estados do Texas, Georgia, Virginia, Alabama, Tennessee e Arkansas, este, onde foi primeira-dama no mandato de Bill Clinton como governador. Mas a ex-secretária de Estado também bateu Sanders em Massachusetts, um estado predominantemente branco, ainda que por uma margem bastante estreita: 50,2% contra 48,6%.

A campanha de Clinton calcula que a situação para seu adversário pode se tornar irreversível no dia 15 de março. A expectativa é que sua vantagem aumente ainda mais, mas o tamanho da diferença é que determinaria se haveria ou não um “nocaute”. Até lá, haverá disputas em Michigan (130 delegados em jogo), no dia 8, e nos estados da Flórida (214), Ohio (143), Illinois (156), Carolina do Norte (107) e Missouri (71) no dia 15. Seu estafe espera triunfos nesses estados, com derrotas no Kansas (33 delegados em disputa), Nebraska (25) e Maine (25).

Sanders venceu no Colorado, Minnesota, Oklahoma e Vermont, seu berço político, onde conseguiu uma vantagem mais que expressiva. Como Clinton não atingiu 15% dos votos, todos os 10 delegados de Vermont ficaram com ele.

O senador teve ainda duas boas notícias neste início de semana. Conseguiu arrecadar US$ 42 milhões em doações no mês de fevereiro, mais que os outros rivais na corrida ora pré-presidencial fizeram em um mês. E uma pesquisa nacional mostra que Sanders venceria qualquer um dos três principais adversários do Partido Republicano – Trump, Cruz ou Rubio –, enquanto Hillary superaria apenas Trump.

Algumas estatísticas de pesquisas nas quais houve votação nesta Super Terça e terminaram com vitória de Clinton mostram a força de Sanders em determinados segmentos, em especial os eleitores entre 18 e 29 anos, entre aqueles que votaram pela primeira vez nas primárias e os eleitores independentes. De acordo com a NBC, Ele venceu entre os mais jovens por 30 pontos de diferença no Texas, 39 na Virgínia e 13 na Georgia, por exemplo.

Os cálculos da campanha de Sanders incluem justamente reverter a expectativa do estafe de sua adversária, passando pelo dia 15 de março e chegando com fôlego a estados da costa Oeste que, em tese, seriam mais favoráveis a sua candidatura. Mesmo a postura dos superdelegados poderia mudar no caso de uma disputa acirrada. Campanhas online pedem que os dirigentes “respeitem a vontade das urnas”, ratificando aquilo que for decidido nas prévias.

Na prática, quem sair hoje como candidato democrata tem mais chances de bater qualquer um dos republicanos. Entre os eleitores do partido de Reagan e família Bush, os três principais candidatos têm aumentado sua rejeição, enquanto na legenda democrata a luta entre os dois principais oponentes não tem afastado seus eleitores. Em dezembro, 38% afirmava não votar em Bernie Sanders e em fevereiro a rejeição permanece no mesmo patamar. Hillary Clinton era rejeitada por 48% em dezembro e, agora, por 47%.

Leia mais:

Todos (no Partido Republicano) odeiam Donald Trump

Foto de capa: Reprodução

Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora e receba em seu endereço!



No artigo

Comentários