Maioria dos ministros do STF vota por recebimento de denúncia contra o deputado Eduardo Cunha

Votação foi interrompida depois de cinco ministros acompanharem o relator Teori Zavascki e será retomada amanhã, quando votam os outros cinco membros do colegiado Por Redação A maioria dos...

607 0

Votação foi interrompida depois de cinco ministros acompanharem o relator Teori Zavascki e será retomada amanhã, quando votam os outros cinco membros do colegiado

Por Redação

Foto: Lula Marques / Agência PT

A maioria dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) aprovou, nesta quarta-feira (02/03), o recebimento de denúncia ação do Ministério Público Federal contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Após os seis votos que garantem a maioria do plenário, a sessão foi suspensa e deve ser retomada nesta quinta-feira para a conclusão da votação. Os ministros rejeitaram por unanimidade a maioria das preliminares propostas pela defesa do parlamentar e a prefeita de Rio Bonito (RJ), Solange Almeida (PMDB). Apenas uma delas foi acolhida pelo ministro Marco Aurélio.

Cunha é acusado de receber valores provenientes de desvio de recursos da Petrobras, fato investigado pela operação Lava-Jato, da Polícia Federal. O relator, Teori Zavascki, acolheu a denúncia na parte em que acusa Cunha de pressionar, a partir de 2010, o ex-consultor da Samsung Júlio Camargo a retomar os pagamentos de propina que haviam sido interrrompidos. Ele rejeitou parte da denúncia que acusava Cunha de atuar na negociação para a compra dos navios, entre 2006 e 2007 Os crimes imputados ao parlamentar são de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Acompanharam o voto de Zacascki os ministros Cármen Lúcia, Marco Aurélio, Edson Fachin, Rosa Weber e Roberto Barroso. Para a conclusão do julgamento, devem votar nesta quinta-feira Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Luiz Fux, o decano Celso de Mello e o presidente Ricardo Lewandowski.

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



No artigo

Comentários