Mansão em Paraty, agropecuária, endereço compartilhado: está tudo em família (Marinho)

Não é só a paixão pelo hipismo que Alexandre Chiappetta tem em comum com seu ex-sogro João Roberto Marinho. O endereço de suas empresas – a mansão de Paraty está registrada em nome de uma delas – é o mesmo que o de uma companhia...

2114 0

Não é só a paixão pelo hipismo que Alexandre Chiappetta tem em comum com seu ex-sogro João Roberto Marinho. O endereço de suas empresas – a mansão de Paraty está registrada em nome de uma delas – é o mesmo que o de uma companhia do vice-presidente do Grupo Globo, que através dessa parceria conseguiu, além de um helicóptero, plantar uma “semente” de sua emissora no Clube de Remo do Rio de Janeiro; entenda

Por Ivan Longo

mansaoparaty

João Roberto Marinho, vice-presidente do Grupo Globo e terceiro dos quatro filhos de Roberto Marinho, tem desde criança uma paixão: o hipismo. Praticado também pelo pai, o esporte de elite faz até hoje parte da vida do herdeiro de uma das famílias mais ricas do país. Como cavaleiro amador, foi campeão brasileiro por equipes em 2010 e campeão, no ano passado, da Copa Carioca.

Quem também tem paixão pelo hipismo é o empresário Alexandre Chiappetta de Azevedo, ex-marido de Paula Marinho, filha de João Roberto. O ex-genro do vice-presidente do Grupo Globo frequenta os mesmos restritos ambientes de cavaleiros e chegou a ser campeão brasileiro de hipismo na categoria por equipes em 2002.

A paixão por cavalos e disputas hípicas, no entanto, não é a única coisa que Marinho e Chiappetta têm em comum. O apartamento 601 do Edificio Quaruna, na Rua Bulhões de Carvalho, número 296, no Rio de Janeiro (RJ), é o endereço compartilhado entre as empresas dos dois cavaleiros. Coisa da família. Ainda mais se levarmos em consideração que a empresa que tem Alexandre como sócio é controlada pela mesma empresa que administra a Agropecuária Veine, companhia que assinou o registro de imóvel daquela mansão construída em área irregular de Paraty (RJ) que João Roberto Marinho alega não ser de sua família.

De acordo com o Tijolaço, que teve acesso a documentos que comprovam os donos e os endereços das empresas, a Agropecuária Veine (dona da mansão) é controlada pela Vaincre LLC, uma empresa de fachada que também controla a Shiraz Participações, empresa de Marco Aurélio de Azevedo, pai e procurador de Alexandre, o cavaleiro. Alexandre, por sua vez, é dono da Glen Participações, a companhia por trás da Lagoon, empreendimento construído no Estádio de Remo da Lagoa quando, em 1997, sem licitação, o governo do estado concedeu o uso do estádio à empresa do ex-genro de João Roberto Marinho para fins comerciais. João, por sua vez, tem em sociedade com a filha Paula Marinho, a ex-esposa de Alexandre, FN5 Participações. O endereço? A mesma rua Bulhões de Carvalho, número 296, apartamento 601.

A coisa de família vai além. O contrato do governo que concedia o uso do Estádio de Remo à Lagoon, empresa de Alexandre, o cavaleiro, requeria a assinatura de um fiador. Na ocasião, a fiadora foi Paula Marinho, e é aí que a família Marinho, para não dizer a Globo, “planta sua semente” no estádio.

No Facebook, uma página criada por moradores da região e frequentadores do Estádio que são contra a privatização do local fazem análises e denúncias dos empreendimentos que o envolvem. No ano de 2011, em uma postagem sobre o contrato que cedeu o uso do Estádio à empresa do ex-genro de Marinho, escreveram:

“No meio do Parágrafo primeiro da Clausula Segunda do Termo de Permissão de Uso, que versa sobre a “destinação do imóvel”, o Estado permite que o Estadio de Remo seja usado como “estúdio para gravações de vídeo”. É como se tivessem cuidadosamente plantado um objetivo a ser posteriormente atingido (…) Como todos sabem, o Estádio de Remo está localizado no limiar dos bairros Jardim Botânico, Gávea e Leblon. É pública e notória também a expansão física das instalações da Rede Globo em diversos prédios espalhados pelo bairro do Jardim Botânico”.

‘Conspirações’ à parte, Alexandre, o cavaleiro ex-genro de Marinho, foi testemunha do consórcio entre a Veine (dona da mansão em Paraty) e a empresa Santa Amália que, conforme revelou o Viomundo, foi o consórcio usado para trazer ao Brasil um helicóptero que é associado à família Marinho. A mansão de Paraty tem heliponto.

E já que a empresa Santa Amália foi citada, vale lembrar que ela tem como endereço o mesmo da sede da Brasif, empresa que, segundo Mirian Dutra, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) utilizou para intermediar pagamentos mensais à jornalista como se ela fosse contratada da companhia, mas sem trabalhar, enquanto vivia na Europa. À época, a Brasif era concessionária do governo federal, comandado por FHC.

Está tudo em família.

INFO-emfamilia
Clique na imagem para ampliar. Arte: Raphael Sanchez

Leia também:

Entenda em 10 passos como FHC e Globo se tornaram um único escândalo

Golpe 16 - O livro da blogosfera em defesa da democracia

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.

Compre agora e receba em seu endereço!



No artigo

Comentários