EXCLUSIVO! De frente com Margrit Dutra Schmidt

Fórum conversou com a socióloga acusada de ser funcionária fantasma de José Serra (PSDB). "Eu não tenho o que rebater", ressaltou em uma das raras declarações feitas a um veículo de comunicação; assista ao vídeo.

1919 2

Fórum conversou com a socióloga, irmã da ex-amante de Fernando Henrique Cardoso e acusada de ser funcionária fantasma de José Serra. “Eu não tenho o que rebater”, ressaltou em uma das raras declarações feitas a um veículo de comunicação; assista ao vídeo

Texto, fotos e vídeo de Maíra Streit

margrit capa

margrit crachá - CópiaEram pouco mais de nove horas da manhã quando Margrit Dutra Schmidt chegou ao gabinete do senador José Serra (PSDB) nesta quinta-feira (3), em Brasília. Até poucos dias, a assessora do tucano estava na República Dominicana por motivos ainda não divulgados. Mas com o alvoroço em torno das denúncias envolvendo seu nome, ela retornou à cidade no início da semana.

Margrit, como foi noticiado por grande parte da imprensa, é acusada de ser funcionária fantasma de Serra desde março do ano passado. Ele alega que o projeto desenvolvido pela socióloga é sigiloso e feito em casa, ato que é considerado irregular de acordo com as regras do Senado. O salário bruto da assistente parlamentar é alto, na faixa de R$ 9.500, embora permaneça desconhecida por muitos colegas de trabalho.

A situação veio à tona depois que sua irmã, Mirian Dutra, virou o centro das atenções ao divulgar dados comprometedores sobre o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, com quem teve um caso entre os anos 1980 e 1990. Nas acusações, ela afirma que FHC a mantinha na Europa por meio de contratos de fachada com a empresa Brasif.

Não demorou até que se chegasse a Margrit, que recebe pelo Congresso há 15 anos e já passou pelos gabinetesserra gabinete do ex-senador Arthur Virgílio (PSDB-AM) e da senadora Lúcia Vânia (PSB-GO), antes de ser exonerada pelo senador Álvaro Dias (PV-PR) por raramente aparecer para dar expediente. Os dois últimos políticos também eram do PSDB.

Questionada pela Fórum sobre as denúncias, ela preferiu se esquivar. “É um assunto privado, um assunto muito triste e eu não quero falar nada sobre isso. É um direito que eu tenho”, ressaltou em uma das raras declarações feitas a um veículo de comunicação. “Eu não tenho o que rebater”, completou.

O chefe de gabinete de Serra, Marcos Köhler, não soube explicar sobre o que é o projeto que Margrit desenvolve. “O senador mobiliza os assessores nos temas de interesse dele. Não tenho essa prática de perguntar o que está pedindo para cada pessoa”, disse, destacando ainda que não há qualquer informação se ela será ou não exonerada do cargo.

No artigo

Comentários

2 comments

  1. Alex Souza Responder

    senhora? senhora?…

  2. Manoel José Ulisses Responder

    Eita dinheirama que é dada pelos ladrões aos seus lacaios, é tanta roubalheira, tanto desvio de verba da Nação, tanto mando e desmando, tanto roubo a mão armada de caneta, que não se tem nem mais o que se falar, é apenas observar, ler, ver, ouvir e permanecer calado, porque afinal nas próximas eleições temos que renovar ou não de quadrilha, que aparecem sorridentes já se apresentando, com descaro de ainda falar mal de quem eles vão fazer igual ou pior, é triste, que miséria politica que vivemos, que justiça imunda somos subjugados, fedem como ratos de esgoto e nos arrastam ao lodo do absurdo.