Ministro do STF, sobre Moro: “Nós, magistrados, não somos justiceiros”

Marco Aurélio Mello fez duras críticas à condução coercitiva do ex-presidente Lula. “O chicote muda de mão. Não se avança atropelando regras básicas.” Por Redação O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF)...

5218 0

Marco Aurélio Mello fez duras críticas à condução coercitiva do ex-presidente Lula. “O chicote muda de mão. Não se avança atropelando regras básicas.”

Por Redação

marco aurelio mello

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio Mello falou à coluna da jornalista Mônica Bergamo sobre a condução coercitiva do ex-presidente Lula para prestar depoimento à Polícia Federal na manhã desta sexta (4). Ele diz não ter “compreendido” a medida.

“Condução coercitiva? O que é isso? Eu não compreendi. Só se conduz coercitivamente, ou, como se dizia antigamente, debaixo de vara, o cidadão que não resiste e não comparece para depor. E o Lula não foi intimado”, argumentou. “Vamos consertar o Brasil. Mas não vamos atropelar. O atropelamento não conduz a coisa alguma. Só gera incerteza jurídica para todos os cidadãos. Amanhã constroem um paredão na praça dos Três Poderes”, ironizou.

Segundo ele, a justificativa de Sergio Moro de que a condução foi realizada para assegurar a segurança de Lula não é convincente. “Será que ele [Lula] queria essa proteção? Eu acredito que na verdade esse argumento foi dado para justificar um ato de força”, disse, observando que Moro” estabelece o critério dele, de plantão. ´”Nós, magistrados, não somos legisladores, não somos justiceiros”, disse.  “O chicote muda de mão. Não se avança atropelando regras básicas.”

Foto de capa: Dorivan Marinho/SCO/STF

O livro da blogosfera em defesa da democracia - Golpe 16

Golpe 16 é a versão da blogosfera de uma história de ruptura democrática que ainda está em curso. É um livro feito a quente, mas imprescindível para entender o atual momento político brasileiro

Organizado por Renato Rovai, o livro oferece textos de Adriana Delorenzo, Altamiro Borges, Beatriz Barbosa, Conceição Oliveira, Cynara Menezes, Dennis de Oliveira, Eduardo Guimarães, Fernando Brito, Gilberto Maringoni, Glauco Faria, Ivana Bentes, Lola Aronovich, Luiz Carlos Azenha, Maíra Streit, Marco Aurélio Weissheimer, Miguel do Rosário, Paulo Henrique Amorim, Paulo Nogueira, Paulo Salvador, Renata Mielli, Rodrigo Vianna, Sérgio Amadeu da Silveira e Tarso Cabral Violin. Com prefácio de Luiz Inácio Lula de Silva e entrevista de Dilma Rousseff.



No artigo

Comentários